Resenha - Angra (DirecTV, São Paulo, 21/01/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bruno Sanchez
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A boa repercussão mundial do Temple of Shadows possibilitou ao Angra uma grande turnê pela Europa e pela Ásia que deve durar alguns meses. Mas antes do embarque, os paulistanos reservaram algumas datas na agenda para shows de despedida do público brasileiro, e a cidade de São Paulo recebeu o Angra no último dia 21/01, uma sexta-feira.

1674 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons5000 acessosOs roqueiros mais chatos das redes sociais

Para quem não conhece a maior cidade da América do Sul, sexta-feira é um dia infernal, especialmente quando chove na cidade: o trânsito caótico por natureza, fica ainda pior. Não é de se estranhar portanto, que grande parte do público tenha chegado quase em cima da hora (o show estava marcado para as 22hs). Pelo menos o DirecTV está localizado em uma região da cidade muito mais acessível do que um Credicard Hall.

O fato da casa de shows também ser um lugar bem menor do que o Via Funchal colaborou para um clima mais caseiro na apresentação e, de certa forma, os integrantes do Angra pareciam bem mais à vontade, sem a mesma pressão do primeiro show de divulgação do Temple of Shadows em terras paulistanas há dois meses.

A grande expectativa para o público era o setlist. Grande parte das pessoas ali presentes assistiu também ao show anterior e se perguntavam se a banda traria as mesmas músicas da última apresentação ou se teríamos novidades.

Pontualmente às 21hs, os paulistas do Eyes of Shiva subiram ao palco e mandaram um set de mais ou menos 40 min. A banda faz um som com fortes raízes no progressivo, às vezes lembrando Symphony X, outra vezes o próprio Angra da época do Holy Land. Os destaques vão para a música Psychos of the New Millenium e para a presença de palco do vocalista André Ferrari, sempre se movimentando bastante e dono de uma bela voz. Eles fecharam a apresentação com o cover de Aces High do Iron Maiden em uma versão que dividiu opiniões, especialmente da galera mais ao fundo do DirecTV – isso sem contar aquela tradicional molecada que ficou de braços cruzados e parecia não conhecer o hino. Mas a banda parece ter um futuro promissor pois o primeiro CD, Eyes of Soul, foi produzido por ninguém menos que o alemão Dennis Ward, produtor reconhecido que já trabalhou com o Angra, além do Pink Cream 69 (onde também é baixista). É esperar para ver.

As cortinas se fecharam e começou a maratona de troca de equipamentos para um dos últimos shows do Angra em terras brasileiras antes da turnê européia e asiática. Enquanto isso, os PAs da casa tocavam Dream Theater à exaustão. Será alguma coincidência com a nova fase progressiva dos paulistanos? Eu acho que não. É verdade que o Angra sempre trouxe muitos elementos do Metal Progressivo para sua música, mas no último trabalho essas influências estão mais claras e mostram um caminho que a banda deve adotar para os próximos trabalhos também.

Uma espera de cerca de 30 min e quem esperava pela introdução Gate XIII / Deus Le Volt teve um susto quando a famosa trilha sonora do Jaspion (a música do Gigante Guerreiro Daileon – Heavy Metal também é cultura nipônica) começou a tocar no último volume. Com certeza uma brincadeira da banda para animar os fãs – pelo menos os poucos que conheciam o seriado japonês enquanto a molecada mais jovem preferia dançar como se estivesse em uma danceteria sem entender muito bem o que estava acontecendo - e criou o clima perfeito, agora sim, para a longa introdução do novo álbum.

O belo pano de fundo mostrando o anjo pensativo cercado pelo disco solar aparece no fundo do palco e Edu Falaschi, Kiko Loureiro, Rafael Bittencourt, Felipe Andreoli e Aquilles “polvo” Priester entraram com Spread Your Fire, uma das músicas mais rápidas do Temple of Shadows. O som nesse começo estava bem embolado, com a voz de Edu sumindo com certa freqüência e a guitarra de Kiko quase inaudível, mas, seguindo a tradição, o problema foi corrigido aos poucos durante o show.

Exatamente como no show anterior, a banda emendou sem perder tempo Waiting Silence, na minha opinião, a melhor música do novo álbum. Conheço algumas pessoas que não acreditavam no potencial de Edu ao vivo para esta música, mas todos se surpreenderam com sua performance – o cara está cantando muito!

Acid Rain, o clássico do álbum Rebirth, apareceu em seguida para o delírio dos fãs e abriu terreno para Nothing to Say, uma daquelas músicas que não podem faltar em um show do Angra. Como aconteceu há dois meses, eu reforço o comentário da belíssima voz de Edu nesta composição. Honestamente, não tenho mais saudades do Andre Matos e isso ficou muito evidente na próxima música, mais uma “imortal” da carreira da banda tocada de forma impecável: Carolina IV e sua famosa introdução bem brasileira com vários instrumentos de percussão no palco tocados por Kiko, Rafael, Felipe e Edu.

Até este momento, o show era exatamente igual ao anterior, com exceção dos efeitos pirotécnicos que não deram as caras desta vez, infelizmente. Comecei a me perguntar se a banda iria seguir este caminho mesmo, sem nenhuma surpresa ao público paulistano.

Minha dúvida foi rapidamente sanada quando começaram a belíssima No Pain for the Dead. Mais tarde, Edu explicou que foi a primeira vez em que o Angra tocou esta música na atual turnê. Primeira de muitas, acredito, pois a composição funciona muito bem ao vivo. As partes da vocalista Sabine Edelsbacher (do Edenbridge) viraram play-back, mas isso não afetou a qualidade da versão ao vivo.

De volta ao set anterior, a banda manda Angels and Demons, faixa que lembra bastante o Angra da antiga formação, mais uma pitada progressiva.

Uma pequena pausa e Edu dedica a próxima composição aos soldados do exército brasileiro, raramente lembrados pela imprensa. Wishing Well fez uma bela homenagem aos combatentes e contou com uma boa participação do público. Essa música, aliás, também se destaca como uma das faixas mais bonitas do Temple of Shadows.

Saudades do Rebirth? Então lá vai: a banda mandou a versão original (muito melhor que a acústica) de Millennium Sun em mais um momento de grande participação do público e mais uma mudança no set-list já que no Via Funchal eles tocaram apenas a versão acústica.

As surpresas não paravam e a banda emendou sem perder tempo a ótima Late Redemption, infelizmente sem a participação do Milton Nascimento ao vivo. Já pensou se o Miltão resolvesse subir no palco para cantar com o Angra? Seria um momento histórico. Quem fez as vozes de Milton foi Rafael Bittencourt, que aliás o fez com muita competência e essa deve ser outra música a permanecer por bastante tempo nos shows da banda dada a receptividade de todos. Ótima composição.

Mais um momento Rebirth com Heroes of Sand e a própria Rebirth (esta última também em sua versão original, nada de acústico como na última vez). Este foi o momento morno do show e, particularmente, acredito que a banda deveria trocar Heroes of Sand pela maravilhosa Running Alone, mas gosto é gosto.

De volta ao novo trabalho, a música do cavaleiro das cruzadas – The Shadow Hunter, deu as caras e foi outra bem recebida. Essa é uma daquelas composições que citei lá em cima com fortes raízes no Metal progressivo.

Outro clássico imortal do Heavy Metal melódico veio a seguir – Angels Cry, a música título do primeiro trabalho da banda e certamente uma das melhores músicas nos mais de dez anos de carreira do Angra. Outro trabalho excepcional de Edu que conseguiu impor sua própria voz e seus limites sem mudar a qualidade da composição. Simplesmente perfeita.

Para finalizar esta primeira parte, o Angra fechou com Temple of Hate, a música mais pesada do Temple of Shadows e, cuja versão original, conta com a participação do mestre Kai Hansen, aliás esta composição é Gamma Ray puro e ganha uma força incrível nos shows. Tomara que na turnê européia a banda tenha a oportunidade de tocar Temple of Hate com a participação do próprio Kai Hansen mesmo em algum show.

A banda agradeceu e saiu do palco para o previsível (será?) bis.

Carry On e Nova Era (com suas respectivas introduções) fecharam o set com chave de ouro. A primeira música é um dos grandes hinos do Metal brasileiro e mundial, não tenho muito o que falar, especialmente porque Edu dominou suas linhas e evoluiu bastante a voz da turnê do Rebirth para esta. E a segunda porque é o grande símbolo do renascimento do Angra após toda a confusão com a saída de Matos, Mariutti e Confessori e a chegada dos novos integrantes. Todo o público agitou demais nesse encerramento e banda foi ovacionada por minutos sem parar. Mas espera aí, encerramento?

Eu já li em outras resenhas que o Angra tocou Rainning Blood do Slayer (no primeiro show em São Paulo eles só tocaram o comecinho instrumental), mas ninguém estava preparado par

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

1674 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons874 acessosAngra: mais um vídeo das gravações do novo álbum1842 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?2562 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Luis Mariutti e Jesus Cristo

AngraAngra
Como fica "Carry On" nas vozes do Van Canto

CoincidênciasCoincidências
Imagens usadas por grandes bandas em outras capas?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

HumorHumor
Os roqueiros mais chatos das redes sociais

MegadethMegadeth
Recadinho provocante da vocal do Huntress

ShamanShaman
Fernando Quesada desabafa sobre cena brasileira

5000 acessosSeparados no nascimento: James Hetfield e Mano Menezes5000 acessosPunk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGN5000 acessosRede Globo: em 1985, explicando o que são os metaleiros5000 acessosMúsica ao Vivo: entenda como algumas casas estão a destruindo5000 acessosGene Simmons: Kiss, Bon Jovi, Maiden, e crianças africanas5000 acessosSlayer: fanático cristão chama "Repentless" de sujeira satânica

Sobre Bruno Sanchez

Paulistano, 26 anos, Administrador de Empresas e amante de História. Bruno é colaborador do Whiplash! desde 2003, mas seus textos e resenhas já constavam na parte de usuários em 1998. Foi levado ao Rock e Metal pelos seus pais através de Beatles, Byrds e Animals. Com o tempo, descobriu o Metallica ainda nos anos 80 e sua vida nunca mais foi a mesma. Suas bandas preferidas são Beatles, Metallica, Iron Maiden, Judas Priest, Slayer, Venom, Cream, Blind Guardian e Gamma Ray.

Mais matérias de Bruno Sanchez no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online