Geoff Tate: "a música é um playground em certo sentido"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Don de Leaumont, do The Great Shouthern Brainfart, divulgou uma nova entrevista com o vocalista Geoff Tate (do QUEENSRYCHE). Um trecho desta conversa está disponível abaixo:

Humor: os dez maiores picaretas da música internacionalA História Impopular dos Rolling Stones

"O que fez você ser um músico em primeiro lugar?

"Eu ouvia música [risos]. Eu descobri que era algo que emanava inspiração e emoções para mim, e quanto mais eu aprendi sobre isso, mais eu fiquei enamorado com o ato de criar música e como você podia completamente se perder em sua imaginação e se rodear com esse som que você criou, e você podia manipulá-lo para carregar a mensagem daquilo que você está pensando. A música é um playground, em certo sentido, e você pode criar esses diferentes locais para você ir e para as outras pessoas também."

O último álbum do QUEENSRYCHE, "Frequency Unknown", acabou sendo um bom motivo de conversa. Existiu até mesmo o concurso há não muito tempo, onde você recebeu vídeo das pessoas sobre seus pensamentos no álbum. Como foi olhar as pessoas se fazendo de bobas? Foi uma psicologia reversa por lá?


"[risos] Bem, eu acho que essa é uma observação realmente astuta de sua parte, e eu acho que os vídeos falam por si mesmos. Não há muito o que dizer além disso [risos]"

Você lançou seu segundo álbum solo, Kings And Thieves, em 2012. Eu acho que foi um grande álbum e uma separação do som do QUEENSRYCHE. Você gostou de fazer turnês com esse disco?

"Foi ótimo. Tivemos shows incríveis. Eu amo fazer turnês, eu amo tocar músicas ao vivo. Eu acho que é uma das melhores coisas sobre ser um músico é poder fazer isso. Foi realmente bom para mim, poder tocar meu material solo ao vivo. Nunca consegui fazer isso com frequência, porque sempre estive focado no QUEENSRYCHE, e estive devotando a maioria de meu tempo, meus pensamentos e minha vida a isso. Fazer isto foi como dar um passo para trás e respirar ar fresco e tentar uma abordagem diferente para as coisas que eu realmente gosto. Eu adoro tocar esse material."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Queensryche"


USA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUAUSA Today
As 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA

Top 10: Álbuns conceituaisTop 10
Álbuns conceituais

Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo


Humor: os dez maiores picaretas da música internacionalHumor
Os dez maiores picaretas da música internacional

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

Kid Vinil: Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!Kid Vinil
"Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"

Kiko Loureiro: ele intimidou Chris Adler quando mostrou CD soloKiko Loureiro
Ele intimidou Chris Adler quando mostrou CD solo

Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o SepulturaMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Cradle Of Filth: críticas a St. Anger e Death Magnetic, do MetallicaCradle Of Filth
Críticas a St. Anger e Death Magnetic, do Metallica

Mais true que o original: Gangnam Style em versão MetalMais true que o original
Gangnam Style em versão Metal


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336