Shaaman: Com um "a" a mais no nome e disco recém lançado

Resenha - Shaaman (Mythos, Santos, 23/04/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando De Santis
Enviar correções  |  Ver Acessos





Fotos: Milton Banana

Na última vez em que tocaram em Santos, a banda de Andre Matos & cia. não se chamava "Shaaman" e ainda divulgava o álbum "Ritual". Desta vez, vieram com um "a" a mais no nome e mostraram o disco recém lançado, "Reason". Falar que a Mythos atrasou mais de uma hora para abrir, que a fila já estava dobrando o quarteirão e que o público estava impaciente não é novidade nenhuma. É uma tradição inútil, mas que vem sendo mantida em todos os shows nessa casa.

Após o grande atraso, começou a execução da introdução e então os músicos subiram ao palco soltado os primeiros acordes de "Turn Away", música do novo disco. O som da casa estava muito bom, era possível perceber todos os instrumentos e a voz de Andre estava na medida certa. Algo que notei logo de cara é que a pegada e o "peso" do Shaaman mudaram. Estão soando muito mais pesados do que antes, mais agressivos! É desnecessário mencionar a precisão da cozinha de Luis e Ricardo e a técnica apurada de Hugo. Citar o carisma e presença de André é também "chover no molhado". O público cantou a música de introdução, embora tenha sido lançada há pouco tempo. Na seqüência emendaram "Distant Thunder" que já nasceu como clássico. Por serem bem conhecidas pelo público, as composições do disco "Ritual" acabaram empolgando mais. "Ritual", "Time Will Come" e "For Tomorrow" agradaram em cheio, porém o ápice da apresentação foi a rápida e pesada "Pride", que não deixou um 'banger' parado.

Do disco "Reason", a balada "Innocence", que já está se transformando em 'hit', deu aquela "quebra" no ritmo do show e mostrou toda competência dos músicos. "Reason" também agradou e mostrou toda a qualidade do novo álbum. O show ainda contou com um solo de bateria de Ricardo Confessori, muito bem executado... mas poxa, não sei porque, sempre acho desnecessário solos de bateria... Quando a banda saiu do palco, a volta foi em grande estilo: "Ancient Winds" deu a abertura e os integrantes voltaram com "Here I Am", para empolgar os fãs presentes. O show foi encerrado com o clássico "Lisbon", da banda Angra, que foi muito bem aceita. Aliás, muito positiva essa "nova cara" do Shaaman, mais pesada e com menos referências ao Angra.

Os músicos saíram do palco sendo ovacionados pelo público, que ficou muito satisfeito com a apresentação impecável dessa banda que é relativamente "nova", mas tem espírito veterano. Apesar do tradicional atraso, foi um ótimo evento na cidade de Santos, que contou com o público que compareceu e lotou a casa, para ver uma ótima apresentação.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Shaman"


Andre Matos: Não estava preparado para cantar no Maiden!Andre Matos
"Não estava preparado para cantar no Maiden!"

Shaman: o inícioShaman
O início


Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

Musas: Algumas das beldades do Rock e Metal nacionalMusas
Algumas das beldades do Rock e Metal nacional


Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre Fernando De Santis

Mais matérias de Fernando De Santis no Whiplash.Net.