Behemoth: Nergal e sua relação com as mulheres

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruce William, Fonte: Metal Sucks
Enviar Correções  

Seguem abaixo trechos de "Confessions of a Heretic", a autobiografia de Adam "Nergal" Darski, onde o frontman do Behemoth fala sobre questões envolvendo o sexo oposto.

publicidade

Há algo que lhe aterroriza sobre o sexo oposto?

Nergal: O lado oculto das mulheres. Você encontra alguém e se sente atraído, e de repente se vê numa situação extrema, descobre o quão puta ela pode ser. Nada indicava aquilo. Ela é um oásis de paz, ama crianças e animais. Vocês tem empatia... e de repente ela explode, se transforma numa pessoa má e vingativa. Já passei por algumas situações assim.

publicidade

Como você lida com estas situações?

Nergal: Procuro apoio e compreensão de meus amigos. Acho que é o que todos fazem. Às vezes me dizem algo interessante. Anos atrás, quando uma de minhas relações estava chegando ao fim, eu estava excursionando pelos EUA e fui a um bar na Florida com David Vincent do Morbid Angel. Ao invés de relaxar e curtir a noite, eu fiquei o tempo todo nervoso ao telefone falando com a garota, que tinha problemas pessoais e eu tentava mantê-la de bom humor. Quanto mais eu tentava, mais ela me ofendia. Tudo estava indo para o lado errado. Vincent, notando que eu estava puto, olhou pra mim e disse 'Você está tenso, acalme-se. Se o motivo for mulher, tenha dignidade como um homem deve ter. E lembre-se: há milhares de mulheres no mundo'. Anos mais tarde nos reencontramos em Frankfurt e ele me perguntou se eu me lembrava do que ele tinha dito naquela noite. Eu apenas sorri".

publicidade

(...)Quando uma mulher é superficial e não tem nada a oferecer a não ser seu corpo, imediatamente mantenho-a à distância. Não consigo disfarçar. Alguns caras, quando querem uma garota, aceitam qualquer situação. Quando penso em fazer isto apenas para ter um buraco onde enfiar meu pau no fim das contas eu fico constrangido. Sei disso pois já tentei agir assim. Às vezes percebo inclusive quando está acontecendo, até mesmo durante o ato em si eu me pego pensando por qual motivo estou fazendo isto. É a mesma coisa com comida. Uma ou duas vezes por mês como algum trash food. A primeira mordida é legal, mas depois de um tempo aquela coisa se torna enjoativa na minha boca, e me vêm à mente que estou colocando lixo no estômago. Com as mulheres é a mesma coisa. Acontecem eventualmente algumas situações eróticas onde minha mente fica dizendo 'Termine logo, saia fora!'. Quero rapidamente ir embora pra casa ou ir tomar cerveja e trocar ideia com um amigo.

publicidade

Há garotas que conseguem fazer você ficar corado?

Nergal: Na Tailândia estávamos em um bar e lá pelas duas da manhã me ofereceram uma massagem. Fiquei viciado nisto quando estive anteriormente por lá, e não tinha nada de erótico, então arrumei um cômodo e fui pra lá. Eu estava apenas de cuecas mas a massagista me disse pra tirar tudo. Fiquei surpreso mas ela insistiu. Não me fiz de rogado, concordei, não sou tímido, tirei e me deitei. Ela começou a me massagear. Ela esbarrou em meu pênis, como se por acidente. Inicialmente achei que não tinha nada de erótico, me sentia como se estivesse no médico. Pouco depois ela repetiu e sorriu. Eu não sabia o que pensar ou dizer. Na terceira vez não tive mais dúvidas: ela agarrou meu pau e perguntou com um forte sotaque asiático, 'massaaaagem?' Fiquei envergonhado mas no fim das contas perguntei quanto era. Fechei meus olhos e algum tempo depois tudo tinha finalizado. Mas me senti violado. Alguns vão para a Tailândia apenas para isto. Não eu. Gosto de lá por ser um país belíssimo, algo como um conto de fadas. Estive lá duas vezes, mas isto que relatei só aconteceu uma única vez, talvez por eu não frequentar puteiros.

publicidade



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treinoMetal
16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino

Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal


Sobre Bruce William

Bruce William pensava em ser um motoqueiro rebelde mas descobriu que é um Wieder Blutbad nerd apaixonado por uma Fuchsbau. Avy jorrāelan, CatW!

Mais matérias de Bruce William no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin