Matérias Mais Lidas

imagemA banda brasileira que está "pronta para o mercado internacional", segundo Regis Tadeu

imagemMaiden faz homenagem a Eddie, do Stranger Things, que foi inspirado em tragédia real

imagemEdu Falaschi diz que não tem vergonha de suas falas que viraram meme no DVD do "Rebirth"

imagemO rockstar por quem Max Cavalera era fanático, mas não conheceu por causa da bebida

imagemAxl Rose comenta problemas vocais e pede desculpas pelos transtornos

imagemRegis Tadeu explica a verdadeira importância da música do Metallica em "Stranger Things"

imagemFlea agradece brasileiro que teve receio de pedir foto ao encontrá-lo

imagem10 músicas dos Beatles das quais Paul McCartney não gostava

imagemA prática mesquinha de bandas que Edu Falaschi considera "desrespeitoso com o fã"

imagemA opinião de Noel Gallagher sobre Kurt Cobain e o "Nevermind", do Nirvana

imagemSem efeitos ou playback: vídeo de bastidores mostra Glenn Hughes cantando muito

imagemIntegrantes do Metallica não viram a luz do dia durante gravação de "Master Of Puppets"

imagemJeff Beck conta como conheceu Jimmy Page, e o que achou do Led Zeppelin

imagemMúsicos do Metallica ouviam Kate Bush na época da gravação de "Master Of Puppets"

imagemOs 30 anos de "Images And Words", o álbum que mudou a história do Dream Theater


Finlandia 2022
Stamp

Indústria Fonográfica: as picaretagens das bandas mais velhas

Por Denner Maxwell
Em 30/07/15

Não é por acaso que estamos vivenciando a "maior era de reuniões" de bandas extintas nos últimos quinze anos: Os cheques das vendas de discos pararam de chegar para os astros, que tiveram que voltar aos palcos para ganhar dinheiro. É aquela "velha" conversa: O avanço descomunal na capacidade de compartilhar dados pela internet acabou engolindo qualquer esperança de que as grandes bandas e (principalmente) as gravadoras - que estavam acostumadas a "surrupiar" a maior fatia das vendas de discos -, voltassem a faturar como há 20 anos atrás.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Daí você tem o Toto, o A-ha, o Duran Duran, o The Who e diversos outros dinossauros reaparecendo sem razão aparente e anunciando shows muitas vezes mais caros do que quando estavam no auge. Ainda assim continua sendo um privilégio para quem nasceu nas últimas duas gerações e gosta de música mais antiga poder ter a oportunidade de ver ao vivo algumas lendas que talvez, sem a necessidade fazer o dinheiro voltar a circular, jamais voltassem a tocar. Compensa! Mas o mesmo não pode ser dito de um outro método que especialmente os empresários vem adotando para explorar os bolsos dos menos espertos: É aquela coisa asquerosa que ganhou forma e o nome de Meet & Greet.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O conceito é simples: O sujeito paga uma fortuna para ganhar do artista um "oi", um "flash" e pronto. Tchau!! É melhor dar um fora antes que os seguranças lhe deem um pé na bunda. Absurdo? Só quem paga por essa migalha!

Se gente como Ronnie James Dio e o próprio Michael Jackson eram reconhecidos pelo ilustre respeito que demonstravam ter pelos fãs - Dio estava acostumado a parar de esquina em esquina para assinar CDs, DVDs e tirar fotos, e o outro chegava ao ponto de abrir as portas da própria limusine para bater papo com alguns fãs mais sortudos -, agora há quem esteja interessado em fazer fortuna em cima dessa tarefa quase obrigatória. Já não basta a grana que pagamos nos materiais originais, nas versões especiais e nos shows que assistimos? Nós já os sustentamos, e não devíamos pagar mais justamente no momento em que ELES deveriam nos dizer 'muito obrigado'! Mas a julgar pela postura dos artistas que hoje estão ficando cada vez mais inacessíveis, não é difícil concluir que em alguns anos será quase impossível conseguir um autógrafo à moda antiga (numa praça, sem pagar) deixando como única alternativa o abu$o do tal Meet & Greet, que inclusive chega a ser mais caro que os próprios shows!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Agora, se você é um daqueles fanáticos que se importa até com o que seu ídolo comeu no café da manhã, acredite, vale muito mais apena correr atrás dele feito louco no meio da rua e tentar chegar o mais próximo possível. Até que os seguranças lhe deem um pé na bunda. É old school, mas sai de graça.

Outro golpe que está se repetindo com sucesso e com mais frequência nos últimos anos é o da "turnê de despedida". Os artistas/bandas anunciam o fim da carreira em uma "mega turnê", e depois de ganharem a maior grana voltam como se nada tivesse acontecido. Chega a ser ridículo arrastar uma série de shows sob ameaças de o fã nunca mais poder ver a banda, ao invés de excursionarem em cima de um bom disco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

James Hetfield chegou a comentar o seguinte sobre algumas dessas picaretagens: "O KISS já fez umas dez turnês após a Farewell Tour. O Scorpions anunciou o fim e continua na estrada. Não acho que isso seja justo com as pessoas. Não gostaria de ficar marcado na história por ter mudado de ideia no meio do caminho. Somos únicos e pretendemos terminar nossa história deste modo".

Vale lembrar que o METALLICA também não costuma cobrar pelos Meet & Greet. Ao invés disso, geralmente é feito um sorteio pelo fã clube da banda na cidade em que ela estiver, e os sortudos ganham os "passes" para ter acesso aos camarins.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O AC/DC é outra banda que dá exemplo. Quando estiveram no Brasil há seis anos, durante a turnê "Black Ice", os preços dos ingressos variavam entre R$ 150 e R$ 300, o que é MUITO compensatório se levado em conta toda a gigantesca estrutura que a banda trouxe para a apresentação. Mas casos assim estão ficando cada vez mais raros. Lembremos que bandas menos grandiosas - no sentido econômico, panaca! -, como o Megadeth cobraram até R$ 350, mesmo com uma estrutura pouco espalhafatosa e uma equipe infinitamente menor para pagar.

Até quando vão esses novos métodos de fazer dinheiro, e a que absurdo isso vai nos levar no futuro não muito distante, é um enigma que nem o mais esperto ser do Universo pode decifrar!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

(E VOCÊ, o que vem achando desses novos métodos que os artistas vem bolando para ganhar uns tostões a mais? Pagaria pelo Meet & Greet? Acha desonesto essa de anunciar a despedida da carreira sem se despedir?).

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Metallica: Lars Ulrich explica por que a banda mudou no "Black Album"



Sobre Denner Maxwell

Amante de rock em geral: Curto de Beatles a Carcass, passando pela filosofia do poeta Jim Morrison, viajando ao som do peso da mão direita do mestre Jimmy Page, arrepiando o último fio de cabelo às batidas dos senhores Ramones, entrando em êxtase com o Pink Floyd, andando pela chuvosa seattle, espantando as bruxas no movimento nórdico, batendo a cabeça na bay area ao som do Kill 'Em All, anarquizando a "Rainha" na Inglaterra e finalmente vivendo num clima de Paz e Amor Hippie.

Mais matérias de Denner Maxwell.