Helmet: novo álbum postergado para o mês de agosto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 01/06/10. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Amy Harris do CityBeat recentemente entrevistou o vocalista/guitarrista Page Hamilton da lenda do metal alternativo HELMET. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

5000 acessosNirvana: 20 coisas que você não sabia sobre "Nevermind"5000 acessosArnaldo Jr: Colecionador de ítens relacionados ao Metallica

CityBeat: O que te inspirou a entrar para a música tão jovem?

Page Hamilton: "Sempre fui um grande fã de música e adorava EAGLES, AMERICA e THE BEATLES, e então eu ouvi a banda LED ZEPPELIN e se tornou uma obsessão. O Jimmy Page parecia ser tão legal. Aos 18, ou era música ou era pornô gay".

CityBeat: O novo álbum [do HELMET], "Seeing Eye Dog" (“cão guia”, em português), está com lançamento previsto para 22 de junho. Você pode me falar mais sobre a inspiração para o nome?

Hamilton: "O lançamento do álbum na verdade foi postergado para 24 de agosto pois estamos tentando terminar a arte e finalizar as faixas. Eu normalmente me afasto de declarações políticas, mas há algum tema social no álbum. Um 'cão guia' é aquele que leva o cego. Eu também li um poema de Ezra Pound, um dos meus poetas favoritos, chamado 'The Seeing Eye' ('O olho que vê', em português) e a imagem ficou grudada em minha mente".

CityBeat: Qual sua música favorita no álbum para se tocar ao vivo?

Hamilton: "Até agora concluímos cinco músicas para o álbum. Uma não pode ser tocada porque é uma digitalização orquestrada de instrumentos. Outras como 'So Long', 'Welcome to Algiers' e 'In-person' estão sendo tocadas ao vivo. Está me exigindo treinamento para que eu tocar guitarra e voltar aos vocais. Uma cerveja ou duas me ajuda a relaxar e geralmente melhora o fluxo".

CityBeat: Qual seu processo para compor?

Hamilton: "Eu costumava compor toda a música e então colocar a letra nela depois de eu ter o padrão rítmico. Ao longo dos últimos 10 anos, eu pego idéias musicais que inspiram o movimento vocal e rítmico. Eu também tenho anotações em todos os lugares – em casa, no carro, e em todo espaço – para capturar idéias assim que eles vêm a mim. A linguagem sempre me fascina e eu tento não fazer declarações políticas e não tenho uma pauta. Eu sinto que se você tiver uma pauta ela vai lavar o significado das músicas. Eu apenas tento fazer observações".

Leia a entrevista completa (em inglês) no citybeat.com.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Helmet"

FlashbackFlashback
Os 10 melhores álbuns do ano de 1992

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Helmet"


NirvanaNirvana
Vinte coisas que você não sabia sobre "Nevermind"

Collectors RoomCollectors Room
Coleção de Metallica com 16 versões apenas do "Ride"

As novas caras do metalAs novas caras do metal
Mais 40 bandas que você deve conhecer

5000 acessosMonsters of Rock: a feijoada que quase derrubou King Diamond5000 acessosGuns N' Roses: segundo Gene Simmons, Axl merecia uma surra5000 acessosSlash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay5000 acessosExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões2194 acessosBeatles: a ocasião em que Ringo Starr saiu da banda5000 acessosKiss: veja a capa em 3D do álbum Monster

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online