Vinil x CD x Digital: "importante é a masterização"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar Correções  

Texto original de Stephen Mejias para o site da revista STEREOPHILE

Michael Lavorgna senta na primeira fileira para ouvir a sessão de Chad Kassem, da Acoustic Sounds
Michael Lavorgna senta na primeira fileira para ouvir a sessão de Chad Kassem, da Acoustic Sounds

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Temos tanta sorte por tudo isso estar acontecendo ao mesmo tempo", disse CHAD KASSEM, do site/loja de gravações de alta qualidade ACOUSTIC SOUNDS.

Na última manhã da Rocky Mountain Audio Fest de 2013, os editores da revista Stereophile, e dos sites AudioStream.com e AnalogPlanet.com reuniram-se na sala de demonstração de Kassem para aprenderem mais sobre seu novo site, dedicado ao download de arquivos no formato DSD e Resolução Super-Alta.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Muitas das festividades do fim de semana foram realçadas pelas discussões em torno de convergência, cooperação, e sincronia. Durante a coletiva de imprensa da Sony, os representantes estavam certos e cautelosos ao sublinhar a importância de apoio ‘de toda a indústria’, não somente no caso do DSD, mas a TODO formato de arquivo. As palavras "e a indústria" tornaram-se um refrão comum a qualquer menção dos planos da Sony para novos produtos, como se a Sony e a indústria fossem uma empresa completamente nova ou uma banda nova que despontasse. "Essa é apenas a primeira leva de produtos a vir da Sony e da indústria…", "A Sony e a indústria farão importantes comunicados nas próximas semanas…", "Tudo faz parte da iniciativa para a alta resolução", e aqui estamos nós, ouvindo sobre isso mais uma vez, com Kassem falando. Atrás dele, o novo player HAP-Z1ES da Sony, brilhando com metadados.

"Isso não se trata apenas do DSD. SACD, DSD, hardware, software, LP… oferecemos tudo."

Claro, Kassem adora o DSD – ele tem mais de uma dúzia de anos em conteúdo DSD esperando para ser peneirado e disponibilizado para compra em seu site – mas, mais importante para ele é a liberdade de escolha e simplicidade de uso.

"A chave para fazer essa coisa decolar é torná-la fácil. Queremos juntar a mais alta qualidade e a facilidade do uso. Os clientes pegam o que quiserem. A única razão pela qual focamos no DSD é porque ninguém mais estava fazendo isso e as pessoas estavam pedindo por isso. Alguns fregueses nos perguntam sobre ‘DSD duplo’. O que eu quero que as pessoas entendam é que a gravação e a masterização são mais importantes do que o formato. Um CD bem masterizado vai soar melhor do que um LP ou um arquivo em alta resolução com masterização porca."

publicidade

Ainda assim, os benefícios do DSD bem utilizado são profundos. Durante a conferência com Kassem, ficamos escutando atentamente. O sistema incluía o supracitado music player da Sony [US$1999], um pré-amp XP-20daPassLabs [US$8600] e amplificadores monobloco de 60W modelo XA60.5 também da PassLabs [US$11000 o par], além de falantes Sony SS-AR2 [US$20000 o par]. O som era maravilhoso. Eu já havia ouvido som bom parecido em outro lugar na RMAF – na sala da MSB/SoundLab, na sala da Sony, na sala da Vivid Luxman, e na sala da Wilson/VTL/dCS/Parasound – mas, aqui, mais do que em qualquer outro lugar, eu me senti transportado pela música.

"Peace In The Valley" foi um milagre, pura e simplesmente. Eu nunca havia me sentido tão próximo de Elvis Presley. Eu me peguei pensando em o quão maravilhoso é o fato de que seres humanos possam obter tamanha beleza – beleza da música, beleza de espírito, beleza da arte e da tecnologia. Isso foi fabuloso. Elvis. A alma de Elvis – sua tristeza, sua alegria, sua paixão e amor – tudo menos o homem, estava nasala conosco. Como conseguimos isso?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Olha, "Peace In The Valley" soa boa nos falantes vagabundos do meu computador. Em DSD, através desse sistema, foi o mais próximo do real que já ouvi. Ouvimos mais. Shelby Lynne, Ben Webster, Ella Fitzgerald, Tony Joe White. Cada um deles estava lá. Eu conseguia imaginar os sutis movimentos dos músicos, o movimentos com propósito, as viradas necessárias e as variações de cada note, acorde, ou fôlego que comunicam o sentimento e tons exatamente certos. Eu me imaginei no palco, tocando minhas próprias músicas, me comunicando através de movimentos, além do som.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O que eu ouvi então foi um grau superior de humanidade na música sendo reproduzida. Foi como computação gráfica elaborada por um perito, mas ao invés de um tigre em um bote, haviam músicos em uma sala. A distância entre realidade e ilusão está diminuindo.

Minhas anotações desleixadas: "Estamos atravessando fronteiras. Assustador, até certo ponto, mas também absolutamente lindo. A força no clímax musical é mágica."

Eu acho que o que é mais impressionante sobre o melhor playback em DSD que eu já ouvi é: há uma suavidade geral e sem esforço, combinada com uma dinâmica maravilhosamente natural e poderosa. Michael Lavorgna disse, a seu modo: geralmente, quando ouvimos música, nós nos preparamos para grandes surtos dinâmicos. Há um pouco de ansiedade envolvido, um pouco de cerrar de punhos ou de apertar a pele. Mas com a melhor reprodução em DSD, só há relaxamento e emoções doces – uma onda de música que fica maior e mais poderosa conforme exigido, mas que nunca se torna mecânico ou artificialmente obtuso.

Todo mundo deveria ouvir isso. Naquela manhã de domingo, todos na sala concordaram. Claro, Chad Kassem quer que você ouça. O site de Super Hirez é feito para ser tão intuitivo e útil quanto possível. Há um glossário de termos ["The Download Lowdown"]; há páginas para "Equipamento Recomendado" e "Software Recomendado", sendo que tudo pode ser comprado direto pelo site; há um guia escrito pelo jornalista David Robinson, do site Positive Feedback Online; há uma história das gravações e reproduções em DSD; e claro, há música.

Kassem vende seus títulos em DSD por US$24.98, um preço incrivelmente justo e muito competitivo.

Quando você clica nos títulos disponíveis em DSD, você acessa uma descrição – não só da música, mas também da gravação e sua proveniência. "A gravação e a masterização são muito importantes," reiterava Kassem. "Queremos dar transparência a você. Quando temos informação, deixaremos ela bem clara". "It Serve You Right to Suffer", de John Lee Hooker, por exemplo, foi masterizado por Kevin Gray, a partir das fitas analógicas originais Quando a Acoustic Sound não conhecer a origem de uma gravação, eles deixarão isso claro também, com uma nota declarando que a informação está sendo pesquisada. Eles acrescentarão a informação tão logo possam.

Atualmente, a Acoustic Sounds tem 126 títulos em DSD. Kassem está trabalhando para obter mais, mas ressalta que vai levar tempo. "Estamos começando com nossos próprios títulos, porque nós os temos e sabemos de onde eles vem." A Acoustic Sounds vai continuar a lançar seu material em SACD. Os discos vão sair cerca de seis meses antes dos downloads em DSD.

Sem dúvida, há um elemento de controle – um desejo de controle – nesse esforço todo,assim como há no NativeDSD.com de Jared Sack, mas minha sensação é que, em ambos os casos, o controle é necessário, antes demais nada, para assegurar qualidade. Até agora, a qualidade é acachapante. O potencial é fabuloso.

"O dia pelo qual estivemos esperando chegou", disse Kassem. "Temos as ferramentas e o equipamento, e estamos fazendo o nosso melhor para obter tanto títulos quanto possamos."

Eu estou animado com isso, esperançoso e confiante de que a Acoustic Sounds, a Sony e a indústria farão isso da maneira certa.

Para saber mais sobre a linha de equipamentos domésticos para reprodução DSD da Sony, clique aqui.

Para saber mais sobre os lançamentos em dowload digital de títulos em DSD, clique aqui.

Para saber como extrair o máximo de seus arquivos digitais, clique aqui.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: A reação de James a famosos usando camisetas da bandaMetallica
A reação de James a famosos usando camisetas da banda

Fotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do SepulturaFotos de Infância
Max e Igor Cavalera, do Sepultura


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Goo336 Goo336 CliHo WhiFin GooInArt Goo336 Cli336 Goo336