Iced Earth: Jon Schaffer comenta a saída de Matthew Barlow

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Tiago Pinheiro
Enviar correções  |  Ver Acessos


Conforme anterioremente noticiado aqui no Whiplash!, o vocalista Matthew Barlow decidiu deixar o ICED EARTH, e em comunicado oficial, afirmou que desde o ano passado, após os acontecimentos trágigos de 11 de setembro, já vinha pensando em fazê-lo, pois a partir daí, ele passou a buscar um novo sentido para a vida, tendo decidido concluir seu bacharelado em Administração de Justiça Criminal.

Iced Earth: ao vivo Alive in Athens será relançado em vinilU2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da banda

Confira abaixo os comentários sobre a saída de Barlow e os novos rumos do ICED EARTH, postados nos website oficial da banda por Jon Schaffer na Segunda-feira, 02/06/2003 às 9:16AM:

Olá a todos,

Como voces puderam ver na postagem de Matt, uma decisão muito difícil foi feita.

Os eventos do 11 de Setembro afetaram-nos de diferentes maneiras. Acho que fez a maioria das pessoas dar um passo atrás, olhar para as suas vidas e mudar suas prioridades. Certamente eu o fiz e a maioria das pessoas que eu conheço. De fato, eu apostaria que a razão de eu escolher o tema de "The Glorious Burden" para o novo CD provavelmente foi porque minha subconsciência foi atingida pelo que aconteceu nesse dia. Eu imagino que alguns de vocês não se preocupam com o que aconteceu, e esse é o problema, mas eu sei que a maioria de vocês se preocupam. Nós nunca tivemos medo de mostrar nossa lealdade e amor à pátria antes do 11-9, e qualquer um que prestou atenção sabe disso. A razão de eu estar explicando tudo isso é para que vocês saibam o quão próximo o Iced Earth veio à memória. Depois dos ataques eu fiquei então questionando o que eu tenho feito com minha vida e se havia algum jeito de ajudar as pessoas e fazer alguma coisa que realmente fosse verdadeira nessa "ilusão" chamada indústria da música. Quando alguma coisa dessas real e trágica acontece, causa um grande efeito em caras como Matt e eu, que vêm de famílias que têm servido e tem uma total dedicação à nossa república. A indústria da música é uma grande mentira, clara e simples. É uma ilusão que é produzida e vendida. São as grandes produções, fotos, vídeos, promoção e construção de imagem e todas as outras merdas que fazem vocês fãs se envolverem com uma banda ou com o estilo dessa, e quer saber? É uma coisa maravilhosa. Entretanto, o que acontece atrás das cenas no mundo real é frequentemente muito diferente das fantasias que os fãs criam em suas mentes sobre seus artistas favoritos.

O ponto chave é que é muito difícil ficar positivo e levar a coisa a sério quando você figura perdido na grande mentira que isso é. Depois de 11-09 eu estive próximo de dissolver a banda porque eu pensei que o que eu fizesse com minha banda é muito insignificante no grande quadro mundial, e é. Entretanto, depois de meses e meses de árduos pensamentos, imaginei que não seria realmente importante que a indústria musical seja uma grande mentira de merda porque minhas canções não eram, e minhas canções são a única razão que eu faço isso. Eu disse antes, eu não ligo para rock stars e bostas de guitar heroes, essa coisa chamada Iced Earth têm sido desde o começo um veículo para as minhas canções e pronto. Se alguns fãs criaram uma outra realidade sobre o Iced Earth em suas mentes eu não posso ajudá-los com isso, essa é a ilusão que está com eles. Iced Earth é e sempre foi minha banda e meu veículo para soltar minhas canções, não importa os membros que estão envolvidos.

É um entretenimento ver e escutar algumas das coisas que as pessoas inventam quando elas absolutamente não têm fatos. No fim a única pessoa que eu preciso satisfazer sou eu, e normalmente quando estou satisfazendo a maioria dos fãs está tudo bem. Não necessito ou desejo que o Iced Earth tenha fãs de fases. Imagino que comentários como este façam as pessoas pensarem que eu tenha algum remorso, e talvez estejam certos, mas eu sei quem eu sou e pelo que eu luto e isso assusta algumas pessoas. Eu espero que essa longa postagem ajude vocês a entenderem as mudanças que tomaram rumo.

Matt chamou-me poucas semanas antes de começarmos a pré-produção e disse que queria deixar a banda e seguir uma carreira administrativa no Departamento de Segurança Nacional. Ele sente que por não ser um compositor ele teria um futuro mais seguro e seria mais feliz fazendo algo bom no mundo real que viver na "ilusão" de ser um "rock star". Pedi a ele que não fizesse algo de que depois se arrependesse, nós temos uma nova gravadora e eu escrevi de longe o mais forte e mais significativo material e nós basicamente temos um novo começo. Eu não deveria ter pressionado ele a ficar, mas eu fui pego de surpresa,

Matt já estava fora em seu coração. A gravação dos vocais não foi tranquila. Era óvio para Jim Morris (produtor) e eu que alguma coisa estava muito errada. Entretanto, nós seguimos em frente e Jim sentiu que nós podíamos ter que mudar a maneira que mixamos os vocais. Depois que a gravação foi feita nós procedemos com a mixagem. Eu estava ficando mais e mais perturbado com o jeito que as coisas estavam soando e, pelo tempo que começamos a mixagem dos 32 minutos do épico de Gettysburg (1863), eu sabia que tinha que tomar uma séria decisão. Não foi uma decisão que sempre quis tomar; Eu sempre esperei que Matt e eu tocássemos juntos até a velhice nos abater.

Aqui está o fardo não tão glorioso de ser o cara que toma as decisões: decidi parar a produção e segurar o álbum até encontrar um outro vocalista.

O coração de Matt não estava mais conosco e ele mostrou isso em sua performance. Tenho certeza que é difícil para alguns de vocês acreditarem, mas é simplesmente um fato. Há muitas coisas que você pode fazer com a tecnologia de hoje para fazer um cantor soar melhor mas você não pode acrescentar sentimento com um computador. E todos nós sabemos de gravações passadas que Matt nunca apresentou problemas de falta de sentimento, então era óbvio que tinha acabado, e ele não tinha mais esse sentimento em seu coração para realmente sentir o álbum.

The Glorious Burden é sem dúvida o melhor álbum que já escrevi. A primeira vez que escrevi sobre eventos sérios e importantes. Também a primeira vez que escrevi sobre algo tão próximo e querido ao meu coração como a história de nosso país. Provavelmente soe piegas para alguns de vocês, mas eu frequentemente usei a Revolução Americana como inspiração para me dar força para continuar nessa constante batalha. Meu amor e paixão pelo estudo da Guerra Civil está sendo traduzida em música pela primeira vez na história da banda e é o que faz esse álbum tão especial. Gastei incontáveis horas no que é definitivamente a minha obra-prima como compositor.

Este não é apenas um outro álbum sobre fantasias negras, sci-fi e material de terror.

Depois de Horror Show, que é um bom disco mas sem aquele toque pessoal, eu senti que essa seria a melhor maneira de trazer de volta essa paixão pessoal na música de um jeito novo. Então realmente me remete ao fato que eu ainda me sinto como se eu tivesse alguma coisa pra dizer como letrista, então estou apto a continuar. Eu realmente preferia continuar no caminho que as coisas estavam mas eu não posso forçar alguém a fazer algo, ninguém pode. Esta tem sido uma decisão muito difícil, pois não iria lançar um albúm que me assombraria o resto da minha vida porque sabia que não era para ter saido desse jeito. Então, eu continuarei porque não posso depois de 20 anos de trabalho pesado apenas jogar a toalha porque um membro teve uma mudança no coração. Eu não acho que os fãs do Iced Earth iriam querer dessa maneira.

Tenho passado alguns dos melhores momentos da minha vida com Matt. Fomos capazes de experimentar muitas coisas em nossas viagens juntos e eu espero que ele encontre o que ele quer para seu futuro, eu realmente desejo-lhe o melhor para a sua vida.

E então um outro capítulo da luta do Iced Earth e do meu amor ao metal começa. Tenho que dizer que eu me sinto completamente energizado e estou muito otimista com o nosso futuro. Uma coisa estranha considerando a incerteza que paira a frente, mas se vocês me conhecem, sabem que eu adoro um desafio.

The Glorious Burden virá com toda sua glória quando eu encontrar o cara certo para fazer os vocais. Se isso vai levar dois meses, seis meses, um ano, não importa, faremos o que é certo no caminho que tem que ser. Os fãs verdadeiros e dedicados não deviam pensar que esse é o fim da banda. Não é. Antes que vocês percebam, o álbum sairá e será a melhor coisa que vocês terão escutado do Iced Earth. Eu espero que a maioria de vocês entendam a situação que eu estou e estejam confiantes que eu seguirei com a mesma tradição que o Iced Earth sempre teve: qualidade, hosnestidade e integridade...

Stay Metal!

Jon Schaffer




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Iced Earth"


Iced Earth: ao vivo Alive in Athens será relançado em vinil

Humor: Quais são os rockstars mais chatos do mundo?Humor
Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

Tim Ripper Owens: Caí fora da banda de Malmsteen sem falar nadaTim "Ripper" Owens
"Caí fora da banda de Malmsteen sem falar nada"

1998: 40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos1998
40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos


U2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da bandaU2
As 10 melhores músicas de todos os tempos da banda

Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileiraRegis Tadeu
A tsunami de lixo musical da atual música brasileira

David Lee Roth: o vergonhoso teste de Matt Sorum para a bandaDavid Lee Roth
O vergonhoso teste de Matt Sorum para a banda

Mustaine: Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!Mustaine
"Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!"

MMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy MetalMMA
Os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

Slash: citando as qualidades de Axl Rose em vídeoSlash
Citando as qualidades de Axl Rose em vídeo

Black Sabbath: a icônica resenha de Lester Bangs sobre Black SabbathBlack Sabbath
A icônica resenha de Lester Bangs sobre Black Sabbath


Sobre Tiago Pinheiro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336