Vinnie Paul: "O HellYeah veio para ficar"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Ferraresso, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

Rick Florino, da revista Maximum Ink, conduziu uma entrevista com o baterista Vinnie Paul Abbot (ex PANTERA e DAMAGEPLAN, atual HELLYEAH). Seguem-se alguns trechos:

Maximum Ink: Foi difícil voltar a tocar?

Vinnie Paul: "Depois dos eventos do dia 8 de dezembro de 2004, eu fiquei sem saber se um dia voltaria a tocar de novo. Mas eu disse a mim mesmo que retornaria, e essa nova situação simplesmente caiu no meu colo. Foi isso o que aconteceu (com o HELLYEAH). Todo mundo estava com a cabeça no lugar, então resolvemos adotar uma atitude 'vamos quebrar tudo'. Foi muito bom gravar".

publicidade

Maximum Ink: Por qual motivo a banda trabalhou tudo tão rápido?

Vinnie Paul: "Eu acho que isso advém do fato de que todos nós temos bastante experiência, e respeitamos mutuamente o trabalho que todos fizeram em suas outras bandas. Eu acho que a coisa mais legal de trabalhar com esses caras é que não existem egos. Todo mundo está vivendo a situação 'um por todos, todos por um'. Faz um bom tempo que não vivo uma situação como essa".

publicidade

Maximum Ink: Como você descreve o som do HELLYEAH?

Vinnie Paul: Eu acho que tem um groove familiar, mas mesmo assim é um som novo. Faz parte da atitude da banda como um todo, porque não colocamos nenhuma regra a ser cumprida. Seria fácil colocar doze faixas destruidoras e violentas dentro do álbum, mas aí o resultado não teria sido dinâmico. Nós sentimos que essa banda tem um grande poder criativo. Isso também trouxe um tipo de experiência nova para os caras, porque tudo o que fazemos é gravado direto. Enquanto compomos, também gravamos. Assim você captura toda a magia, espontaneidade e tudo o que aparece. Você tem aquela coisa matadora e ao mesmo tempo crua. A mágica está aí. Foi assim que fizemos".

publicidade

Maximum Ink: Como que você quer ver a banda sendo vista na cena?

Vinnie Paul: "Eu quero que seja vista como uma banda, e não apenas como um projeto paralelo. É realmente pra valer. É algo que já discutimos: o HELLYEAH pode coexistir com as outras bandas dos caras. É o meu bebê, e estou animado com tudo, especialmente para tocar ao vivo. Estar no estúdio é legal, mas tocar ao vivo para pessoas é a ‘grande loucura’ pra mim. Eu amo isso".

publicidade

Leia a entrevista completa (em inglês) no maximumink.com.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Como batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidosComo batizar a criança
Os nomes de bandas mais estúpidos

Lemmy Kilmister: Esta coisa de Black Metal me faz rir!Lemmy Kilmister
"Esta coisa de Black Metal me faz rir!"


Sobre Marcelo Ferraresso

Do Blues norte-americano, passando pelo Jazz Fusion, Rock Progressivo e chegando até o Metal Extremo, acredita que a música possui apenas dois rótulos importantes: boa e ruim.

Mais matérias de Marcelo Ferraresso no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin