Soulfly: novo álbum, futuro do CC e legado do Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar Correções  

Zisis Petkanas do site grego ROCK OVERDOSE conduziu uma entrevista com MAX CAVALERA [SOULFLY, CAVALERA CONSPIRACY, SEPULTURA] recentemente para discutir o novo álbum do Soulfly, "Savages", além dos planos futuros da banda, sua relação com o SEPULTURA e muito mais. Alguns trechos traduzidos do papo podem ser lidos abaixo.

Vinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

Sepultura: Pavarotti gravou uma versão de "Roots Bloody Roots"?

O que os fãs podem esperar desse álbum e como ele é diferente do anterior?

Max: É um pouco diferente. ‘Savages’ é uma combinação. Metade é uma continuação de ‘Enslaved’ com metal extremo, e até Death Metal, e a outra metade é mais tradicional, tipo o Soulfly antigo, mais cadenciado, como o primeiro disco, como ‘Eye For An Eye’, ‘Tribe’, ‘No Hope = No Fear’ e tal. O primeiro single é ‘Bloodshed’. Meu filho Igor canta nessa comigo… eu acho que é um som matador, com uma levada matadora e muito pesada e muito pesada e muito grudenta, estou muito feliz com ela. O álbum tem várias surpresas boas… colaborações muito boas com o CLUTCH, NAPALM DEATH, I DRCLARE WAR. Há uma música cantada em Português e Espanhol chamada "El Comegente", na qual eu e Tony Campos cantamos. No geral, é um disco muito forte, as músicas são longas, de 5,6 minutos, e cheias de solos, tudo do que se trata o heavy metal, um disco clássico de metal. Eu estou muito feliz por ter feito esse disco. Eu queria fazer um disco como esse há muito tempo e agora pude. Terry fez um excelente trabalho na produção, ele é o mestre da produção e foi bom gravar com ele, e estou muito feliz com o álbum. Acho que os fãs vão gostar muito de ‘Savages’. É um disco para os fãs de Soulfly, creio eu.

[...]

Max, sendo você próprio um mestre dos riffs, quem você considera o maior riff master do universo e a maior influência sobre você?

Max: meu favorito é Tony Iommi. Ele criou os melhores riffs do Metal, eu acho. Chuck Schuldiner do DEATH, escreveu grandes riffs. Claro, James Hetfield, o METALLICA antigo era demais. Dino do FEAR FACTORY é muito bom. Eu me considero um cara de riffs. Eu só faço riffs, eu não solo, é o que eu gosto de fazer. Eu gosto de compor riffs. Eu passo horas escrevendo riffs em casa. Eu uso alguns deles nos discos do Soulfly e outros em discos do CAVALERA CONSPIRACY. Pra mim, é um prazer escrever riffs. É divertido. Eu comecei há muito tempo atrás, quando consegui minha guitarra. Éramos eu, a guitarra e um gravador de 4 canais e criávamos música em casa. Foi uma experiência muito boa.

Vamos falar do CAVALERA CONSPIRACY e do NAILBOMB. Há algum plano para essas bandas?

Max: Ano que vem faremos um novo disco com Igor para o CAVALERA CONSPIRACY. É o terceiro álbum, eu acho que vai ser muito forte. Eu quero fazer um disco que seja muito rápido. Quero que Igor toque rápido como em ‘Arise’. [...]

É muito triste que você tenha criado uma grande banda e não seja mais parte dela. Ficamos tão tristes com isso. Eu era um grande fã do SEPULTURA.

Max: Sim, é triste. Eu mesmo, penso nisso às vezes, sobre o porquê de isso ter acontecido, mas por outro lado, algo muito bom aconteceu comigo, o SOULFLY sobrevivendo. A maioria dos músicos que toca em uma banda de sucesso e tenta fazer outra coisa, não funciona, fracassa. O fato de o Soulfy ter sobrevivido e obtido esse sucesso ao redor do mundo e ter muitos fãs fanáticos e os fãs são muito expressivos, eles tem tatuagens do Soulfly e tudo mais, quando eles vem até a mim e me dizem que minha música mudou a vida deles, isso é demais e eu levo isso muito a sério. Quando eles me dizem isso, eu fico pensando que devo ter feito algo certo. Eu acho que o Soulfly é minha salvação, eles me salvaram, porque quando saí do Sepultura, foi o período mais difícil da minha vida, o momento mais duro, eu não sabia o que fazer, parei de tocar música por seis meses, se, m fazer nada. Eu só pensava no que ia fazer com a minha vida. O Soulfly me salvou. O primeiro álbum é um álbum muito forte. Ele me colocou de volta no mapa, reconstruiu a confiança com os fãs novamente, mostrou que eu poderia fazer algo fora do Sepultura, algo poderoso e agora eu tenho nove álbuns com o SOULFY, que é mais do que eu fiz com o Sepultura.

SOULFLY em São Paulo – Serviço:

25/08/2013 – Domingo – São Paulo/SP

Carioca Club – Rua Cardeal Arcoverde, 2899

Abertura da casa: 17h00

Banda de abertura: The Silence.

Ingressos: Pista 1º Lote R$80,00; Camarote 1º Lote R$120,00.

Vendas online:
http://xlivemusic.ingressorock.com.br

Pontos de venda:

Bilheteria do Carioca Club
Consulado do rock – Galeria do rock
Die Hard – Galeria do rock
Loja 255 – Galeria do rock
Metal Cds – Rua: Dona Elisa Flaquer, 168 – Santo André

Informações para imprensa: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Vinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?Vinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

Sepultura: Pavarotti gravou uma versão de Roots Bloody Roots?Sepultura
Pavarotti gravou uma versão de "Roots Bloody Roots"?


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin