Mamonas Assassinas: licença para falar sobre os 21 anos sem eles

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando Guifer, Fonte: Fernando Guifer
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Nossa, que estranho isso, né? Da mesma forma que o tempo aparentemente voa, em algumas ocasiões parece que ele simplesmente não passou.

5000 acessosSlipknot: 10 vezes em que Joey Jordison foi um verdadeiro herói5000 acessosGuns N' Roses: a famosa trilogia de clipes do grupo

Com um dos maiores fenômenos (se não o maior) da música brasileira a vida foi um projétil e passou rápido até demais. Vejo muito como aquela coisa da missão, manja? Vem, cumpre e vai. Creio nisso. E pressuponho que com o Bento, Sérgio, Samuel, Júlio e Dinho não tenha sido diferente.

O quinteto chegou num momento em que o Brasil ainda chorava a perda de Ayrton Senna e parece ter preenchido momentaneamente essa lacuna que ficou no coração de grande parte dos ‘órfãos’ de um grande ídolo.

É óbvio que a banda não era uma unanimidade, até por estarmos em um país continental de incrível diversidade musical. Mas quem se importa com isso? Ser ou não querido por todo mundo nunca deve ter sido a real intenção dessa galera de Guarulhos/SP, embora fosse difícil encontrar alguém capaz de dizer que não gostava da banda na época, não por medo do mimimi de fãs chatos, mas, sim, porque Mamonas Assassinas era realmente uma banda foda - e ninguém se lamentaria 21 anos depois se não fosse.

Dinho veio lá de Irecê/BA, Bento surgiu em Itaquaquecetuba/SP, e o resto da trupe já residia na cidade que foi abençoada para dar start à essa tempestade: Guarulhos/SP.

A vida tratou de encaminhar todos para o mesmo barco e deixou claro para eles: "Vocês devem virar o país de cabeça para baixo e deixar todo mundo com a barriga doendo de tanto rir, combinado? O Brasil precisa disso agora, meninos!"

Missão dada é missão cumprida!

Você acha que é o 'zuerão' da turma? hahaha... sabe de nada, inocente. Qualquer Mamona ali te colocaria no bolso.

Despertar um sorriso no sofrido rosto do povo brasileiro era a grande missão que eles tinham recebido, e essa devia sem cumprida em menos de dez meses. Tempo suficiente para que o universo conspirasse em favor e os garotos do Parque CECAP fossem abraçados por uma nação carente de irreverência sincera, em que o dinheiro propriamente dito não era protagonista.

A vida entendeu que o pedido feito aos meninos tinha sido executado com sucesso e optou por dar a eles um descanso merecido, tirando-os da vida e os inserindo na história.

E apesar de uma despedida trágica, pelo menos para nós, humanos, o destino poupou que presenciassem um país que, depois de tanta alegria proporcionada por eles, entraria em uma decadência terrível de crueldade e falta de amor. Um verdadeiro retrocesso histórico.

E, na boa? Os Mamonas Assassinas não poderiam conviver com tanta falta de compaixão, empatia e alegria como vivemos nos dias de hoje.

Virar referência e ser admirado mesmo depois de 21 anos em silêncio absoluto não é tarefa para amadores. E Mamonas Assassinas não era apenas outra banda engraçadinha que surgia entre milhares.

Quem tem um mínimo de noção musical entende que os caras não estavam de brincadeira quando o assunto era ligar os amplificadores para ‘workar’. Um diferencial pouco explorado pelas pessoas e mídia ao longo dos anos é a técnica dos grandes músicos que compunham o conjunto e tornava o show deles um dos mais enérgicos e criativos do Brasil. Todos ali tinham papel fundamental e importância igualitária na assinatura da obra.

Não era apenas fazer graça. Tocar bem e levar o melhor para seu público com o máximo de respeito e investimento era premissa valorizada pelos Mamonas e seu staff. Além disso, no palco ou até mesmo fora dele, sempre foi notório que não eram personagens (apesar das fantasias), e o que estava por trás de cada um era exatamente cada um mesmo, sem poréns e sem máscaras.

E sabe de uma coisa? O povo brasileiro gosta quando é de verdade, quando não é fabricado, quando é feito com coração, quando não é pela grana e quando não é para 'meter o loko'. Se você pretender ingressar na carreira artística aprenda isso quanto antes para não bater cabeça desnecessariamente.

Mamonas Assassinas tinha verdade, coração, alma, uma luta por trás do sucesso, e o principal ingrediente: pessoas comuns, que vieram do nada, batalharam, ouviram vários ‘nãos’ e conquistaram o objetivo sem pisar em ninguém. A nação então se identificou prontamente e comprou a genialidade por detrás daqueles rostos.

Pode parecer clichê dizer isso e talvez até seja. Mas é bom ser clichê quando se percebe que as coisas estão perdendo sentindo. O clichê, apesar de clichê, serve para nos lembrar de valores indispensáveis que vez ou outra escapam entre os dedos.

Mas... e se eles surgissem hoje, em 2017, será que daria este 'boom' todo?

Primeiro que os Mamonas como vimos em 1995 não existira, até por estarmos na famosa 'geração mimimi'. Inclusive, Mamonas ter surgido na última geração 'pré-mimimi' deve ser motivo de muita comemoração para nós, quem os viu e quem não os viu, já que as músicas agora estão aí e não tem mais volta. Não adianta chorar ou reclamar das letras ou piadas. #ChupaGaleraDoMimimi

Ué, Guifer, mas o que isso tem a ver com os nossos ‘queridos’ mimimis atuais?

As letras escrachadas da banda certamente seriam vistas com maus olhos hoje por pessoas que 21 anos atrás nem ligaram para isso.

Os seres estão mais influenciáveis, inflamáveis, e a opinião própria tornou-se raridade difícil de garimpar em qualquer esquina que seja. Hoje, o legal é ir aonde a maioria vai. Fulano gostou, eu gosto; Fulano odiou, eu odeio.

Imagina 'Robocop Gay' fazendo o público apedrejar os Mamonas por homofobia; Imagina 'Jumento Celestino' ou 'Vira-Vira' irando o público devido a tal 'xenofobia'; As feministas pirando com 'Uma Arlinda Mulher'; E até os cornos reclamando de 'Bois Don't Cry'.

Óbvio que os Mamonas de hoje seriam uma banda como qualquer outra que temos por aí, sem sal ou açúcar, e tudo por culpa de nós mesmos, que levamos tudo ao pé da letra e enxergamos maldade em qualquer brincadeira.

Mas o bom dos gênios é isso. Eles transcendem dificuldades, preconceitos, mimimis ou até mesmo a própria vida!

Curta a página:
http://www.facebook.com/fernandoguifer

Mais textos e pensamentos:
http://www.fernandoguifer.com.br

Siga também no Instagram:
@fernandoguifer

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 05 de março de 2017


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Mamonas Assassinas"

Mamonas AssassinasMamonas Assassinas
Músicos já sabiam que iam morrer?

Mamonas AssassinasMamonas Assassinas
Capa era homenagem aos seios de Mari Alexandre

MamonasMamonas
"Não Peide Aqui, Baby" a música proíbida

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Mamonas Assassinas"


SlipknotSlipknot
10 vezes em que Joey Jordison foi um verdadeiro herói

Guns N RosesGuns N' Roses
O que há por trás da famosa trilogia de clipes?

CinemaCinema
O melhor e o pior dos rockstars em filmes

5000 acessosCuriosidade: artistas que odeiam suas próprias músicas5000 acessosAs novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecer5000 acessosLove God's Way: grupo religioso lista bandas e artistas "Gay"5000 acessosSerguei: comentários sobre a morte de Jimi Hendrix5000 acessosThe Big 4: como as quatro bandas elaboraram sua jam5000 acessosSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundo

Sobre Fernando Guifer

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online