Queensryche: "a arte deve evoluir assim como o artista"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 10/09/11. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

O site PopStar.com entrevistou o vocalista Geoff Tate, da banda de rock progressivo de Seattle QUEENSRŸCHE.

730 acessosGeoff Tate: "No palco com minha nova música, eu corro riscos"5000 acessosOzzy x Sharon: conheça a mulher que supostamente causou a separação

PopStar.com: A "Got it Bad" é a música mais sexy no "Dedicated To Chaos" (novo álbum do QUEENSRŸCHE), não só em termos de letra mas em seus ritmos abafados e nas back-beats. O que (ou quem) inspirou a música – ou ela nasceu de um sentimento mais universal sobre amor e obsessão.

Tate: Bem, eu sou meio obcecado com a obsessão (risos). Eu sempre achei que é um tópico muito interessante e talvez porque é um daqueles que está bem próximo de mim. Eu tenho uma personalidade muito obsessiva. Eu adoro essa música também. Acho que a primeira frase foi realmente inspirada em minha esposa, em quem em encontro muita energia criativa. Ela tem essa personalidade que quando ela entra em um lugar, as pessoas meio que gravita em na direção dela. Ela tem uma energia realmente positiva e eu gosto bastante disso nela. Então eu estava vendo esse cenário se desdobrar em algum evento a que fomos e essa linha pipocou na minha cabeça e então eu tive de escrevê-la bem rápido para eu não esquecer (risos). Então toda a música foi criada a partir dessa primeira frase. As pessoas sempre me perguntam, "Como você se inspira para escrever especialmente após esse tempo que vocês estão juntos na banda?" e eu nunca tenho um problema com isso. Acho que a vida é tão inspiradora por si só, especialmente a vida que vivemos. Estamos mudando constantemente, estamos constantemente em lugares diferentes. Todo dia eu converso com pessoas interessantes e tenho converas interessantes, não há nunca um momento chato. Na verdade, eu tenho de agendar um momento chato (risos). Eu tenho que tomar um tempo para parar e meditar um pouco.

PopStar.com: Ao longo dos anos, a banda evoluiu e às vezes lançou material que estava fora dos domínios do que muitos poderiam esperar ouvir do QUEENSRŸCHE. Há fãs que acolheram a versatilidade criativa da banda, e aqueles que simplesmente não a suportam. O que você diria a eles?

Tate: Eu não sei se há muito a se dizer a alguém que está preso a um certo disco. Fico satisfeito por eles gostarem de algo que fizemos. Gostem ou não gostem de tudo o que fazemos, é meio que muito a se esperar de alguém porque todos escutamos a música de uma forma diferente. Todos a passamos pelos filtros de nossa própria vida e ligamos certas músicas a pontos em nossa vida que estamos passando ou nos envolvemos realmente com uma música ou álbum e isso se torma tipo a música tema de nossas vidas. Então eu não posso ser muito crítico com pessoas nesse aspecto. Eu faço a mesma coisa. Eu tive discos que foram realmente especiais para mim que me trazem certas lembranças da minha vida. Assim como o artista, a arte tem de evoluir. Essa é a natureza dela, e você não quer reprimí-la e jogá-la numca caixa e nunca passar dos limites porque o artista se torna muito desencorajado, eu acho. A natureza dela é continuar se modificando e mudando e evoluindo. Eu não sou a mesma pessoa que era em 1983 de jeito nenhum. Eu tive tanta experiência de vida e isso tem de se transmitir na música se não de que outro jeito será? É uma ocupação muito auto-indulgente, devo dizer (risos).

Leia a entrevista na íntegra (em inglês) no PopStar.com.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Heavy MetalHeavy Metal
Dez grandes acústicas de bandas do gênero

730 acessosGeoff Tate: "No palco com minha nova música, eu corro riscos"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Queensryche"

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 melhores EPs de todos os tempos

Baladas do MetalBaladas do Metal
Blog elege as mais bonitas de todos os tempos

Metal ProgressivoMetal Progressivo
Os melhores álbuns do estilo segundo o About.com

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Queensryche"

Ozzy x SharonOzzy x Sharon
Conheça a mulher que supostamente causou a separação

Mulheres no RockMulheres no Rock
As mais importantes segundo rádio inglesa

RockstarsRockstars
18 roqueiros que já apareceram em filmes

5000 acessosSasha Grey: sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinil5000 acessosNickelback: 11 razões para respeitar - muito - a Chad Kroeger5000 acessosMarcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden5000 acessosHair Metal: As 100 melhores bandas do gênero (Parte 1)4559 acessosSonata Arctica: "não somos mais power metal", diz vocalista5000 acessosDuff Mckagan: baixista explica como dizer não às drogas

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online