Guns N' Roses: Alguém no Brasil tem bala na agulha para bancar a banda?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

O jornalista estadunidense Roy Waddell afirma em um artigo postado no site estadunidense da edição original da Billboard que o cachê pedido pela nova formação do GUNS N’ ROSES para a vindoura turnê pelos EUA é de 3 milhões de dólares [pouco mais de 12 milhões de reais, pelo câmbio de hoje].

4964 acessosGuns: em vídeo legendado, crianças reagem ao som da banda5000 acessosRock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?

É uma soma bastante vultosa, e até mesmo ousada – não que ela inviabilize retorno comercial. A turnê de volta do THE POLICE entre 2007 e 2008 amealhou 362 milhões de dólares com 151 shows [média de 2,3 milhões por show]. O problema é que desde 2001 há uma banda no mercado excursionando com o nome GUNS N’ ROSES, e não se engane: 95% do público que vai aos shows de qualquer banda conhece UM integrante dela, quando muito 2. Quando se fala de GN’R, conta-se em dúzias quem vai ou deixa de ir a um show porque DUFF MCKAGAN está na banda ou não – a imagem do grupo está, justa e irremediavelmente, associada a seu frontman, W. AXL ROSE.

Ainda assim, as perspectivas mercantis de uma ‘reunião’ da formação mais célebre do grupo inspiram reações diferentes entre os produtores de shows. Seth Hurwitz, da área de Washington, diz: “Pode ser um baita gol de placa. E pode não ser nada disso. Eu prefiro não apostar em tais jogos, particularmente.”

Já o veterano DOC MCGHEE – que chegou a ser empresário do GN’R por um breve período de tempo em 2010 – banca: “Se for conduzido do jeito certo, deve gerar muito dinheiro. Se eles se controlarem e subirem lá para matar, eu acho que todo mundo vai sair de casa para vê-los. Senão, vai ser difícil vender o show.” Não obstante, McGhee não crê que as encarnações do grupo lideradas por Rose ao longo dos últimos 15 anos tenham diminuído o impacto da marca. Ele cita exemplos como o AEROSMITH e FLEETWOOD MAC, que excursionaram com formações incompletas e ainda fizeram muito mais dinheiro quando formações clássicas se reestabeleceram. “O Led Zeppelin era maior do que quando Jimmy Page e Robert Plant excursionaram juntos. A soma é maior do que os elementos.”

O promotor DANNY ZELISKO, da cidade de Phoenix, acrescenta: “Eu acho que se eles tocarem nos lugares certos, sem abusarem nos preços dos ingressos, eles se darão muito bem. Com certeza há demanda pela banda com Slash e Axl reunidos.”

A LIVE NATION e a AEG LIVE – gigantes do entretenimento que teriam bala na agulha para bancar uma turnê do GN’R por estádios nos EUA – querem abraçar a empreitada. Os riscos não são pequenos, mesmo com o peso de chamariz que a banda tem. Os custos de produção giram em torno de US$1.6 milhões – fora a banda e uma taxa média de cinco a sete por cento. Com essas despesas, seria necessária uma bilheteria de US$ 4.8 milhões a CADA SHOW apenas para não tomar prejuízo, e se o produtor local quiser lucrar com a apresentação, essa soma sobe para $5.1-$5.2 milhões.

Isso LÁ FORA já geraria um ingresso de US$250 [1000 reais] para lotar uma arena de 9-10 mil pessoas. Em um estádio, o ingresso sairia por ‘apenas’ 100 dólares o mais barato, se 50 mil bilhetes forem vendidos [leia de novo: VENDIDOS, não dados como cortesia, sorteados, etc].

Isso LÁ FORA.

Vamos falar do Brasil, onde o dólar vale hoje mais de 4 reais, alguns pragmáticos afirmam que ele chega logo a 4,50, e os pessimistas o condenam a 5. Os otimistas acham que o PT cai logo e a cotação pode esfriar para 3.50. Mas vamos falar de hoje.

Os custos de se produzir um show desse tamanho no país são, por motivos óbvios de logística, consideravelmente maiores. Lidemos que o mesmo custo se aplique aqui: 5.2 milhões de dólares, 21 milhões de reais. Se o nome colocar 60 mil pessoas em cada show, o preço médio de um ingresso ficaria em torno de 350. Lembremos que um nome que nunca havia tocado antes no Brasil [o que agrega em MUITO à força de venda], DAVID GILMOUR – em período de férias escolares – colocou 40 mil pessoas em um estádio aqui faz um mês. Se a perspectiva com a qual o produtor local for para o mesmo montante de pessoas, o valor médio do ingresso sobre para 525 reais. No fim das contas, a magnitude de um recital desse porte deve – estamos apenas especulando aqui, ok? – acabar caindo nas mãos de ROBERTO MEDINA e ARTPLAN para 2017, e todo mundo sabe o que isso significa [diluir um cachê desses em um festival abarrotado de patrocinadores, 80 mil pagantes por noite, e direitos de transmissão para vários países fica beeeem mais em conta].

Diferente de boatarias publicadas internet afora, não há NENHUM show do Guns N’ Roses na América do Sul sendo negociado ou previsto.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Guns N RosesGuns N' Roses
Em vídeo legendado, crianças reagem ao som da banda

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

Guns N RosesGuns N' Roses
Slash tocava riff do "Chinese Democracy" em 1988?

Guns N RosesGuns N' Roses
Banda caipira toca Paradise City no meio da rua

Myles KennedyMyles Kennedy
Como conciliar o Alter Bridge com a banda de Slash

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 14 de janeiro de 2016
Post de 11 de fevereiro de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"

Rock e MetalRock e Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Rock In Rio 2017Rock In Rio 2017
Ausência do "Dia do Metal" é compreensível

SlayerSlayer
O que acontece quando tentam tocar com um violão?

5000 acessosRock Stars: como se pareceriam alguns se não tivessem morrido5000 acessosMetallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década passada5000 acessosJoão Gordo: "Nunca mais vão nos deixar pisar no palco do RIR"5000 acessosHumor involuntário: as resenhas de discos da Rock Brigade na década de 805000 acessosFotos de Infância: Avril Lavigne5000 acessosKiss: alguns dos músicos secretos da banda - 1ª parte

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online