Resenha - Jeff Scott Soto (Espaço Callas, Curitiba, 09/11/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Clovis Roman
Enviar correções  |  Ver Acessos




















Ver Jeff Scott Soto em Curitiba parecia ser algo bem distante da realidade. Entretanto, o cantor veio e fez, sem exageros, um dos melhores shows do ano. Ou melhor, dos ultimos anos. Dificilmente se encontra uma banda tão alegre, comunicativa e entrosada como a de Jeff Scott. O simpático guitarrista Howie Simon e o louco (e também atencioso) guitarrista/baixista Chris McCarvill comprovam isto. O batera Dave Dzialak era o mais reservado, mas nem por isto se negou a dar autógrafos e tirar fotos. Já o próprio Scott também é super educado e simpático - e o publico Curitibano teve grande contribuição neste ambiente divertido.

Originalmente publicado em www.order-news.cjb.net

Para abrir a noite, os novatos do U and I, que faziam sua segunda apresentação. Apesar disto, mandaram bem, com várias covers interessantes como "Don't Stop Believing", do Journey, e "Play The Game Tonight", do Kansas. O vocalista é o mesmo do Sabre, e o baterista é o famoso Marcelo, lendário dono da loja Classic Laser. Mesmo não tendo presenciado todo o set do grupo, o visto foi suficiente para agradar. E os presentes também pareciam estar gostando.

O público presente nesta noite foi bem diferente dos que costumam frequentar shows de bandas mainstream, como Angra ou Shaaman. Os presentes estavam dividos entre os 'glams', alguns headbangers perdidos, e vários adultos mesmo, criando uma atmosfera menos infantil e mais festiva.

Quando a grande atração sobe ao palco, com uma rapida citação ao Deep Purple, todos vão ao delírio - e esta empolgação se refletiria no que estava rolando em cima do palco. Jeff Scott Soto canta demais, e nestes momentos até revolta quando lembramos de pessoas que falam que Tony Kakko (quem?) canta bem. Haja mau gosto!

Alguém reclamou para mim que ele colocou 'disco music' no repertório (só porque fizeram uma citação a "Macho Man", do Village People). O mesmo indivíduo disse que tinha ido ao show pra ver Metal (que mentalidade débil). Graças a Deus, Jeff nunca tocou Heavy Metal (o mais próximo disto foi a época do Malmsteen), e seu show foi fantástico exatamente por ser inovador. Mas opinião de metaleiro nem deve ser levada em conta.

Durante seu extenso set-list, tocaram sons do Soul Cirkus, Talisman e a hoje clássica "Stand Up And Shout", da banda Steel Dragon (aquela do filme RockStar). As mais recentes, como as músicas do Talisman "Colour My XTC" (do Humanimal) e "Mysterious" (do Genesis) também incitaram o público a dançar e cantar - e Hard Rock é pra isto mesmo! Foi tão legal não ver nenhum indivíduo batendo cabeça!

Ainda rolou a bonita "Crazy", do Seal, e uma parte onde fizeram várias citações a bandas 'metaleiras': "Enter Sandman", do Metallica; "Crazy Train", do Ozzy; "Fool For Your Loving", do Whitesnake e "Run To The Hills", do Iron Maiden, sendo que desta foi tocada uma boa parte, desde o início até o fim do refrão. Depois após alguns probleminhas com o teclado, Jeff toca vários sons num set acústico, entre eles, "Eyes" e o clássico do Queen "Love Of My Life".

Na volta para o encore, mais citações, num medley que englobou de tudo, até mesmo a já citada "Macho Man", "Another One Bites The Dust" (em que ele grita 'Vannila Ice') e "Stayin' Alive", do BeeGees (onde JSS fez as vozes exatamente iguais ao trio). E para incrementar ainda mais esta fabulosa noite, toda a banda demonstrava sua felicidade e satisfação em tocar para um público tão empolgado, com piadas, sorrisos e brincadeiras em cima do palco. Em determinado momento, um fã pede a canção "Eyes", e o vocalista começa a conversar com o rapaz, no meio do show.

Quem não foi, perdeu uma noite memorável. E quem ousar falar mal deste show tem que ser internado num hospício.

Depois de tudo, todos os integrantes do grupo atendem seus fãs, dando autógrafos e tirando fotos. E logo depois, no camarim, muita bagunça com mais alguns fãs e os integrantes da banda, onde eles novamente provaram que estavam mesmo felizes de estar ali. Depois da decepção com o Napalm Death, uma agradável surpresa com esta demonstração de humildade do quarteto. Parabéns a ambas as partes: Banda e Público.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Jeff Scott Soto"


SOTO: veja novo clipe da música "Torn"SOTO: um disco sólido e que vale a pena ouvir

Jeff Scott Soto: comentários sobre a sua saída do JourneyJeff Scott Soto
Comentários sobre a sua saída do Journey

Jeff Scott Soto: memórias ruins de quando cantou para MalmsteenJeff Scott Soto
Memórias ruins de quando cantou para Malmsteen

Jeff Scott Soto: tinha medo do Kiss quando era criançaJeff Scott Soto
"tinha medo do Kiss quando era criança"


Rede Globo: em 1985, explicando o que são os metaleirosRede Globo
Em 1985, explicando o que são os metaleiros

Hit Parader: Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revistaHit Parader
Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revista

Musas inspiradoras: as esposas mais lindas dos rockstarsMusas inspiradoras
As esposas mais lindas dos rockstars

Marilyn Manson: perdi tudo por causa de ColumbineMarilyn Manson
"perdi tudo por causa de Columbine"

AC/DC: Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vidaAC/DC
"Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vida"

Greta Van Fleet: reclamam que o rock morreu, mas aí criticam a genteGreta Van Fleet
"reclamam que o rock morreu, mas aí criticam a gente"

Dream Theater: dez semelhanças - ou seriam plágios?Dream Theater
Dez semelhanças - ou seriam plágios?


Sobre Clovis Roman

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.