Matérias Mais Lidas

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemA opinião de Herbert Vianna sobre a crítica musical e sua imagem de "bom moço"

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam


Stamp

Uriah Heep: Show sensacional e uma vitalidade absurda

Resenha - Rock In Concert (Canecão, Rio de Janeiro, 27/09/2006)

Por Rodrigo Scelza
Em 11/10/06

Após onze anos os ingleses do Uriah Heep e a sua "nova" formação voltaram ao Canecão para tocar clássicos de sua época inicial e músicas mais recentes. Apesar do último álbum "Sonic Origami" ser de 98, ainda não havíamos visto em terras tupiniquins uma performance contendo faixas deste grande disco.

Antes de mais nada queria deixar clara a minha revolta quanto a casas de shows que até hoje não entendem a concepção de um show de rock. Realmente por falta de boas casas de eventos no Rio temos que nos deparar com um Canecão da vida, que com todo o seu "glamour" por ter recebido astros da MPB e ao mesmo tempo monstros do rock como Black Sabbath, não tem o tato de saber quando devem ser colocadas mesas e cadeiras ou simplesmente uma pista. "Quem não tem cão caça com gato" e nós caçamos de Canecão. Mas SALVE BERNIE SHAW, e vocês vão entender por que.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Infelizmente por causa do trânsito cheguei ao final da performance da banda Apocalypse, perdendo a apresentação do King Bird. Recebi do público muitos elogios ao King Bird. Quanto ao Apocalypse, do pouco que vi, soando bem parecido, com Rush, não foi dos shows mais agradáveis; as músicas não empolgaram.

Todos acomodados em seus lugares e os que compraram ingressos de "pista-lateral" (sim! no Canecão isso existe!) também acomodados, mas com cara de total frustração, viram exatamente às 23h10 soar a introdução para um clássico nos PAs: "So Tired", do disco "Wonderworld" fez os presentes se animarem. A banda estava completamente solta e visivelmente feliz por estar ali. Ao final desta foi executada uma música da fase de Bernie Shaw e Phil Lanzon, a excelente "Cry Freedom", do primeiro álbum dos mesmos na banda, com uma pegada bem hard; até os mais conservadores agitaram bastante. Vale ressaltar a engraçadíssima roupa de Mr. Shaw, como vocês podem ver nas fotos, uma camisa laranja com uma calça espalhafatosa. O Uriah não fez com que o tempo deixasse eles se vestirem como tiozinhos; o show não é só música.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Falling In Love", da fase de uma das maiores vozes do rock, John Lawton, foi uma surpresa. Sempre me perguntava porque esse "line-up" não tocava nenhuma música desta fase em especial... acabei por saciar a minha vontade e vi uma canção muito bem executada, tanto pela banda quanto pela voz de Bernie, que indiscutívelmente fez um excelente arranjo vocal, respeitando perfeitamente a melodia que John criou.

Durante a música, visivelmente incomodado em ver as pessoas sentadas, Bernie Shaw manda todos se levantarem e ficarem perto dele, colados no palco. Era visível a felicidade dos presentes, que fizeram do show um dos mais divertidos entre os que presenciei. A fisionomia da banda mudou depois que os presentes se levantaram e fizeram jus àquele show de rock.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Continuando com as músicas, mais uma da fase atual é tocada, "Words In The Distance", do melhor álbum da banda, na minha opinião, "Sea Of Light". O início de "Stealin'" era tocada quando ocorreu um problema nos teclados de Phil Lanzon. A banda pediu desculpas aos presentes, resolveu o problema e aquele corinho inicial foi feito em uníssono pelo público, causando algum espanto à banda. O show seguiu só com músicas da fase inicial, como "If I Had The Time" e "A Year Or A Day".

Do último e excelente álbum só a "Between Two Worlds", o que me causou certa frustração, pois também era a última deste line-up a ser tocada. É claro que o Uriah Heep vai preferir tocar todos os clássicos da fase de David Byron, pois não é o tipo da banda que vem ao Brasil de dois em dois anos como um Iron Maiden, por exemplo. Mas eu acho que uma formação que existe por mais de 20 anos e com quatro discos de estúdio lançados não pode ser lembrada com somente três músicas. Me desculpem os puristas. Reconheço e respeito, apesar de não gostar, da fase de Lord Byron; sei da importância que ele teve na história do Uriah e acho que muitos dos presentes não têm interesse em ouvir a atual fase e preferem ficar vivendo do passado. Toda banda tem clássicos, mas todos nós temos que continuar acompanhando o que a banda faz e não ir ao show somente pelo nome e pra ouvir os clássicos. Único ponto fraco do show na minha opinão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por falar em clássico, mais um era tocado, "The Wizard", para deleite de todos. Outra surpresa da fase de John Lawton, "Free Me", uma das baladas mais lindas de toda a carreira do grupo com grande interação do público nesse momento, onde Bernie pediu para os presentes fazerem os vocais contrapostos ao dele.

Após isso estávamos nos aproximando do meio-final do show e o já esperado aconteceu, só clássicos: "Sunrise", "Gypsy" (que peso ganhou essa música ao vivo!), e "Look At Yourself" fecharam a primeira parte do show.

A banda volta para o bis e executa "Bird of Prey", "Easy Livin'" e "Lady in Black". Pouco mais de 1h30 de show. A resposta do público foi excelente. Banda e presentes saíram totalmente satisfeitos. Prometeram uma volta breve com, quem sabe, um disco novo.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Show sensacional de uma banda com uma vitalidade absurda. Arrisco dizer que o Uriah Heep não perdeu força em sua performance atual como fez o Deep Purple de uns tempos pra cá.

Up the Heep's!

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

The Mentulls, no espírito "não custa tentar", manda recado para Uriah Heep



Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Rodrigo Scelza

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Rodrigo Scelza.