Lothloryen: a loucura como conceito do novo álbum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Débora Brandão, Fonte: Metal Media, Press-Release
Enviar Correções  

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

Ao longo da história, a loucura teve relação direta com a cultura e acontecimentos sociais marcantes, que definiram o que o mundo é hoje. É esse o conceito abordado no novo álbum "Raving Souls Society", dos mineiros do LOTHLÖRYEN, lançado pela Shinigami Records no mês de fevereiro. E agora a banda explica todos os conceitos por trás deste tema.

publicidade

"O CD todo é em torno da loucura. ‘Raving Souls Society’ é a sociedade dos loucos que, de certa forma, foram relevantes para a História ou que, pelo menos, tiveram uma vida autêntica, não presa às algemas daquilo que a sociedade prega como certo ou errado", comenta Leko Soares, guitarrista da banda.

Algumas músicas mostram claramente essa referência, como "A Tale of Lunacy", que fala sobre o nazismo e como um lunático pode mudar os cursos da história quando tem o poder. "Ela fala também sobre a loucura que atingiu a maior parte da população alemã, que se alienou e seguiu o Führer, da sociedade secreta Tule e a busca pelo Vrill (outra doidera da época do nazismo)", completa o guitarrista.

publicidade

Já a música "Sun of Delirious" conta sobre o Akhenaton, um faraó egípcio da 18ª dinastia que tentou implantar o monoteísmo na sociedade egípcia da época. "Só por esse fato ele já podia ser considerado um cara muito louco".

"Temples of Sand" expõe a loucura das Cruzadas, que pôs cristãos contra muçulmanos em guerra durante mais de dois séculos, em nome de Deus que na verdade é o mesmo. "A religião é talvez a maior forma de loucura, quando leva as pessoas à alienação total. Como dizia Marx: ‘A religião é o ópio do povo’".

publicidade

Outra música do álbum que tem bem claro o tema "loucura" é "Burning Jacques", que comenta sobre a loucura da Inquisição e a prisão e morte na fogueira de Jacques Demolay, "Ele era líder dos Templários, que amaldiçoou o Rei Felipe IV, seu ministro Guillaume de Nogaret e o papa Clemente V", finaliza o músico.

No entanto uma única música do álbum se afasta do tema proposto, "My Old Tavern", primeira letra escrita para o material e uma espécie de "adeus ao mundo Tolkien", que foi sempre abordado pela banda nos dois primeiros álbuns lançados.

publicidade

Tudo isso faz com que ‘Raving Souls Society’ seja o mais maduro e completo álbum do grupo até o momento.

Confira o trailer de lançamento do CD, com uma amostra de todas as músicas presentes no material:

publicidade

Contato para shows e merchandise: [email protected]

Sites Relacionados:
www.lothloryen.com
www.facebook.com/leogodde
www.metalmedia.com.br/lothloryen




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Two and a Half Men: Participações de astros do rockTwo and a Half Men
Participações de astros do rock

Iron Maiden: o passado vergonhoso registrado em fotosIron Maiden
O passado vergonhoso registrado em fotos


Sobre Débora Brandão

Responsável pela Metal Media Management, cresceu ouvindo clássicos do Rock n' Roll e Heavy Metal por influência de seus pais. Em 2007 iniciou sua carreira na área da música trabalhando em uma gravadora nacional e fundando uma assessoria de comunicação voltada a bandas de Rock/Metal. Hoje, com grandes nomes no Roster, a Metal Media é uma das empresas que mais apoia e acredita no Metal Nacional.

Mais matérias de Débora Brandão no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin