Fotos e autógrafos: Inacessível é questão de opinião

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Trabach Junior
Enviar correções  |  Ver Acessos











Mesmo sendo fã do Iron Maiden a um bom tempo, só consegui assistir ao vivo em 2001 (RIR 3), quando decidi ir sozinho em uma excursão com pouco dinheiro e nenhum amigo conhecido com a mesma disposição, fiz vários novos amigos na viagem (alguns continuam até hoje).

Nunca imaginei ser possível encontrar com algum integrante da banda e muito menos ter algum item autografado, sempre achei que eram inacessíveis, a sorte mudou com as duas experiências marcantes que tive ao encontrar com a banda no RJ (2011 e 2016).

2011 - The Final Frontier Tour - Enquanto programava o roteiro de minha viagem, meu amigo Jorge diz ter recebido uma dica de onde a banda estaria hospedada, escutei com descrença de sempre, pensei comigo, precisamos ficar hospedados em algum lugar, então.. vamos lá conferir.

A dica não podia ser mais certeira, durante a hospedagem de dois dias, vi cada um dos integrantes da banda e equipe técnica no hotel, a abordagem era complicada pois sempre passavam rápido e cercado de seguranças, com paciência e discrição abordamos Janick e Nicko, atenciosos e brincalhões, cederam um pouco do tempo para fotos e autógrafos. Fizemos novas boas amizades com outros fãs nesse período de hospedagem. Fomos curtir o show e retornei para meu estado realizado.

2016 - Book Of Souls Tour - Depois de ter ido assistir a banda em 2013 no RIR, lá estava eu indo de novo para o RJ, e desta vez com tempo para ficar hospedado. Eu e novamente meu amigo Jorge seguimos o mesmo roteiro de 2011, logo descobrimos que banda não estava hospedada no mesmo hotel, graças ao grupo de Watsup que montamos com os amigos de 2011, tivemos a confirmação do novo local, como já era tarde da noite decidimos ir no dia seguinte.

Fomos descaracterizados como fãs do Maiden. Chegando ao hotel pela manhã, nos informamos na recepção sobre o local do almoço e horários e esperamos discretamente, após 10 minutos, quem me desce pelo elevador?.. o "Pai" da brincadeira toda... Steve Harris, mostrei a distância meu LP do Powerslave, ele se aproximou e nos deu toda a atenção. Reencontramos os amigos e trocamos experiências e o dia passou sem maiores novidades e partimos para curtir o show com a certeza de retornar no dia seguinte para nova vigília.

Após a apresentação memorável dessa nova turnê, na manhã seguinte fomos novamente tentar a sorte, após um período de tédio e vendo fãs serem convidados a se retirarem, aparece Nick sorridente e se preparando para dar umas voltas, super atencioso, trocamos conversas rápidas e algumas brincadeiras.

A minha alegria estava no fim, o horário do meu voo estava próximo, despedi dos amigos com esperança de futuro próximo repetirmos a diversão.

O que aprendi com isso tudo? inacessível é questão de opinião, não chegue nos locais fantasiado de Maiden e similares, seja discreto, fale baixo e finja quem nem gosta rock, te garanto que com estas atitudes você não será convidado a se retirar do local, como cansei de ver...



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Opiniões

Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Viking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte


Sobre Roberto Trabach Junior

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin