Deen Castronovo: a prisão por drogas salvou sua vida

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Classic Rock, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Matéria de 02/11/15. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

O baterista do JOURNEY, Deen Castronovo, prometeu permanecer sóbrio após a violência influenciada por drogas que o levou para a prisão em junho - e admitiu que provavelmente estaria morto se sua então noiva não tivesse chamado a polícia.

5000 acessosEntrevistas: Coices e tretas entre artista e entrevistador5000 acessosRock Pesado: 10 Famosos que amam o gênero e você nunca imaginaria

Ele foi preso após um incidente em Oregon e no mês passado foi sentenciado a quatro anos de liberdade condicional por coerção, uso de armas, agressão e ameaças.

E sugeriu que um retorno à banda não está em seus planos para o futuro:

"Qualquer um que presenciou esses eventos, permanece crédulo que meu comportamento abrasivo originou-se do fato de que eu estava em uma psicose induzida por drogas na época do acontecido. Em outros casos eu sou um cara calmo que adora ser um pai e um músico."

"Após minha acusação em junho, eu completei um programa de tratamento de 75 dias no centro de tratamento de drogas mais completo de Oregon. Eu rapidamente percebi o quão difícil a situação tinha se tornado. Eu prometi a mim mesmo e à minha família não somente permanecer sóbrio, mas para dedicar um tempo para contar minha história, falar de promover a sobriedade, ser um bom exemplo para meus filhos e advogar os direitos e assistência à vítimas de violência doméstica."

"Espero que contando essa minha história eu possa ajudar a prevenir outros de cometerem os mesmos erros que eu cometi."

Ele também afirma que os termos de sua condicional incluem aconselhamento sobre violência doméstica e abuso de drogas e adiciona: "Na sentença eu me desculpei a minha ex-noiva, Deidra, e à sua família por toda dor que causei."

"Eu sei que Deidra não tem culpa de meu comportamento ou as consequências que sofri por causa disso. Novamente, quero pedir desculpas a Deidra, sua família, minha família, meus companheiros de bandas no JOURNEY e aos fãs do JOURNEY. Sinto muito se desapontei todos vocês."

"Eu estive no meu pior - estou dando passos necessários para garantir que isso nunca aconteça de novo."

Castronovo continua: "Por mais que isso possa ter sido devastador para mim, foi mais devastador para Deidra e nossos filhos. Se ela não tivesse chamado a polícia, eu provavelmente estaria morto."

"Vou me focar em minha família, achar minha própria felicidade na sobriedade e em ajudar outros que possam estar nesse errôneo caminho a evitar sua destruição."

Sem mencionar sua carreira musical, ele concluiu: "Por enquanto, vou levar um dia de cada vez e descobrir o novo caminho que Deus planejou para mim."

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net



AORAOR
Dez álbuns essenciais dos anos noventa

JourneyJourney
Steve Perry: "O solo de Schon foi o começo do fim!"

Blend GuitarBlend Guitar
Os dez álbuns de Rock mais vendidos nos EUA

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Journey"


EntrevistasEntrevistas
Coices e tretas entre entrevistador e artista

Rock PesadoRock Pesado
10 Famosos que amam o gênero e você nunca imaginaria

Capas de álbunsCapas de álbuns
A história das artes de alguns dos maiores clássicos

5000 acessosSlash: o que ele pensou quando ouviu o "Chinese Democracy"5000 acessosShows no Brasil: mercado inflacionado começa a sentir o baque?5000 acessosSílvio Santos: "The Number Of The Beast" em ritmo de festa4720 acessosVinny Appice: "Dio era como um pai para mim"4132 acessosBaixo e bateria: a história dos grooves em vídeo de 17 minutos5000 acessosIron Maiden: banda já considerou fazer show com orquestra? Bruce responde

Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.