Resenha - Nevermore e Krisiun (A1, São Paulo, 19/10/2001)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Andreas Kisser - Necromancia
Andreas Kisser - Necromancia

As mais de trezentas pessoas que compareceram ao A1 (antigo Floresta), no primeiro dia de apresentações de Krisiun e Nevermore, passaram por sensações das mais diversas possíveis. De raiva a alegria, do frio ao calor.
4088 acessosKrisiun: banda agradece e Ward conta como conheceu brasileiros5000 acessosMemoráveis como a música: os 25 melhores logos de bandas

No começo, tudo parecia errado. Por mais de uma hora, um público considerável foi obrigado a ficar do lado de fora da casa, levando chuva forte, e ouvindo as bandas, atrasadas, fazerem suas passagens de som. Como se não bastasse, não havia sequer uma bilheteria e/ou barraquinha do lado de fora para vender ingressos para os retardatários. Tudo era feito dentro do A1, o que atrasou ainda mais a vida dos presentes.

Necromancia
Necromancia

O Necromancia adentrou o palco, mais de uma hora após o previsto, com a responsabilidade de acalmar uma já irritada e encharcada massa. Contando com a participação especial de Andreas Kisser (Sepultura), e apresentando um bom thrash metal, o grupo conseguiu cumprir seu papel, e foi bem agradável. Não chega a figurar como grande promessa brasileira, mas é interessante e teve a regularidade necessária para afastar a impaciência que pairava no ar.

Após a última música do pessoal do ABC paulista, veio a dúvida: quem seria o primeiro? Krisiun ou Nevermore? Foi nessa hora que fez-se visível o bom senso dos organizadores, que desistiram do equívoco inicial, de revezar os conjuntos nas funções de abertura e fechamento do espetáculo.

Krisiun
Krisiun

O Krisiun, grupo de maior expressão do Brasil na atualidade, deu mais uma prova de sua absurda competência. Com um repertório impressionante, de qualidade técnica indiscutível, conseguiu enlouquecer seus fãs, e deixar abestalhados aqueles que não o conheciam.

Aos olhos atentos de João Gordo, Andreas Kisser, e de quase todos os integrantes do Nevermore, a banda fez mais uma apresentação irrepreensível, tendo em seu set desde “Hunter Of Souls”, de 1995, até “Evil Gods Havoc”, de 2001.

Moyses, Alex e Max fizeram uma verdadeira maratona física. Velocidade e pancadaria o tempo todo. O metal extremo ganha outra conotação em suas músicas e shows. Pode levar esse título tanto pela agressividade, quanto pela técnica de seus integrantes, que realmente, como a referência ao estilo já subentende, chega a pontos extremos.

Krisiun
Krisiun

Aqueles que afirmavam que eles usavam bateria eletrônica e/ou gravavam take por take dos solos de guitarra, puderam ver que a coisa não funciona bem assim. Porém, é possível compreender suas afirmações. Não é fácil acreditar nos solos desumanos de Alex, ou na velocidade de Max, destruindo os dois bumbos durante mais de uma hora.

Set list
1) “Kings Of Killing”
2) “Hatred Inherit”
3) “Dawn Of Flagelation”
4) “Soul Devourer”
5) “Ageless Venomous”
6) “Hunter Of Souls”
7) “Evil Gods Havoc”
8) “March Of Black Hordes”
9) “Vengeance Revelation”
10) “Apocalyptic Victory”
11) “Creations Scourge”

Andreas Kisser, assim como uma série de outras pessoas, saiu logo após o fim da apresentação do Krisiun. Que pena pra ele, pois perdeu um dos maiores shows de metal que o Brasil já viu.

Nevermore
Nevermore

Warrel Dane e seus companheiros, fizeram um show digno de banda principal de Monsters Of Rock, e outros festivais de grande porte. A espera pelo Nevermore valeu a pena. Dezessete músicas compunham um set list incrível, que abordava todas as fases da carreira do grupo, incluindo aí os anos que antecederam sua existência, com o Sanctuary. Seus integrantes passavam uma energia tal para os presentes, que fica difícil descrever. Foram figuras valiosas por mostrarem o principal para o sucesso de um show: o desejo de estar ali e agradar. E conseguiram, mesmo com o som apenas regular do local.

Interagindo completamente com os presentes, a banda distribuiu água, cerveja, e puxou, a todo instante, integrantes da platéia para o palco. Warrel Dane dava permissão para seus fãs subirem, mas os responsáveis pelo local pediam disfarçadamente para que a bagunça parasse.

Missão impossível. Com o principal instigador sendo o vocalista, e com músicas como “Inside Four Walls”, “The Seven Tongues Of God”, “Beyond Within’” e “The Sound Of Silence”, a situação se tornou irremediável.

Nevermore
Nevermore

Além de carismático, Warrel Dane foi impecável nos vocais. É um dos maiores cantores do metal na atualidade e deixou claro que leva as músicas da maneira que bem entende. Se hoje ele não vai a pontos extremos de técnica como no Sanctuary, é simplesmente porque não quer. “Battle Angels”, “Taste Revenge” e “Sanctuary” foram provas disso.

Jeff Loomis e Van Williams são outros fenômenos. O primeiro chamou atenção pela técnica exuberante, e riffs pesadíssimos. Além disso, consegue levar melodias inimagináveis aos solos de guitarra. Já o segundo, se destaca pelo inverso, dando consistência ao lado mais bruto e agressivo do Nevermore. São elementos imprescindíveis, que soam ainda melhor ao vivo.

Se um dia eles vão voltar não se sabe. Mas, caso isso aconteça, que sejam agendados para um lugar maior e melhor, nem que seja por uma data apenas. Fizeram esse alvoroço todo em condições precárias. Imagine com um som melhor, mais público e espaço.

Set list
1) “Narcosynthesis”
2) “Engines Of Hate”
3) “The River Dragon Has Come”
4) “The Heart Collector”
5) “The Seven Tongues Of God”
6) “This Sacrement”
7) “Beyond Within”
8) “Dreaming Neon Black”
9) “Battle Angels”
10) “Taste Revenge”
11) “Sanctuary”
12) “Inside Four Walls”
13) “What Tomorrow Knows”
14) “Silent Hedges”
15) “Next In Line”
16) “Dead Heart In A Dead World”
17) “The Sound Of Silence”

Nevermore – http://www.the.nl/nevermore
Krisiun – http://www.krisiun.com.br
Century Media Records – http://www.centurymedia.com.br

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

KrisiunKrisiun
Banda agradece e Bill Ward conta como conheceu os brasileiros

635 acessosKrisiun: Alex fala com a revista Ultraje sobre novo álbum (vídeo)1108 acessosKrisiun: encerrada polêmica tour na Ásia0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Krisiun"

KrisiunKrisiun
Se não tivessem agido rápido, a banda poderia ter sido presa

Bill WardBill Ward
Baterista original do Sabbath se declara fã do Krisiun

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Nevermore"0 acessosTodas as matérias sobre "Krisiun"0 acessosTodas as matérias sobre "Necromancia"

Bandas de rockBandas de rock
O logo pode ser tão memorável quanto o maior hit

Top 10 GuitarristasTop 10 Guitarristas
Matéria empolgada no Jornal da Globo

GuitarpediaGuitarpedia
Os 10 riffs de guitarra mais complicados da história

5000 acessosSlipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara5000 acessosAC/DC: A origem do nome da banda5000 acessosEm vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstar5000 acessosSlipknot: Veja Corey Taylor cantando "Creep" do Radiohead5000 acessosAnimais e rockstars: você consegue identificar quem é quem?5000 acessosSlipknot: Corey Taylor treta com fã e expulsa o cara do show

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online