Ódio: como um músico lida com isto pela internet?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar Correções  

Por Paul Resnikoff, traduzido por Nacho Belgrande.

ÓDIO: a internet está cheia dele. A tecnologia está amplificando-o. E se você vingar no meio artístico, vai receber muito disso. Mas como você lida efetivamente com isso, na qualidade de artista, sem deixar que isso interfira com sua criatividade e a conectividade com os fãs?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esse foi um dos muitos assuntos debatidos na Scion Music Conference em Los Angeles na quarta-feira passada, uma pequena convenção de empresários, artistas, produtores, supervisores e todo mundo no meio. E uma coisa ficou clara: a tecnologia aumentou totalmente o nível de ódio sendo direcionado aos artistas e seu trabalho. "Há com certeza muito ódio no Twitter," disse o lendário produtor de hip hop, Prince Paul. "De repente há uma massa de pessoas na internet falando de você."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas a finalidade não é essa? Paul é um daqueles raros artistas com os quais as pessoas podem de fato conversar (ou tweetar, comentar, ou mandar mensagens instantâneas), o que é mais do que muitas pessoas conseguem. "Eu sou odiado por muitos no meu tipo de música, e isso faz com que eu me sinta bem-sucedido," disse Dwid Hellion da Holy Terror Records e da banda Integrity.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E vamos encarar isso de frente, os disseminadores do ódio são os que mais se manifestam, e tendem a sufocar aqueles que de fato apreciam o trabalho. "As pessoas só tem coragem de fazê-lo pela internet," disse Beth Bogart, que se descreve como uma ‘artista espalhafatosa do entretenimento’ no grupo Hunx and His Punx. "Isso vem de pessoas que estão na internet 17 horas por dia."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Então apenas ignore isso e volte praquele lugar feliz? Não é bem assim: Paul apontou o papel crítico que o ódio tem no desenvolvimento de artistas – e os testes que ele impõe à criatividade. Na verdade, esse produtor agradeceu ao ódio por tê-lo deixado mais ousado, enquanto aponta para a negatividade como uma reação natural à música experimental de vanguarda. "Nenhum disco que eu fiz era do tipo popular, fosse com De La Soul ou de horrorcore," disse Paul. "Se não fosse pelo ódio, eu não estaria onde estou hoje."

Há o outro lado. As mesmas plataformas que estão aumentando o ódio também estão possibilitando muita colaboração e feedback construtivo. Basta olhar no SoundCloud, que habilita feedback e colaborações instantâneos, geralmente do tipo construtivo.

Assim, há apenas honestidade na forma de feedback negativo, o que pode ser imensamente valioso – se o artista aguentar. "Isso não é odiar, é ter uma opinião," disse Sacha Jenkins, editora de música da revista estadunidense Vibe. Você acha que aguenta?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Discórdia: alguns dos maiores insultos entre artistasDiscórdia
Alguns dos maiores insultos entre artistas

Jared Leto: a reação ao se ver no papel do CoringaJared Leto
A reação ao se ver no papel do Coringa


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Goo336 Goo336 Cli336 Goo336 Goo728 Cli336