Arde Rock: 10 anos de Hard Rock apimentado!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

A Arde Rock já é um nome conhecido no Sul do país, principalmente no interior do RS, pois já fazem dez anos que a banda, criada em Santa Maria, circula pelo circuito de casas de shows, bares e clubes. Uma década de muita estrada e muitas histórias, tocando seu Rock & Roll e Hard Rock, fazendo covers e versões de hits dos anos 80 e 90, inclusive alguns sucessos do Pop e Pop Rock e trilhas de filmes, tudo com o molho apimentado característico da banda.

Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraOzzy Osbourne: "O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!"


Mas a Arde Rock não é somente uma banda de versões ou covers, pois o trio já possui dois álbuns de seu trabalho autoral lançados de forma independente, "Velho Rock" (2012) e "Algo a Zelar" (2017).

Adriano "Killermano", guitarrista e vocalista, conta que iniciou na música por volta de 1995, em sua cidade natal, Cruz Alta, onde formou sua primeira banda, mais tarde, já em Santa Maria, acabou mudando os planos de cursar música na UFSM, afastando-se da música por um tempo para trabalhar com vendas, indo residir em Santa Cruz do Sul. Retornando a Santa Maria e concluindo estudos em processos gerenciais, e ainda longe dos palcos, no ano de 2008 reencontrou Simone Sattes, a qual conheceu na época dos festivais em Cruz Alta.

A dupla não só virou um casal, como também formou a Arde Rock, inicialmente sem maiores pretensões, apenas por diversão e para fazer releituras de hits dos anos 80 com uma roupagem mais Hard Rock, e depois, claro, trabalhar em composições próprias. A partir daí, não pararam mais. O trio, completado pelo baterista Thomás Martins, viaja em uma van própria, dirigida por Killermano, e levam a energia de seus shows a diversas cidades do Sul.

No repertório, versões de clássicos de nomes como Purple, Survivor, AC/DC, Kiss e Bon Jovi, além de grupos do Rock nacional, e claro, as tradicionais releituras de hits pop dos anos 80 com pegada mais Hard Rock, que sempre são ponto alto nos shows.

Do repertório autoral, destacam-se canções "Minha Razão", com sua levada Rock & Roll e certo acento pop; a pegada Hard e pesada de "Velho Rock", ambas do primeiro álbum. E do segundo, a contagiante "Mea Culpa" e seu refrão marcante; os riffs Metal de "Para Vencer" e a versão de "Dangerous", do Roxette, que já era uma marca nos shows da Arde Rock. O certo é que nos dois CDs da banda você vai encontrar muito Rock & Roll e Hard Rock agradável e contagiante.

Adriano "Killermano" reflete sobre essa década de Arde Rock: "Dez anos se passaram, dois álbuns lançados, vários videoclipes e shows pelos 3 estados da Região Sul, nosso sonho se tornou nossa realidade. Temos muito orgulho de olhar para trás e ver que apesar de todas as dificuldades, pois ambos viemos de uma origem muito humilde, passamos por muita coisa, valeu e vale muito a pena lutar, persistir e acreditar nos sonhos. "

A banda também lançou recentemente mais um vídeo, também parte das comemorações de 10 anos, a faixa escolhida foi "Para Vencer", que já destaquei anteriormente. Confira abaixo:

Site Oficial:
http://www.arderock.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Arde Rock"


Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira

Ozzy Osbourne: O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!Ozzy Osbourne
"O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!"


Sobre Carlos Garcia

Antes de tudo sou um colecionador, que começou a cair de cabeça no Metal e Classic Rock quando o Kiss esteve no Brasil em 1983, a partir daí não parei mais. Criei fanzines, como o Zine Barulho, além de colaborar com outros zines e depois web zines e sites, como os saudosos Metal Attack e All the Bangers. Atualmente sou um dos editores e redator do Road to Metal. O melhor de tudo são as amizades que fazemos, além do contato e até amizade com alguns de nossos heróis.

Mais matérias de Carlos Garcia no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336