AC/DC: com o novo "Black Ice", banda se afasta do iTunes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ligia Fonseca, Fonte: Reuters, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 18/10/08. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

(Tradução de matéria assinada por Matt Daily)

Saudações do AC/DC a quem quiser rock - a não ser que deseje comprar o mais novo álbum do grupo de heavy metal australiano, "Black Ice," no iTunes, ou qualquer lugar que não seja o Wal-Mart, quando ele chegar às lojas, em 20 de outubro.

3106 acessosPhil Rudd: por que ele se recusa a fazer solos de bateria5000 acessosDinheiro não é tudo mas ajuda: 5 Rock Stars que nasceram ricos

"Talvez eu seja antiquado, mas esse iTunes, Deus o abençoe, vai matar a música se não tomar cuidado", o vocalista Brian Johnson, 61 anos, disse à Reuters.

O AC/DC, formado pelos irmãos Angus e Malcolm Young em 1973, está entre os poucos grupos que se recusam a incluir sua música no popular website de download, em uma atitude que Johnson defendeu como uma tentativa de proteger o formato do álbum contra a ênfase da Internet de comprar músicas isoladas.

"Essa coisa é... um monstro", ele disse. "Isso me preocupa, e tenho certeza de que eles fazem tudo com a intenção de ganhar... o máximo de dinheiro possível. Quer dizer, com certeza não é por... amor, vamos deixar claro."

As 15 músicas de "Black Ice" estão próximas aos riffs poderosos com influência do blues que o AC/DC utilizou nos 14 álbuns anteriores, que, juntos, venderam cerca de 200 milhões de discos no mundo inteiro.

O álbum "Back in Black" - o quinto mais vendido de todos os tempos nos Estados Unidos, de acordo com a Recording Industry Association of America - se transformou em um marco do heavy metal. A faixa-título, bem como "You Shook Me All Night Long," continuam tocando nas rádios quase 30 anos depois de seu lançamento.

O álbum seguinte, "For Those About to Rock (We Salute You)", um título que brinca com a saudação dos antigos gladiadores romanos, disparou para o número 1 das paradas norte-americanas assim que lançado, e também se tornou um clássico do rock.

Depois de um intervalo de quase sete anos após "Stiff Upper Lip", de 2000, o AC/DC se reuniu para gravar "Black Ice" e Johnson lembra ter ficado arrepiado quando Angus e Malcolm levaram suas guitarras para o The Warehouse Studio em Vancouver, Canadá.

Ainda assim, o ódio de Johnson por estúdios de gravação o fez ir até o balcão de recepção, onde o produtor Brendan O'Brien montou um microfone e Johnson gravou os vocais - mais um sinal do comportamento idiossincrático na carreira cheia de histórias da banda.

Vender músicas online também é outro problema. Embora o download de músicas do iTunes para iPods e de outros sites voltados a música para players digitais tenho se tornado uma prática comum para amantes de música, isso soa desafinado para o AC/DC.

Sob seu novo contrato com a Columbia Music, da Sony, "Black Ice" será disponibilizado apenas no Wal-Mart e em suas lojas Sam's Club, bem como no site do AC/DC.

"Muitas pessoas disseram 'Cara, vocês vão pro Wal-Mart, estão se vendendo', disse Johnson.

"O Wal-Mart foi a única grande loja a estocar todos os nossos álbuns, cada um deles, e nunca se desviou do caminho, vendeu camisetas e pijamas do AC/DC para crianças, o que achamos muito legal", contou.

Fãs esgotaram as entradas para a turnê mundial do AC/DC que começa no final do mês nos Estados Unidos, e Johnson disse que estava malhando para acompanhar o ritmo do frenético Angus Young, famoso por usar um uniforme escolar no palco.

Johnson, que também participa de corridas de carro, contratou um treinador para entrar em forma e espera poder saltar para a corda embaixo do sino gigante que o AC/DC tradicionalmente abaixa no início do hino do rock "Hells Bells."

"O sino vai baixar de novo e digo a mim mesmo 'Devo pular essa altura?'", falou Johnson. "Ainda consigo fazer isso?"

Apesar do hiato da banda, a fome dos fãs pelo AC/DC continua grande, e o single mais recente do novo álbum, "Rock'n Roll Train", chegou ao número 2 da parada de rock mainstream da Billboard.

"Agora, temos crianças de 8 ou 9 anos que são fãs, e os pais deles são fãs. É bem impressionante", conta Johnson.

Ainda assim, ele foi filosófico quanto à banda lançar mais um álbum. "Vou deixar na mão dos deuses. A vida é o que é, sabe. Se você começa a planejar com muitos detalhes, ela te dá um chute no traseiro", disse.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Phil RuddPhil Rudd
Por que ele se recusa a fazer solos de bateria

1468 acessosRock: gênero é um trintão decadente, segundo Spotify753 acessosAC/DC: a primeira vez com "Let There Be Rock"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "AC/DC"

FamíliaFamília
Irmãos que tocam ou já tocaram juntos na mesma banda

AC/DCAC/DC
Demência não foi o único problema de Malcolm

MetallicaMetallica
Lars Ulrich diz quem escolheria para substitui-lo na banda

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "AC/DC"

Dinheiro não é tudo mas ajudaDinheiro não é tudo mas ajuda
5 Rock Stars que nasceram ricos

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Steven Tyler, do Aerosmith, muito antes da fama

SlayerSlayer
Tom Araya revela seus ídolos do baixo

5000 acessosMetallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For All5000 acessosRock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os tempos5000 acessosEm 25/09/1980: John Bonham, do Led Zeppelin, morre após intoxicação5000 acessosGangnam Style: uma versão bem mais pesada do clássico5000 acessosNicko McBrain: "Imagine eu tocando Run to the Hills com 73 anos!"5000 acessosGibson: os 10 maiores bateristas de todos os tempos

Sobre Ligia Fonseca

Tradutora, formada em Jornalismo pela PUC-SP, resolveu mudar de carreira quando percebeu que gostava mais de traduzir do que de escrever textos. Descobriu o rock aos 5 anos, ao assistir o clipe de “I Love it Loud” do Kiss.

Mais matérias de Ligia Fonseca no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online