Iron Maiden: show antológico no Rock in Rio faz banda alcançar proporção épica no Brasil

Resenha - Iron Maiden (Rock In Rio, Rio de Janeiro, 04/10/2019)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar Correções  

publicidade

Ao contrário de outros gêneros musicais como o blues e o jazz, onde o ato de envelhecer parece enobrecer o artista, no rock a passagem do tempo não é muito bem vista por uma parcela do público e, principalmente, por grande parte da crítica. Ainda se associa o transcorrer dos anos com a decadência de um artista, o que é uma tremenda bobagem. Nomes como Paul McCartney, Neil Young, Rolling Stones, Bruce Springsteen e outros, todos acima dos 70 anos, não se cansam de dar provas do contrário não só com performances antológicas nos palcos – Paul e Bruce, o primeiro com 77 anos e o segundo com 70, costumam hipnotizar plateias com shows que superam as três horas de duração – mas também com novos trabalhos ainda surpreendentes como bem fazem o próprio Springsteen, Young e os Stones.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No metal, a questão é ainda mais complicada. Uma música extremamente técnica e agressiva, que exige um nível de performance intenso e bastante físico, perde força à medida que os músicos vão envelhecendo, certo? Não foi o que se viu no palco do Rock in Rio na última sexta, 04/10. Além de shows sensacionais do Slayer, Anthrax, Nervosa e Helloween, o público do maior festival do planeta presenciou uma apresentação espetacular do Iron Maiden.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Trazendo para o Brasil todo o aparato cênico da turnê Legacy of the Beast, a tour mais teatral da sua carreira, o Maiden fez aquele que já pode ser considerado o seu melhor show no Brasil, superando as antológicas passagens pela primeira edição do Rock in Rio, em 1985, e o retorno em 2001 com Bruce Dickinson e Adrian Smith, que gerou um álbum duplo ao vivo e um DVD – a banda tocou também na edição de 2013 do festival.

Voltando para o primeiro parágrafo, o Iron Maiden conta neste 2019 com seis músicos sexagenários: Nicko McBrain (67 anos), Steve Harris (63), Dave Murray (62), Adrian Smith (62), Janick Gers (62) e Bruce Dickinson (61). E todos eles estão tocando de maneira sublime. Bruce cantou em tons altíssimos – a abertura com a dobradinha "Aces High" e "Where Eagles Dare" é para pouquíssimos vocalistas -, Dave estava inspiradíssimo, Adrian com a classe de sempre, Janick com as suas piruetas mas focando quando era preciso (o solo de "The Clansman" demonstrou isso), Steve cavalgando em seu baixo e Nicko com seus andamentos de pura técnica.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Iron Maiden vive na Legacy of the Beast um dos períodos mais especiais de suas mais de quatro décadas de vida, e a atmosfera do show comprovou isso. Passando por toda a carreira do grupo, o setlist já levou gente às lágrimas já na introdução com "Doctor Doctor", clássico do UFO que toca no PA antes dos shows do sexteto. Pinçando peças de quase todos os seus discos, o Maiden voou alto como sempre e tornou ainda mais forte a relação já incrivelmente profunda que possui com o público brasileiro. Não há no metal atual uma banda com tempo semelhante de estrada e que esteja tocando em nível tão alto quanto a Donzela, e isso foi comprovado em rede nacional (e mundial, já que o show foi transmitido para todo o planeta) e pelas mais de 100 mil pessoas que assistiram o grupo cara a cara no Rock in Rio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Repleto de mudanças de cenário, com direito a um avião em tamanho real na abertura com "Aces High" e um Ícaro gigante na clássica "Flight of Icarus", além de inúmeras trocas de figurino de Bruce Dickinson e uma interpretação teatral do vocalista, o Iron Maiden fez questão de mostrar no palco do Rio de Janeiro – e também em São Paulo e Porto Alegre, cidades pelas quais a Legacy of the Beast também passou – o porquê de ser uma lenda do tamanho que é.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entre os destaques, a abertura insana com "Aces High" e "Where Eagles Dare" – nessa última, o trecho em que Dave e Adrian solam em conjunto é de emocionar até uma pedra -; a explosão coletiva em "The Clansman", que não só ganha outra dimensão na voz de Bruce Dickinson como se revela uma das melhores músicas da banda na sua interação com o público; o resgate da belíssima "Revelations"; "Flight of Icarus" com direito a lança-chamas nas mãos de Bruce; a participação sempre intensa do público em "Fear of the Dark"; a obrigatória "The Number of the Beast" e sua introdução sendo declamada pelo público em uma espécie de oração macabra; a gigantesca cabeça de Eddie no palco durante a música que dá nome ao grupo e o bis com a trinca "The Evil That Men Do", "Hallowed Be Thy Name" (a melhor música da banda, na minha opinão) e "Run to the Hills".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ligada de maneira íntima ao Rock in Rio, a banda inglesa entregou uma das melhores performances de sua vida – na minha opinião, a melhor entre as mais de quarenta apresentações pelo Brasil – e deu de presente para os fãs brasileiros uma noite que ficará marcada para sempre na memória.

Heavy metal é isso. Uma música intensa e pesada, mas também extremamente rica, complexa e contagiante, a milhas de distância do pop descartável que domina as paradas (e também marcou presença nos palcos do Rock in Rio) e das bandas exageradamente aclamadas que certos veículos e jornalistas adoram endeusar, mas que não têm a mínima capacidade de encarar de frente uma lenda do tamanho do Iron Maiden.

Como comentário final, chamou a atenção um Dave Murray claramente acima do peso e a idade marcando fortemente o rosto de Steve Harris. Do lado oposto, Nicko e Janick seguem com o mesmo visual de sempre, Adrian mantém a atitude rock da banda e Bruce, em ótima forma, parece rejuvenescer a cada música.

O Iron Maiden já era uma lenda entre o público brasileiro antes desse show, com milhares de fãs em todo o país. Depois do Rock in Rio 2019, os ingleses assumem um status e um tamanho que nenhuma outra banda jamais alcançou em nosso país.

Viva o Iron Maiden. Ouça o Iron Maiden. Hoje, sempre e cada vez mais.

Setlist do show no Rock in Rio:

1 Aces High
2 Where Eagles Dare
3 2 Minutes to Midnight
4 The Clansman
5 The Trooper
6 Revelations
7 For the Greater Good of God
8 The Wicker Man
9 Sign of the Cross
10 Flight of Icarus
11 Fear of the Dark
12 The Number of the Beast
13 Iron Maiden

Encore:
14 The Evil That Men Do
15 Hallowed Be Thy Name
16 Run to the Hills




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: a regressão técnica de Lars UlrichMetallica
A regressão técnica de Lars Ulrich

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

WhiFin Goo336 Goo728 Cli336 Goo336 Goo336 Cli336 GooAdHor