Slipknot: Corey Taylor fala sobre Stone Sour e Knotfest

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando Portelada, Fonte: Loudwire, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 18/09/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

O vocalista do SLIPKNOT e do STONE SOUR, Corey Taylor foi o convidado do programa Full Metal Jackie no último final de semana. Ele comentou todo o trabalho que o STONE SOUR teve em seu álbum conceito duplo, House of Gold & Bones partes 1 e 2, e também sobre o primeiro ano da Knotfest e sobre a espera dos fãs do SLIPKNOT por novas músicas.

1194 acessosSlipknot: estúdio x ao vivo, expectativa e realidade5000 acessosDeep Purple: a contestada entrevista na Globo em 2006

Entrevistador: Falando sobre a STONE SOUR, um álbum conceito duplo, descrito musicalmente como se o PINK FLOYD tivesse encontrado o ALICE IN CHAINS, e ainda acompanhado de uma História em Quadrinhos, soa como um grandioso marco criativo. Como foi fazer isso tudo?

Corey: Foi algo em que eu já pensava quando estávamos fazendo Audio Secrecy, e honestamente foi se juntando dos pedacinhos que sobraram quando estávamos fazendo este álbum. Tinha uma história na cabeça por algum tempo, e só comecei a tentar muito fazê-la ter forma [...].

Corey: Eu pensava: “Quer saber, foda-se a Indústria. Se eu quero fazer algo acima e além do que simples arte mais ainda assim uma ótima música, e que ligue cada veia artística, o que isto seria?” Comecei a trabalhar na história bem cedo, mas então várias coisas aconteceram, e me afastaram de qualquer momento artístico. Paul (Gray) faleceu e depois de um ano Roy (Mayorga) teve um derrame, então tudo saiu dos trilhos para mim.

Corey: Bem no meio dos shows do Sonisphere, que estávamos fazendo com o SLIPKNOT, eu estava pensando sobre o STONE SOUR por alguns motivos e foi neste momento que eu realmente comecei a montar este quebra cabeças. Pensei na história e nas músicas ainda na estrada. Quando voltamos estava a ponto de fazer alguns demos. Foi aí que começamos.

Entrevistador: Agora, com esta experiência de um álbum conceitual, isto abre a porta para o SLIPKNOT talvez fazer um também?

Corey: Talvez. (Risos). Eu não sei. Este deu muito trabalho. Se for só um álbum conceito, talvez. Este foi como tentar jogar basquete em uma trincheira: Você sabe o que quer fazer e você quer fazê-lo, mas você já está quatro pés enterrado no chão. O resultado final é satisfatório, então fico com o talvez. Detesto dizer “nunca”, já que quanto mais você anuncia seus planos em voz alta, mais você faz Deus sorrir. Então é só esperar e ver o que acontece. Fazer isso com cinco caras já foi um “pé no saco”. Não sei o que diabos ia acontecer com nove.

Entrevistador: Temos que falar sobre a Knotfest, que aconteceu recentemente. Você está em Iowa, lar do SLIPKNOT, tocando lá pela primeira vez sem Paul e ainda por cima era o primeiro show de Randy Blythe (vocalista do LAMB OF GOD), após sair da prisão. O quão difícil foi segurar suas emoções neste primeiro show da Knotfest?

Corey: Foi uma loucura. Dirigi ao local sozinho e primeiro você começa com o medo: “Deus, será que vai aparecer alguém por lá?”. É seu próprio evento, mas é ainda maior que você. Você está tentando começar algo, está tentando preparar o palco para algo que pode viver por vários anos após você mesmo já ter acabado. A única coisa que eu me preocupava era: “Vai ter alguém por lá?” Então quando estava dirigindo e vi todas aquelas pessoas foi um imediato “Graças a Deus” (risos).
Randy foi a primeira pessoa que tentei chamar para o festival, sabendo que este seria seu retorno aos palcos. Ele estava quase borbulhando. Cheguei lá e lhe dei um grande abraço. Conversamos um pouco e ele disse: “Cara, não aguento mais esperar para subir lá e deixar tudo para trás.” Eles fizeram um ótimo show e eu estava muito orgulhoso dele e de sua banda, que conseguiram ultrapassar todos os problemas dos últimos meses.

Corey: Eu meio que tive que voltar minha cabeça aos negócios e perceber que este é o começo de algo que estamos tentando construir. Queremos que a Knotfest seja uma marca forte quando se trata de festivais, como a Ozzfest é. Houve muita ansiedade de minha parte para subir ao palco, mas o público manda essa energia positiva para você, é como se nos alimentasse. Tocamos com tudo e acho que Paul estaria orgulhoso.

Para a entrevista original, em inglês, visite:
http://loudwire.com/corey-taylor-talks-new-stone-sour-music-...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 18 de setembro de 2012

Bill WardBill Ward
Os dez discos de metal favoritos do baterista

1194 acessosSlipknot: estúdio x ao vivo, expectativa e realidade466 acessosSlipknot: reagindo aos melhores vocais cover da banda2738 acessosSlipknot: o fã que achou alguma coisa na Deep Web0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Slipknot"

Napalm DeathNapalm Death
Babymetal e Slipknot são essenciais para o Metal

SlipknotSlipknot
Pornografia inspirou primeiro álbum da banda

Metal HammerMetal Hammer
Vocalistas com infâncias problemáticas

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Slipknot"0 acessosTodas as matérias sobre "Stone Sour"

Deep PurpleDeep Purple
A contestada entrevista na Globo em 2006

Ratos de PorãoRatos de Porão
João Gordo crente? Vai tomar no cu quem tá acreditando!

SlipknotSlipknot
Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída

5000 acessosAxl Rose: Um dos vocalistas com maior alcance5000 acessosRock in Rio: Os cachês e exigências dos artistas na edição de 19915000 acessosSepultura: saiba mais sobre as visões religiosas de Derrick5000 acessosMamonas Assassinas: viúva do Piloto comenta vídeo de Feliciano5000 acessosSepultura: drum cam de Igor Cavalera tocando "Territory"5000 acessosIdioma: bandas que já cantaram em sua língua natal

Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online