Resenha - Living Colour (Circo Voador, Rio de Janeiro, 31/07/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Claudio Borges
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.







Após três anos da sua última turnê sul-americana, o Living Colour se apresentou para um público heterogêneo, que lotava o Circo Voador. Havia um pouco de tudo: de hippongas zona sul até headbangers, passando por rastafaris e casais na casa dos 50 anos. Mas a convivência era mais do que pacífica. Assim como a música do grupo mistura reggae, hard rock, hardcore e ritmos africanos, os dreads se misturavam a ternos e chinelos a salto-alto.

Fotos: Cintia Ventania

A abertura da noite ficou a cargo do interessante Vulgue Tostoi. Em seguida, ainda foi necessário assistir ao grupo Nós do Morro. Misto de trabalho social e cultural, foram escolhidos pelo próprio Living Colour para apresentar suas cantigas de roda e capoeira. Depois de algumas vaias era hora de começar a servir o prato principal.

Sem música de abertura, pano de fundo ou qualquer outro adereço, o grupo mandou uma acelerada versão de "Type" e pôs todo mundo a pular e cantar. Platéia na mão, foram enfileirando pedradas como "Desperate People", "Middle Man" e "Wall". Conseguiram: o coro estava mantido. Vernon Reid (guitarra), Corey Glover (vocal), Doug Wimbish (baixo e voz) e Will Calhoun (bateria) sorriam pela calorosa acolhida. Seria mais uma apresentação histórica da banda.

Com o setlist privilegiando os dois melhores álbuns, “Vivid” (1988) e “Time´s Up” (1990), o grupo foi desfilando hits certeiros ("Glamour Boys", "Funny Vibe", "Open Letter", "Memories Can´t Wait"), músicas pouco conhecidas (as pesadas "Sacred Ground", "Go Away") e até uma inédita ("Bless Those", cantada por Doug Wimbish).

Mas nem o mais ardoroso fã teve muita paciência com o excesso de solos. Foram dois de bateria e dois de baixo. O comprovado virtuosismo colocava algumas pessoas em direção ao bar. Só Vernon Reid não teve seu momento onanista. Concentrado em seus poderosos riffs, o guitarrista esbanjou simpatia e danças esquisitas. Seus pouco criativos solos empolgaram os fãs mais fiéis. Porém, a impressão que persite é que todos são parecidos demais.

Com duas horas de show, a platéia não arredava o pé da lona. Hora do maior hit em terra brasilis: a sensual "Love Rears it´s Ugly Head". As meninas, que compareciam em ótimo número, logo tiveram seu momento para dançar. Mas o hardcore de "Elvis is Dead" desfez o clima de boate. Para fechar a primeira parte do show, "Cult of Personality", um hard matador que fez surgir a primeira roda da noite.

A volta do grupo é impulsionada pelos gritos do público. Em nítido desconforto, Corey Glover não parece muito entusiasmado por cantar às três da manhã. Mais tarde, Doug confidenciaria que o cantor é o integrante mais difícil de voltar ao palco. Gritos de "Back In Black" (AC/DC) ecoam pelo ar. Em seu lugar, "Should I Stay or Should I Go" (The Clash) cumpre a missão de manter todos acordados. Nova saída. Luzes acesas, técnicos começando a remover os equipamentos e eis que o público não se dá por vencido e pede mais. Segue-se um pequeno impasse e novo retorno. Doug brinca e diz que esse foi o melhor show da tour. Outra cover: "Crosstown Traffic" (Jimi Hendrix) manda todos para casa, felizes da vida, às 3h40 da manhã. Mais três anos para a volta?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

642 acessosLiving Colour: lançado novo single "Come On"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Living Colour"

Anos 90Anos 90
10 shows pouco comentados

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Living Colour"

Sgt. PeppersSgt. Peppers
Quem são as pessoas e quais os objetos da capa?

HumorHumor
Ser prog metal é mais que saber tocar em modo frígio

SlayerSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

5000 acessosRock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?5000 acessosPaulo de Castro: Baixos, guitarras, calcinhas, e pinball do Kiss?5000 acessosEnjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rock5000 acessosEm 19/03/1982: Randy Rhoads morre em um acidente de avião5000 acessosGhost: bem confortável com a ideia de não ser mais anônimos5000 acessosSlayer: maluco encara furacão na Flórida ao som da banda

Sobre Claudio Borges

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online