Tony Martin: O que o deixa com raiva na indústria musical?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá
Enviar correções  |  Ver Acessos


Tarja Virmakari, do Metal Shock Finland, entrevistou em 2011 o ex-vocalista do BLACK SABBATH Tony Martin.

Dio: ele e Ozzy não eram grandes amigos, mas se respeitavam muito, diz Wendy DioMetallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Metal Shock Finland: Tony, você tem 45 anos de experiência no music business, e ainda tem aquela chama acesa dentro de você. Diga-me, qual seu segredo para mantê-la viva?

Tony Martin: Eu sou músico desde os sete anos de idade e não consigo tirar isso de mim. Tenho treinamento em várias coisas, desde eletricista até encanador! Eu já até trabalhei numa sex shop, hahaha!!! Aquilo foi hilário!!! Mas a música é o que me manteve e aquilo do que consegui viver de alguma forma. Nunca fez de mim um milionário e jamais fará, mas a maior parte da minha vida adulta eu estive envolvido com isso de um jeito ou de outro.

Metal Shock Finland: Falando sobre o music business de hoje em dia, há alguma coisa que te deixa com raiva? E se pudesse, você mudaria algo?

Tony Martin: Ah, bem, claro! Se você for pensar, o artista é a PRIMEIRA pessoa na cadeia. Nós COMPOMOS as coisas com que TODOS os demais ganham a sua vida com elas. Produtores, empresários, selos, gravadoras, imprensa... TODOS eles vivem às custas do que criamos mas somos os ÚLTIMOS a receber. Somos a mesma pessoa! Todas essas pessoas recebem sua fatia e porcentagem e salário, que eles AINDA recebem, mesmo apesar de haver bem menos dinheiro na indústria, o que deixa o artista com nada. Isso tem de mudar, tudo, mas tem de começar com os músicos e artistas. Em primeiro lugar, parar de trabalhar de graça. Isso não ajuda em nada... Parar de ficar dando música de lambuja... isso não ajuda... E começar a mudar os contratos e porcentagens que damos. Os selos NAO SAO a resposta, não hoje em dia, quando tem tanta coisa à disposição do indivíduo. Nós nunca tínhamos acesso ao mundo quando eu tive meu primeiro contrato com um selo. Nós PRECISÁVAMOS dos selos, mas não agora. Eu honestamente acho que eles são um obstáculo para muitos de nós. É hora de repensar e tomar de volta o valor do que criamos. A música é uma arte sem valor hoje em dia; não há valor nela. Eu fui até a advogados para tentar descobrir por que nós, como criadores e fabricantes, não temos os mesmos direitos que os outros. Eles podem esperar um piso de preço pelo que eles fazem, mas nós não. Parece que o mundo não gosta do preço que colocamos, e nós, como grupo, devíamos ter nosso próprio mecanismo que devia nos proporcionar direitos básicos - contratos - mas eles são inúteis hoje na era dos downloads. Assim que o artista mudar a forma que trabalha ele vai mostrar ao público o VALOR do que eles tiram de nós, em comparação é o meu ponto de vista.

Tome por exemplo ir ao cinema - você vai ver um filme e paga 10 pratas. Você vê o filme e deixa suas dez pratas lá! Se você quiser ver de novo, VOCÊ PAGA DE NOVO!! Não é assim com a música. Uma vez que você adquire a música, é sua PRO RESTO DA VIDA! Você não tem de pagar a cada vez que põe ela pra tocar. E AINDA ASSIM tem gente que acha que é caro demais. Bem, isso é uma grande bobagem! Também houve o tempo em que conseguíamos tirar dinheiro com shows, mas NA MINHA EXPERIÊNCIA, nos últimos cinco anos, nós agora temos de pagar a um PRODUTOR só para estar lá e vender, e eu tive de pagar tudo entre 20 e 50 por cento da mercadoria! Então isso não é muito atrativo. MUITAS coisas têm de mudar, e eu poderia continuar falando por semanas.

Leia outros trechos da entrevista no link abaixo.

Tony Martin: O Black Sabbath não fala comigo há 15 anosTony Martin
"O Black Sabbath não fala comigo há 15 anos"

Comente: E você? O que o deixa com raiva na indústria musical?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Black Sabbath"Todas as matérias sobre "Tony Martin"


Dio: ele e Ozzy não eram grandes amigos, mas se respeitavam muito, diz Wendy DioDio
Ele e Ozzy não eram grandes amigos, mas se respeitavam muito, diz Wendy Dio

Black Sabbath: Dehumanizer será relançado em 2020

Black Sabbath: Marina Ruy Barbosa aparece com camiseta da banda em clipeBlack Sabbath
Marina Ruy Barbosa aparece com camiseta da banda em clipe

Curiosidade: 5 músicos mais novos que as bandas em que tocamCuriosidade
5 músicos mais novos que as bandas em que tocam

Big 4 britânico: Halford queria juntar Priest com Maiden, Sabbath e MotörheadBig 4 britânico
Halford queria juntar Priest com Maiden, Sabbath e Motörhead

Tony Iommi: 10 grandes riffs do mestre - Parte 1Tony Iommi
10 grandes riffs do mestre - Parte 1

Em 04/11/1981: Black Sabbath lançava o álbum Mob RulesBlack Sabbath: o fantástico tributo Nativity in Black (vídeo)Músicas macabras: canções de temáticas aterrorizantes (vídeo)

Grandes covers: cinco versões para Snowblind, clássico do Black SabbathGrandes covers
Cinco versões para "Snowblind", clássico do Black Sabbath

Black Sabbath: Tony Iommi responde sobre ser associado ao termo Heavy MetalBlack Sabbath
Tony Iommi responde sobre ser associado ao termo Heavy Metal

Sounds Entertainment: as 100 melhores músicas do Heavy MetalSounds Entertainment
As 100 melhores músicas do Heavy Metal


Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

AC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?AC/DC
Como Angus responde a um copo de cerveja atirado?


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

adGoo336