Lobão: música de teor político desgasta a obra e fica datada

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruce William, Fonte: Rock em Geral
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em entrevista ao Rock em Geral, Lobão fala sobre seu novo disco, "O Rigor e a Misericórdia", viabilizado via crowdfunding, onde ele gravou todos os instrumentos e se diz inspirado pelas bandas clássicas de rock dos anos setenta. Confira a interessante e longa matéria no link a seguir e mais abaixo alguns pequenos trechos:

Leda Nagle: Com a palavra Lobão! Fortes Palavras!Europe: toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

http://www.rockemgeral.com.br/2015/12/22/a-hora-do-lobo/

"O Rigor e a Misericórdia" - o disco - tem um tom épico desde as músicas propriamente ditas até no jeito de você cantar. Era essa proposta desde o início?

Lobão: Sim! É um disco épico. Como afirmei no livro "Em Busca do Rigor e da Misericórdia": é o trabalho da minha vida e essa dramaticidade toda se refletiu inteiramente no resultado do trabalho. O disco tem um tom de libertação de ascese, de eternidade, de ligação profunda com o universo, de independência total e absoluta, de devolução cultural enquanto conceito artístico e, inevitavelmente, de um certo escárnio com aqueles que se arvoraram a me taxar de ex-músico, falido, decadente, etc.

O discurso político não é o tema em todas as músicas. O que mais te inspirou nessas novas canções? Aliás, quando elas foram compostas? Você foi gravando aos poucos e teve um período definido, mais recente?

Lobão: Eu me disciplinei muito quanto ao fator proporção. Música de teor político desgasta muito a obra e condena o material a datação inevitável. Por isso mesmo tentei abstrair ao máximo minhas "queixas" para que desse uma amplitude de vida sem risco de datamento para o disco. O que mais me inspirou foi toda a pressão que assolou a minha vida, o meu dia a dia nesse período. Foi uma espécie de compromisso comigo mesmo de transformar em beleza e potência toda a merda que estava passando. Uma devolução cultural e uma declaração explícita que nada poderá me reduzir ao diapasão da mediocridade reinante. Tudo para mim enquanto artista é combustível para a celebração da maravilha que é ser um parque de diversões de si mesmo. Nada pode me fazer tão livre: "O renegado assume as asas que aspirou e grita: aleluia!".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Lobão"


Leda Nagle: Com a palavra Lobão! Fortes Palavras!

Lobão: Titãs é uma bandinha chechelentaLobão
Titãs é uma "bandinha chechelenta"

Lobão: ex-parceiro diz que ele vive decadência patéticaLobão
Ex-parceiro diz que ele vive "decadência patética"


Europe: toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl RoseEurope
Toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose

Massacration: saiba quem é o baterista que tocava de verdadeMassacration
Saiba quem é o baterista que tocava "de verdade"


Sobre Bruce William

Bruce William pensava em ser um motoqueiro rebelde mas descobriu que é um Wieder Blutbad nerd apaixonado por uma Fuchsbau. Avy jorrāelan, CatW!

Mais matérias de Bruce William no Whiplash.Net.

adGoo336