89 FM x KISS FM: na disputa pelo público rock paulista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Adriana Farias, Fonte: Blog Meonthestreet
Enviar correções  |  Ver Acessos

A volta da 89 FM causou um sentimento nostálgico no público paulista que acompanhou as transmissões da rádio nas décadas de 1980 e 1990. Principal rádio do segmento rock, ela foi uma das grandes emissoras responsáveis por formar a nação roqueira dos anos 2000 até que uma perda de audiência levou a rádio a abandonar o rock e adotar o estilo pop, entre 2006 e 2012.

Raul Seixas: Por trás da letra de "Carimbador Maluco"Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileira

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O retorno da rádio rock veio como um susto. A mobilização nas redes sociais começou a ferver no dia 4 de novembro quando a locutora Luka, que fazia parte do casting da antiga 89 FM, foi chamada para programar um especial rock de seis horas. Isso foi um reflexo do que aconteceu no dia 27 de outubro, quando os donos da rádio interromperam a programação pop normal despencando uma saraivada de hits que fizeram sucesso no auge da rádio rock.

Tudo foi acompanhado com muita mão na massa pelos fãs, que espernearam nas redes sociais pedindo o retorno da rádio. A página da emissora criada no Facebook chegou a 50 mil "likes" em uma semana.

De olho nesse público sedento, os donos da 89 FM não tiveram dúvidas e conseguiram a oficialização da volta no dia 21 de dezembro, com o patrocínio do UOL, empresa de conteúdo e serviços de internet, que renomeou a emissora como "UOL 89 FM A Rádio Rock".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No período de quase seis anos que a rádio rock ficou fora do ar, a concorrente KISS FM, que estreou na frequência 102,1 MHz em julho de 2001, ganhou força e conseguiu resgatar uma parcela do público órfão da 89 FM. Com a volta da emissora, a concorrente foi posta em xeque. Hoje, a página da 89 FM no Facebook já alcança mais de 205 mil seguidores, contra 153 mil da concorrente.

As duas rádios disputam a unhas e dentes o público rock paulista. A vinheta da KISS enfatiza: "aqui você escuta o verdadeiro rock"; e a da 89, em sua música-tema, repete: "cansados da mesmice a rádio rock voltou (...) para causar e retomar o que é nosso".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O fato da 89 ser uma rádio mais aberta as novidades bem-vindas do rock como o MUSE e o THE BLACK KEYS, só citando dois exemplos, ajuda a explicar o sucesso da rádio. Ao contrário da KISS, que adotou o segmento classic rock, mas acabou escravizando-o deixando o público à deriva do que os grandes nomes do rock têm feito nos últimos dez anos para cá.

A postura da KISS remete ao filme "Meia-Noite em Paris", do Woody Allen. Na trama, o diretor mostra como nos povos de cada período histórico há um desgosto pelo presente que os faz idealizar eras passadas. "As bandas e as músicas atuais são uma porcaria, como eu sinto falta dos anos 80" é por aí a sensação.

A molecada de agora está ouvindo rock como nunca e mostrar sua origem é imprescindível, mas não deixar que os novos e os velhos tirem suas percepções da reinvenção dele é um aprisionamento cultural em pleno século 21.

A 89 FM pode não ser a salvação, mas ainda bem que ela voltou.

*

Quando o assunto é rock brasileiro a situação é ainda pior. As duas rádios rock da capital tangenciam o estilo. Enquanto a KISS FM reserva apenas 1h por semana para tocar o segmento, que não foge muito de Raul Seixas, Legião Urbana e Titãs, a 89 FM parece que só tem na programação Charlie Brown Jr., O Rappa e Raimundos, mas ainda é cedo para falar já que a emissora ainda está montando a grade de programas. Mas o que acontece? O rock brasileiro morreu ou não se consegue enxergar que ele existe? (essa é uma pauta para uma próxima discussão).

Colaborou Sérgio Fernandes
https://whiplash.net/autores/srgiofernandes.html




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Muse"Todas as matérias sobre "Black Keys"


New York Times: os 100 melhores covers de todos os temposNew York Times
Os 100 melhores covers de todos os tempos

Rock in Rio 2019: bandas de rock são tranquilas com exigências, mas Drake deu trabalhoRock in Rio 2019
Bandas de rock são tranquilas com exigências, mas Drake deu trabalho


Raul Seixas: Por trás da letra de Carimbador MalucoRaul Seixas
Por trás da letra de "Carimbador Maluco"

Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileiraVeraneio Vascaína
Uma ácida crítica à polícia brasileira


Sobre Adriana Farias

Nascida em São Paulo, Adriana Farias é jornalista pela PUC-SP e autora do livro-reportagem ¨London Calling - histórias de brasileiros em Londres¨. A jornalista já foi produtora na RedeTV! e repórter da emissora PlayTV na área cultural, locais em que coleciona entrevistas importantes com grandes nomes do heavy/rock nacional e internacional, como Joey DeMaio (Manowar), David Bryan (Bon Jovi), Crashdïet, Kings of Leon, The Dickies, Kid Vinil, Angra, Sepultura entre outros. Com apenas 16 anos a autora deu início a sua colaboração ao Whiplash!, entre suas reportagens mais importantes constam os textos analisando a grande imprensa no quesito heavy/rock e a cobertura de mega shows no Brasil e na Europa. Atualmente, a jornalista tem uma dupla jornada como editora de texto na TV Cultura e repórter na Folha de S.Paulo. Entre em contato com a jornalista no blog meonthestreet.

Mais matérias de Adriana Farias no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280