Pixies encerra festival com show antológico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Fonte: Folha Online
Enviar correções  |  Ver Acessos

Finalmente o público brasileiro pôde presenciar na madrugada de domingo uma apresentação histórica da banda americana Pixies, que volta aos palcos com uma turnê mundial depois de 12 anos de separação.

Filmes sobre rock: A história do gênero no cinemaDe AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rock

Muito bem humorados, Black Francis/Frank Black (vocal e guitarra), Kim Deal (baixo e vocais), Joey Santiago (guitarra) e David Lovering (bateria) mostraram por quê são reverenciados em todo o mundo como uma das mais influentes bandas alternativas da história.

Esta foi a primeira apresentação do grupo americano em solo brasileiro --a banda foi fundada em 1986, em Boston--, e é a única da América Latina nesta turnê que começou no dia 13 de abril, em Minneapolis (EUA), passando por Europa e Estados Unidos.

O Brasil é a primeira escala da banda depois da participação no festival de Coachella, na Califórnia, no último final de semana, para um público de 50 mil pessoas.

Com alguns quilos a mais e muitos cabelos a menos, os Pixies provaram que a imagem estereotipada dos "roqueiros" nunca serviu para a banda. Um vocalista obeso com cara de nerd, um guitarrista filipino e uma baixista que, apesar de bela, nunca tentou parecer sexy no palco, formam, junto ao baterista David Lovering -que nas horas vagas é ilusionista--, uma equipe que fez muito mais pelo rock'n'roll do que a maioria das novas bandas indie, que dedicam demasiado tempo produzindo seu figurino.

Subindo ao palco pontualmente à 0h de domingo, os Pixies foram ovacionados pelo público procedente de várias partes do Brasil, e até mesmo de países vizinhos, que vieram para conferir o acontecimento inédito.

Muito sorridente, o quarteto abriu a noite com uma versão de "Bone Machine" que não deixou nada a dever para a energia da gravação original do disco "Surfer Rosa", de 1988.

Depois, na seqüência, "Cactus", "Nimrod's Son" e "U-Mass".

Durante as 28 músicas executadas no show de cerca de uma hora e meia, a banda não disse absolutamente nada para a platéia, mas nem por isso pareceu antipática. Kim Deal -que esteve na primeira edição do CPF, em 2003, com sua banda Breeders-- venceu no quesito simpatia, sempre rindo, inclusive dos próprios erros. David Lovering também estava animado e tirou fotos do público ao final do show.

A banda parecia se divertir bastante frente ao público de aproximadamente 9.000 pessoas que lotou a Pedreira Paulo Leminski, segundo a organização do evento. Todos os ingressos foram vendidos.

O público vibrava a cada música, com destaque para os hits "Monkey Gone to Heaven", "Here Comes Your Man" e "Velouria".

Depois de encerrar o set com "Where Is My Mind", o quarteto voltou para um bis com quatro músicas: as clássicas "Gigantic" e "Debaser", e "Into The White" e "Planet of Sound".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Pixies"


Rolling Stone: lista das melhores músicas sobre sangueRolling Stone
Lista das melhores músicas sobre sangue

Rate Your Music: os melhores discos de todos os temposRate Your Music
Os melhores discos de todos os tempos


Filmes sobre rock: A história do gênero no cinemaFilmes sobre rock
A história do gênero no cinema

De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockDe AC/DC a ZZ Top
Origens dos nomes de bandas e artistas de rock