Viper: Felipe Machado fala sobre o último show da turnê

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Julia Sabbaga, Fonte: Wikimetal
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 07/11/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


5000 acessosMetal nacional: quinze álbuns clássicos de bandas brasileiras5000 acessosLars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' Roses

Como preparação ao show de encerramento da turnê do VIPER, o Wikimetal entrevistou cada um dos membros da banda para saber o que acharam e o que esperar desse último show. A primeira entrevista foi com o grande Felipe Machado.

WM: Como todos nós sabemos, esse realmente será o último show da To Live Again Tour. Mas o que os fãs realmente querem saber é, será o último show do VIPER?

FM: Este é o último show da turnê, mas não significa que é o último show do VIPER. A turnê foi muito além das nossas expectativas, tanto é que tivemos que aumentar o número de shows para poder chegar a mais cidades. A repercussão na internet foi ótima, nossos fãs são os melhores do mundo. Nesse momento, no entanto, não podemos afirmar o que vai vir a seguir, até porque o VIPER sempre foi uma banda muito intuitiva (para o bem e para o mal). A gente nem pensava em fazer um segundo show em São Paulo, mas foram tantos pedidos que nos sentimos obrigados a satisfazer os fãs e amigos. É uma forma de agradecer o público maravilhoso do show em SP no ínicio da ‘To Live Again’. Após o fim da turnê, o próximo passo é a mixagem e lançamento do DVD/CD ao vivo ‘VIPER Live in São Paulo’, que acontecerá no dia 8 de abril de 2013. É provável que a gente faça alguns shows de divulgação, mas com certeza não serão no formato ‘Soldiers/Theatre’ na íntegra. Mas isso também depende muito da agenda de todos os integrantes, tenho meus projetos, o Andre tem a carreira solo dele… Enfim, vamos esperar o DVD sair.

WM: Qual foi, pra você, o ponto alto dessa série de 25 shows?

FM: Difícil dizer, porque foram muitos. O show em São Paulo, com toda aquela produção, público maravilhoso e casa lotada, certamente foi um deles. O primeiro show em Santo André, numa pequena casa de shows, foi incrível porque foi a primeira vez que tocávamos o repertório depois de tantos anos. Shows em Belém, Fortaleza, Porto Alegre… fora dos palcos, o ponto alto foram as viagens com os amigos de infância, as brincadeiras com a equipe… Só tenho duas palavras a dizer: ‘Obrigado, Martin’. O Guilherme sabe o que isso significa.

WM: O que você diria para os fãs que viajaram KMs para ver o show da banda e para aqueles que viajaram KMs para ver vários shows?

FM: Só temos que agradecer a presença dessas pessoas e torcer para que eles tenham saído satisfeitos. Como disse, nossos fãs são os melhores, muito queridos e carinhosos com a gente. Prova disso é o novo site www.vipermaniacs.com.br, que eles fizeram com muito esforço e trabalho. Ficou incrível. Espero que o show tenha sido exatamente o que eles esperavam, ou melhor.

WM: Qual foi a maior lição e aprendizado que você leva dessa tour?

FM: Difícil dizer que há uma lição, mas eu diria que vale a pena reviver os sonhos. Porque essa turnê foi uma volta ao passado não apenas ao público que pode ouvir as canções daquela época, mas também para gente, que voltou a conviver na estrada após tantos anos. A lição também é que o tempo cria respeito pelas individualidades que cada um de nós temos; hoje entendo bem melhor quem somos e, até, quem éramos. Engraçado ver como cada um de nós tornou-se uma pessoa bem diferente do que era naquela época e, no entanto, igualzinho… Em relação aos shows em sim, aprendi que o principal ingrediente de um bom show não são os efeitos especiais, a técnica dos músicos, as luzes ou
explosões… é um bom repertório. Parece simples, mas é verdade. E as canções do VIPER amadureceram muito bem.

WM: O que você acha que teria acontecido com o VIPER se o Andre não tivesse saído depois daquele show no Dama Xoc em SP há tantos anos atrás?

FM: Impossível saber, né? Certamente o Evolution não seria exatamente igual se tivesse sido cantado pelo Andre; talvez nem as músicas seriam as mesmas, talvez nem existisse um som como o do Evolution. Se o Andre não tivesse saído, também não teriam existido as outras bandas dele, talvez o VIPER tivesse se mudado para o exterior… Como saber?

WM: Um dos maiores sucessos do VIPER, o excelente disco Evolution, foi lançado há exatamente 20 anos. Os fãs podem esperar algum tipo de celebração para comemorar esse grande marco e esse grande disco?

FM: Há motivos para comemorar, realmente, porque é um disco muito legal. Temos algumas ideias, mas não há nada combinado.

WM: Em 2013 já foi anunciado o lançamento do DVD e do CD duplo Live in São Paulo. Como estão os preparativos para esse grande lançamento? O VIPER prepara algo especial para essa ocasião?

FM: Ainda está meio longe, por isso não há nada planejado ainda. Mas é claro que vamos fazer alguma coisa, talvez alguns shows, talvez uma nova turnê… no mínimo, acho que a data merece uma grande festa.

WM: Vocês vão realizar algum tipo de gravação no show The Farewell Concert em SP no dia 2 de dezembro para o DVD Live in São Paulo?

FM: Apenas para making of, já que o show que sairá no DVD será o primeiro, filmado pelo Mauricío Eça e com produção da Dogs Can Fly. O segundo show de SP deve entrar como extra, assim como os shows em outras cidades. Filmamos a turnê inteira, então temos muito material para bônus.

WM: A To Live Again Tour foi uma turnê diferente, marcada pela emoção. Ficava claro para os fãs que viram o show, como a banda estava se divertindo no palco e como vocês continuam amigos depois de tantos anos. Qual o ou os pontos do show que mais te emocionavam?

FM: A turnê inteira teve mesmo esse elemento de emoção, até porque mexia com a nostalgia das pessoas. A gente também se divertiu bastante, apesar do cansaço com o formato do show – alguns chegaram a 3 horas de duração. Os momentos mais legais eram algumas do Soldiers, como Nightmares e Soldiers, e as tradicionais do Theatre, como To Live Again e Living for the Night. Também era emocionante ver a galera cantando os refrões de maneira geral, inclusive Rebel Maniac, que marcou uma outra época, mas que a gente não podia deixar de tocar.

WM: A To Live Again Tour vai deixar saudades?

FM: Com certeza! Qualquer coisa, em 2017 o Soldiers faz 30 anos (hahaha). Aguardem a turnê ‘To Live Again… Again’!

WM: Deixe um recado para os fãs do VIPER que pedem insistantemente para que a banda não termine depois dessa tour

FM: Fiquem tranquilos! A banda não vai acabar, ela vai continuar funcionando, mas num ‘tempo VIPER’, ou seja… não tenho a menor ideia do que vai acontecer.

O show de encerramento da turnê do VIPER acontece dia 02.12 no Via Marquês. Ingressos à venda na Ticket Brasil.

http://www.ticketbrasil.com.br

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Metal nacionalMetal nacional
Quinze álbuns clássicos de bandas brasileiras

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Viper"

Metal SPMetal SP
Documentário sobre Heavy Metal em São Paulo

Andre MatosAndre Matos
Entre os melhores da Revista Rolling Stone

Mente abertaMente aberta
Músicos de metal que tocam ou já tocaram em outros estilos

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Viper"

Lars UlrichLars Ulrich
Vomitando no camarim do Guns N' Roses

NirvanaNirvana
Lendário show no Hollywood Rock completa 20 anos

MetallicaMetallica
As 10 melhores músicas segundo a Loudwire

5000 acessosCapas de álbuns: algumas curiosidades e histórias5000 acessosSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundo5000 acessosGhost: Nergal revelou a identidade de Papa Emeritus II?5000 acessosRush: Geddy Lee comenta a morte de Lemmy5000 acessosNirvana: ninguém notava Dave Grohl, ele era apenas o baterista5000 acessosIron Maiden: Pelotão de Fuzileiros presta homenagem à banda

Sobre Julia Sabbaga

Julia Sabbaga é assistente responsável pela área de marketing e conteúdo do Wikimetal. Formada em Relações Internacionais pela PUC/SP e apaixonada por música em geral. Classic Rock e Punk Rock sempre estiveram no topo das preferências, mas conhecer Heavy Metal tem sido uma grande experiência.

Mais matérias de Julia Sabbaga no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online