Tom Morello: fã de Mötley e AC/DC, apesar de letras misóginas e demoníacas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Hard Drive Radio/Blabbermouth
Enviar Correções  

O guitarrista Tom Morello (Prophets Of Rage, ex-Rage Against The Machine e Audioslave) falou sobre seus ídolos na música em entrevista à Hard Drive Radio, transcrita pelo Blabbermouth. Ele afirmou que já foi fã de Mötley Crüe e AC/DC, apesar de considerar as letras "misóginas por um lado" e "quase adoradoras do demônio por outro". Além disso, o músico comentou sobre o posicionamento político de alguns grandes nomes da música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Sou fã da música de Ted Nugent e Kid Rock e gosto de ambos como pessoas, os considero amigos. Há pessoas com as quais eu talvez não concorde, mas são pessoas boas, decentes e das quais me orgulho de ter amizade. Não há teste decisivo - e certamente não houve no Rage Against The Machine, nem há no Prophets Of Rage. Você não precisa concordar com a mensagem para curtir. Há lugar para você na plateia", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Morello conta que, todos os dias, alguém chega a ele e diz que foi atraído por seu som pelo tom agressivo, poderoso e raivoso - normalmente, referem-se ao Rage Against The Machine - e pela exposição de ideias até então desconhecidas por essas pessoas. "Pessoas que se tornam professores universitários, advogados que defendem moradores de rua ou anti-fascistas que atiram tijolos, em parte por algumas ideias que não existem na cultura mainstream e que foram introduzidas graças a uma banda que detonava", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ao citar que as pessoas podem gostar do som sem concordar com as ideias expressadas, Tom Morello citou os casos de Noam Chomsky, Mötley Crüe e AC/DC. "Amo Noam Chomsky, mas não quero fazer mosh com ele. Você deve gravar discos f*das, fazer shows f*das e parte da plateia pode responder ao conteúdo das letras ou à ideologia da banda. Fui grande fã do Mötley Crüe e AC/DC, e o conteúdo das letras era super misógino por um lado, e uma espécie de quase-adoração-diabólica por outro. E eu não passei a odiar mulheres ou adorar o demônio, embora tenha amado essas bandas", disse.

As afirmações de Tom Morello foram feitas nos vídeos a seguir (em inglês e sem legendas).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Comente: "Você não precisa concordar com a mensagem para curtir", disse Tom Morello. Qual a sua opinião sobre isso?




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bateristas: Os 30 melhores de todos os temposBateristas
Os 30 melhores de todos os tempos

Sign of the horns: o sinal do DemônioSign of the horns
O sinal do Demônio


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Cli336 Goo336 Goo336 CliHo Goo336 GooInArt