Resenha - Glenn Hughes (Espaço Hakka, São Paulo, 26/10/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Humberto Domiciano de Paula
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O vocalista e baixista Glenn Hughes, ex- Deep Purple, Trapeze e Black Sabbath fez ontem em São Paulo mais um show da sua turnê sul-americana, que passou por Argentina e Uruguai.

1004 acessosGlenn Hughes: ele finalizou novo álbum com um cara muito famoso5000 acessosDave Mustaine: "há bandas cujo nome me ofende"

Fotos: Fábio Sales

Ao lado do guitarrista J.J Marsh (na banda desde os últimos 10 álbuns), do baterista Stevie Stephens e do tecladista Ed Roth, Hughes desfilou clássicos do Deep Purple e canções de seus discos mais recentes em duas horas intensas.

A apresentação aconteceu no Espaço Hakka, local totalmente fora do circuito de shows na Capital. A localização e os preços de ingressos (100 reais, sem meia entrada) afugentaram um público que deveria ser muito maior.

O show propriamente dito começou por volta das 23 horas e a abertura não poderia ser melhor: "Stormbringer". A faixa-título do segundo álbum da Mk 3 do Purple, formação que tinha David Coverdale nos vocais, é uma faixa forte em qualquer local que for tocada. Não é à toa que ela voltou a ser tocada pelo Whitesnake na abertura de seus shows.

Na sequência, Hughes emendou com "Might Just Take Your Life". A introdução de teclado original, composta por Jon Lord, perde bastante poder sem o maestro. Mas os vocais de Hughes tornam a versão muito boa.

Após uma breve apresentação, Glenn fala sobre a felicidade de estar em São Paulo e anuncia uma música mais 'funk': "Land of the Livin" do álbum "Soul Mover". Esse disco, que foi lançado em 2004, talvez seja o mais funkeado do artista. O show ainda contaria com "Don't Let Me Bleed" desse mesmo trabalho.

Existem músicas que podem ser cantadas por muitos artistas. "Mistreated" foi gravada por Coverdale, já recebeu versões de Ronnie James Dio e Joe Lynn Turner, mas com Hughes o sentimento da letra transborda e em quase 10 minutos, ele alterna improvisações vocais dignas dos melhores 'soulmen'.

Prosseguindo com sons de sua carreira solo, o "Voice of Rock" canta "You Got Soul" e "Steppin On", duas faixas do álbum mais recente "Music For The Divine", ainda inédito no Brasil.

Ele fecha o set normal com uma versão extendida de "You Keep On Moving". As luzes se apagam e no bis ele toca "Soul Mover" e fecha com "Burn" tendo a participação de Jeff Scott Soto, que dispensa grandes apresentações.

Ao final fica apenas uma questão. Como o Deep Puple fará 40 anos em 2008, por que não chamar Hughes para algumas apresentações?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Deep PurpleDeep Purple
Jon Lord, David Coverdale e Glenn Hughes tentaram fazer reunião

1004 acessosGlenn Hughes: ele finalizou novo álbum com um cara muito famoso0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Glenn Hughes"

Glenn HughesGlenn Hughes
"Cheguei à beira da insanidade real!"

20162016
Os 10 melhores discos de rock/metal do ano, por Igor Miranda

Glenn HughesGlenn Hughes
"A dor e a mudança são duas certezas da vida"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Glenn Hughes"

Dave MustaineDave Mustaine
"Há bandas cujo nome me ofende"

KissKiss
"Rock não tem segredos! É trabalho para otários!"

ExcessosExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

5000 acessosCretin: transexual rompe barreiras no metal extremo5000 acessosLed Zeppelin e o lendário encontro com Elvis Presley5000 acessosRegis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileira5000 acessosMetallica: Conheça a lista de exigências do camarim da banda4572 acessosTeoria musical: os elementos básicos de uma canção5000 acessosA importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars

Sobre Humberto Domiciano de Paula

Jornalista, fã de Black Sabbath, Deep Purple e todas as bandas derivadas. Já realizei um grande sonho, que foi conhecer o Purple. Ouço quase todas as vertentes do heavy metal, mas minha praia mesmo é o hard rock. É impossível descrever o que sinto quando ouço "Highway Star", "Behind the Wall of Sleep", "Slow an' Easy"...

Mais matérias de Humberto Domiciano de Paula no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online