Matérias Mais Lidas

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemRitchie Blackmore em 1978 sobre o Kiss, Fleetwood Mac, Yardbirds e Led Zeppelin

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1984 é um ano vital para o metal

imagemBob Dylan explica a diferença entre suas composições e as de Paul McCartney

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemCadáveres, sangue e girombas: a história da capa de "Reign In Blood", do Slayer

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1988 é um ano inesquecível

imagemCinco curiosidades sobre "The Sick, The Dying... And The Dead!", do Megadeth

imagemKiss: Tommy Thayer responde se Gene Simmons e Paul Stanley se dão bem

imagemEric Clapton comenta a lenda do pacto com o diabo feito por Robert Johnson

imagemSteve Vai relembra um show "horrível" que ele fez com Frank Zappa

imagemQuantos discos o Guns N' Roses vendeu no Brasil e no mundo? Veja os números

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2


Obituary: "Amamos nossos fãs, eles são foda!"

Por Durr Campos
Fonte: Texto próprio
Em 11/04/14

Quando o Xecutioner foi formado há 30 anos nem todos poderiam prever que anos depois estariam frente a um dos nomes mais influentes do death metal mundial. Formada em Seffner, Flórida, lançaram demos históricas entre 1985 e 1987, sendo que neste mesmo ano debutaram em vinil com duas canções de arrancar os olhos da cara: "Find The Arise" e "Like The Dead". Estou falando da cultuada coletânea Raging Death editada pela Godly Records, a qual ainda trazia faixas de Sadus, Lethal Presence, Betrayal, R.A.V.A.G.E. e próprio Xecutioner. Não demorou a assinarem contrato para seu primeiro álbum, o clássico "Slowly We Rot" (1989), seguido do meu favorito deles, o essencial e fabuloso "Cause of Death" (1990) e então "The End Complete" (1992), fechando a tríade mais importante de sua carreira. O OBITUARY virá ao Brasil neste mês justamente para celebrar os agora mencionados registros. Sobre isso e muitos mais conversamos com o baterista Donald Tardy. Acompanhe.

Fotos: divulgação

Dois anos se passaram desde que o OBITUARY veio ao Brasil para três apresentações. Você ainda se lembra daquelas noites? Como você compararia o público brasileiro em relação ao de outros países sul-americanos e lá nos EUA?

Donald Tardy – Sim, lembro-me muito bem. Divertimos-nos muito no Brasil da última vez que visitamos o país e estamos muito empolgados por esta nova ida aí. Amamos as pessoas, a comida e, lógico, os shows. Os fãs brasileiros são bem ligados na música e especialmente na percussão. Acho que por isso a galera pira conosco ao vivo, porque temos um groove que atrai vocês justamente pelo ritmo natural dos brasileiros.

Da última vez vocês tocaram em São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte, mas agora irão se apresentar também em duas cidades em que jamais estiveram antes, Salvador e Olinda, ambas no nordeste, locais que não recebem a mesma quantidade de shows internacionais se comparadas à capital paulista. Você já recebeu algum feedback dos produtores locais?

Donald – Não conhecemos as cidades mencionadas, mas estamos realmente empolgados para conhecer nossos fãs nordestinos. Vamos tocar as canções favoritas deles!

O nome da turnê é "Classic Set-List Take Over" o que naturalmente sugere um show repleto de clássicos no Obituary. Poderia nos contar um pouco como esta ideia surgiu? Quer dizer, a razão única foi celebrar os 25 anos de banda ou há algo mais envolvido?

Donald - O set clássico vai rolar, cara. Tocaremos músicas apenas dos três primeiros álbuns, quer dizer, tudo o que os garotos e garotas vem ouvindo ao longo desse um quarto de século conosco.

Os três álbuns em questão são "Slowly We Rot" (1989), "Cause of Death" (1990) e "The End Complete" (1992), os quais ainda são os favoritos de boa parte dos seus fãs ao redor do mundo. Com base em sua resposta anterior vejo que o public vai sentir-se em casa.

Donald – Você pode dizer isso sim. Está correto!

Sabemos que vocês estão gravando um novo trabalho de estúdio. Como ele soa? Se possível nos adiante alguns títulos de faixas, o nome do álbum, etc.

Donald – Estamos gravando neste exato momento, então se eu te adiantar alguns nomes teríamos que matá-lo (risos). Brincadeira, mas posso adiantar que ele irá soar muito bem. Temos produzido ele sozinhos no Redeneck Studio e tudo nos agrada nele, portanto não vemos a hora dos nossos fãs colocarem suas mãos e ouvidos no material. Deverá ser lançado em julho ou agosto.

O Celtic Frost sempre foi uma grande influência para a banda no passado. Ainda são? Sempre tive uma curiosidade em saber se vocês também curtem Hellhammer e os projetos posteriores do Tom Gabriel, Apollyon Sun e Triptykon.

Donald – O Hellhammer começou tudo! Praticamente tudo o que o Tom Warrior faz eu amo e pode crer que nos influencia até hoje. Pirei no último do Triptykon!

Eu me lembro da foto do grupo na parte de trás no álbum "Cause of Death" e você trajava uma camiseta do "Beneath The Remains" do Sepultura. Todos sabemos do respeito que ambas as bandas nutrem uma pela outra, mas minha pergunta é: Já escutou os trabalhos sem Max Cavalera? O que achou?

Donald – Eu ouvi sim e em minha opinião estão soando matadores! Os caras do Sepultura são velhos amigos nossos e adoramos encontra-los para curtir e tomar umas biritas, mas nem sempre é possível pelas nossas loucas agendas. De repente conseguiremos reunir para uma tour conjunta novamente. Acha que os fãs iriam gostar disso?

Tenho certeza de iriam adorar! Mudando de assunto, vamos falar sobre Kenny Andrews. Ele costumava tocar baixo ao vivo para o Obituary em 2010 quando Ralph Santolla ainda fazia parte do line-up. Quando e como veio a ideia de tê-lo nas seis cordas? Quer dizer, sabemos que são amigos de longa data e tal, mas confesso nunca ter ouvido falar dele daí minha curiosidade sobre o currículo do cara. Ele estará no próximo disco?

Donald – Ken estará definitivamente em nosso novo álbum assim como Terry Butler no baixo. Aqueles dois são as últimas peças das quais precisávamos em nosso quebra-cabeça e completar a força motriz desta banda. Estou tão empolgado sobre o futuro ao lado dessa dupla, bicho. Eles são tão profissionais, mas ao mesmo tempo pessoas excelentes para se conviver. Além do mais amam tocar e cair na estrada. Podemos dizer que temos uma banda totalmente "tricotada" agora. Somos uma família, sem mais.

Já faz um tempo que "Darkest Day" foi lançado e penso ser possível vocês mensurarem os prós e contras trazidos por ele. Vendeu bem? Como foi a turnê de promoção?

Donald – Os álbuns já não vendem mais como antigamente, você sabe, desde que a Internet apareceu. Temos consciência disso, tudo bem, não vamos ficar choramingando pelos cantos. O futuro é bastante promissor para o Obituary e não iremos jamais abrir mão de gravar e lançar álbuns aos fãs que ainda se interessam em comprar na forma física. Amamos esses caras. Vocês são foda!

Donald, se eu me esqueci de mencionar algo fique a vontade para acrescentar. Muito obrigado pelo papo.

Donald – Nosso site oficial http:// www.obituary.cc está em processo de manutenção e logo estará repleto de material bem legal e interessante aos fãs, então fiquem sempre atentos por lá. Novo merchandising e News sempre atualizados, já que estamos na estrada e queremos ver nossos fãs felizes e bem informados. Queremos agradecer aos apreciadores de nossa música pelo apoio nesses 30 anos (nota do redator: Se contarmos com o Xecutioner, banda pré-Obituary formada em 1984). Não vemos a hora de ver todo mundo aí. O novo álbum estará nas mãos de vocês em julho ou agosto, fiquem de olho!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Death metal: os 10 melhores álbuns lançados nos anos 1980, em lista do Ruthless Metal


Câncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos.