Matérias Mais Lidas

imagemTitãs: traído, o baterista destruiu o quarto; Paulo Ricardo viu na TV a traição

imagemPaulo Ricardo e a loucura em hotel nos anos 1980: "Eu já tinha perdido o pudor!"

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemO maior álbum de todos os tempos, na opinião do saudoso Ronnie James Dio

imagemMetallica: se você achou caro o pacote do Titãs, fuja dos preços da turnê de Hetfield & Cia

imagemWandinha, da Netflix, resgata banda icônica do Rock em canção com letra sacana

imagemO curioso ritual do Fleetwood Mac antes de subir ao palco, revelado por Christine McVie

imagemGene Simmons relembra como passagem pelo Brasil levantou o Kiss em 1983

imagemMarko Hietala anuncia retorno ao mundo da música e fãs pedem volta ao Nightwish

imagemPor que Bono é odiado por muitos mas sobrevive a tanto hate? Regis Tadeu analisa

imagemMatt Sorum: ex-baterista do Guns N' Roses conta porque não deseja voltar à banda

imagemBandas de rock que lançaram poucos discos, mas continuam fazendo muito sucesso

imagemCinco músicos que nunca voltarão para as bandas que os consagraram

imagemIggor Cavalera diz que o metal às vezes é muito conservador

imagemKiko Zambianchi foi proibido de ir no Silvio Santos após apresentador errar seu nome


Stamp
Summer Breeze

Vacas atrapalham gravação do Napalm Death

Por César Enéas Guerreiro
Fonte: Deseret Morning News
Postado em 25 de novembro de 2006

O frontman do NAPALM DEATH, Mark "Barney" Greenway contou a Scott Iwasaki do jornal Deseret Morning News de Utah, EUA, que quando a banda, uma das pioneiras do grindcore, entrou no estúdio para gravar o novo CD, "Smear Campaign", os integrantes pensaram que seriam apenas sessões rotineiras.

"Estávamos na zona rural do País de Gales, a uns oito quilômetros longe de qualquer grande distração", disse Greenway. "Lá só havia um rebanho de vacas e alguns outros animais de fazenda. Mas depois de um tempo as coisas começaram a ficar interessantes".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Greenway precisou gravar várias faixas vocais devido aos "mugidos", disse ele. "Eu ficava pronto para berrar e, como eu estava usando um microfone remoto, ele captava aquele horrível ‘MOOO!’ e eu tinha que começar de novo".

"Então um dia alguém deixou um portão aberto e as vacas começaram a correr pelo terreno do estúdio. Algumas pessoas de nossa equipe ficaram aborrecidas e acabamos pisando em muitas coisas fedorentas".

Mas esses pequenos contratempos não impediram o NAPALM DEATH, os fundadores do grindcore, – uma mistura de Punk e Speed Metal – de gravar seu mais novo álbum, "Smear Campaign". "Acho que este é o álbum mais conceitual que já fizemos. Na minha opinião, o mundo tornou-se um lugar assustador".

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

"O que quero dizer é que qualquer tipo de opressão é ruim. Acho que tanto o racismo quanto a hipocrisia são ruins. E este álbum trata desse tipo de assunto. Sempre fomos uma banda revolucionária, mas agora nos concentramos mais em assuntos específicos, ao invés de várias questões diferentes, como no passado".

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Samael Hypocrisy


[an error occurred while processing this directive]
[an error occurred while processing this directive]
[an error occurred while processing this directive]

Spotify: a música mais tocada de 20 bandas de metal extremo

Napalm Death: o dia que eles sairam na mão com uma banda nazista

Spotify: a música mais tocada de 20 bandas de metal extremo

Melhores de 2012: as escolhas do redator Leonardo Daniel Tavares

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGN

Black Metal: cinco bandas do lado depressivo do satanismo


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais matérias de César Enéas Guerreiro.