89 A Rádio Rock: conheça a intimidade da musa Sukita

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcus Vinicius Magalhães
Enviar correções  |  Ver Acessos

Todos sabem que os garotos que torcem para o Clube Atlético Mineiro são chamados de galo. Sendo assim, como fica conhecida uma menina que torce pelo time mineiro? Ela é o quê? Essa é a pergunta que Débora Medeiros, a Sukita, tem que responder sempre antes de entrar no ar pelo programa Quem Não Faz Toma, na 89fm A Rádio Rock.

Roqueiros conservadores: a direita do rock na revista VejaTeoria da Conspiração: Slipknot troca membros em shows ao vivo?

"É atleticana", responde a jovem locutora natural de Pará de Minas, cidade mineira que fica a 73km de Belo Horizonte.

Apaixonada por rádio, Debynha, como gosta de ser chamada, já dava sinais, desde cedo, de que escolheria a locução como objetivo profissional. "Eu sempre gostei de rádio. Quando tinha nove anos, ganhei meu primeiro rádio de pilha. Depois, eu pegava o gravador da minha mãe e gravava minha voz, fazia uma vinheta e depois editava na fita cassete", disse ela.

Sabendo das dificuldades em conseguir trabalhar em um grande veículo de comunicação morando em uma cidade interiorana, ela, então, decidiu vir para São Paulo. "Meu pai sempre vinha para São Paulo a negócios e, quando fiz 16 anos, resolvi vir com ele. Eu conheci a Jovem Pan e foi sensacional entrar em uma emissora de rádio. Quando eu vi como funcionava o programa Pânico, já tinha em mente que eu queria isso para minha vida. Foi difícil convencer minha família a largar tudo em Pará de Minas, mas eles acabaram me apoiando, pois sabiam que eu estava atrás do meu sonho: morar em São Paulo e trabalhar em uma rádio", conta a jovem.

Estudante do curso de Rádio e TV pela Universidade Anhembi Morumbi, Sukita chegou à Rádio Rock em 2013. Antes disso, teve uma breve passagem pela Rádio Jovem Pan, quando participou do programa Pânico. A mineira, de 22 anos, logo chamou a atenção do locutor Tatola, que não demorou em dar uma primeira oportunidade para a jovem estagiária. "O Tatola é um grande colega de trabalho e um cara que eu admiro muito. Considero ele um amigo e um professor, além de tudo. Ele me ensinou e me ensina muita coisa todos os dias", explica ela.

Com seu 1m53cm de altura e 43 quilos, Sukita não demoraria muito para chamar a atenção dos rapazes do Quem Não Faz Toma, programa de maior audiência da Rádio Rock. Apesar disso, se engana quem pensa que a jovem locutora se intimida em trabalhar ao lado do Tatola, Dennys, Angelo e Ricardinho, esses que não têm pudor algum em fazer brincadeiras machistas ao lado da solitária moça. "Sempre levei na brincadeira, pois sou bem humorada. Um programa com quatro homens não é fácil de aguentar todos os dias (risos). Mas é uma experiência única, eu gosto muito e me divirto muito com eles", afirma.

Sendo a única mulher do humorístico, Sukita acaba virando o principal alvo de brincadeiras dos apresentadores. Com seu perfil no Facebook "divulgado" diariamente pelo rapazes, a jovem teve que saber lidar com sua popularidade entre os ouvintes, que começaram a procurá-la na rede social. "Isso me pegou de surpresa, pois, quando o Tatola falou meu Facebook no ar, muita gente me adicionou. Recebo muitas mensagens legais e pouquíssima rejeição, pois eu esperava maior rejeição (risos), já que a gente não consegue agradar todo mundo. Mas, foi uma aprovação incrível que eu não esperava receber. Tem alguns meninos que dão em cima de mim, mas confesso que alguns deles até que são interessantes (risos). Eu sei lidar com todo mundo, além de conversar e adicionar as pessoas, mesmo elas reclamando que não são aceitas no meu perfil", disse com bom humor.

Perguntada sobre os boatos de que teria se relacionado com alguém da rádio para conseguir seu espaço, Sukita tratou de explicar que sua relação com todos nunca foi além do profissional. "A gente vive num país tão machista e acontecem muitos desses comentários de achar que a pessoa só está na mídia porque 'pegou' fulano ou teve um caso com alguém importante. Nunca tive relação com nenhum dos quatro meninos. Respeito todos eles e me respeitam também. Eu estou ali por competência e afinidade com eles", disse com um tom mais sério.

Apesar do reconhecimento que está conquistando na rádio, Sukita mantém os pés no chão sobre seu futuro profissional, mas garante que sempre continuará trabalhando para crescer ainda mais como comunicadora. "Quando a gente gosta do que faz e se dá bem com a profissão, não tem nada que te impeça. O céu é o limite. O que eu queria é tudo isso que está acontecendo comigo atualmente, que é trabalhar em uma rádio e em São Paulo, que, por sinal, é uma cidade que eu gosto muito. Eu já cheguei a achar que era quase impossível eu estar aqui, porém, em nenhum momento deixei de acreditar no meu sonho. Me sinto realizada", concluiu.

O programa Quem Não Faz Toma vai ao ar de segunda a sexta, às 19h, pela 89fm em São Paulo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Notícias

Roqueiros conservadores: a direita do rock na revista VejaRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

Teoria da Conspiração: Slipknot troca membros em shows ao vivo?Teoria da Conspiração
Slipknot troca membros em shows ao vivo?

Iron Maiden: o pior momento de Bruce Dickinson no palcoIron Maiden
O pior momento de Bruce Dickinson no palco

Paixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicosPaixão nacional
O futebol e os roqueiros britânicos

Separados no nascimento: sou só eu, ou eles são parecidos?Separados no nascimento
Sou só eu, ou eles são parecidos?

Keith Richards: uma foto por ano, de 1963 a 2015Keith Richards
Uma foto por ano, de 1963 a 2015

Ace Frehley: não sabia se Vinnie viria de calças ou de vestidoAce Frehley
"não sabia se Vinnie viria de calças ou de vestido"


Sobre Marcus Vinicius Magalhães

Marcus Vinicius Magalhães: jornalista formado pela FIAM, com especialização em Políticas Públicas Sociais pela USP, foi redator, repórter e colunista nas redações da Band, Rede Record, Editora Abril, Climatempo Meteorologia, Rede Internacional de Televisão, Portal Terceiro Tempo e Editora Moderna. Pela música, tenta, desde criança, ser guitarrista, violonista e baterista. Além de já ter se apresentado em grandes rock bares de São Paulo com seu cover Symphony Maiden, atua como assessor de imprensa do grupo de rock nacional Marques Geraldo. Atualmente Marcus é o jornalista responsável pela área de comunicação da EMESP Tom Jobim (Escola de Música do Estado de São Paulo). Entre em contato com o jornalista no blog www.jornalistamarcusvini.com.

Mais matérias de Marcus Vinicius Magalhães no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336