Pussy Riot: apenas duas integrantes permanecem na prisão

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: G1
Enviar Correções  

A juíza russa Marina Syrova sentenciou ontem, 10 de outubro, Ekaterina Samutzevitch, de 30 anos, Natália Tolokonnikova, de 22 anos, e Maria Alekhina, de 24 anos, as integrantes do PUSSY RIOT (grupo punk russo que teria invadido uma catedral e gravado um clipe rezando para que a Virgem Maria livrasse a Rússia de Vladimir Putin) a dois anos de prisão por "hooliganismo" e "incitamento ao ódio religioso".

publicidade

As três já tinham sido julgadas em 17 de agosto e consideradas culpadas. A sentença saiu agora.

Syrova, a juiza, afirmou que as três acusadas "não expressaram arrependimento por seus atos, violaram a ordem pública e ofenderam os sentimentos dos crentes". Promotores pediram a condenação das três mulheres à pena de três anos de prisão para cada uma.

publicidade

O tribunal, entretanto, decidiu que a sentença de Ekaterina Samutzevich, de 30 anos, devia ser suspensa por ter sido impedida por guardas de participar do espetáculo na catedral.

"Não acabamos e não vamos por termo à nossa luta política", declarou Ekaterina Samutzevich à CNN.

"A situação no país desde o nosso concerto piorou e o nosso processo é prova disso". E sobre a alegação que seria uma ação anti-religião, Samutzevich voltou a afirmar: "Trata-se de uma ação política dirigida contra as autoridades, a convergência entre os poderes político e religioso e quero que as pessoas compreendam isso", concluiu.

publicidade

Vários artistas se manifestaram a favor do trio, incluindo PAUL MCCARTNEY, MADONNA e YOKO ONO (que lhes concedeu o prêmio "Lennonono" este ano).



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Separados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda LimaSeparados no nascimento
Sebastian Bach e Fernanda Lima

Slayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela bandaSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin