Matérias Mais Lidas

imagemO álbum que chocou colégio de freiras de Rafael Bittencourt e foi "libertador"

imagemHá 20 anos, Frejat explicava como Raimundos não se dobrava perante gravadora

imagemRegis Tadeu coloca o dedo na ferida e aponta o grande erro do rock nacional dos anos oitenta

imagemAxl Rose faz piada de gosto duvidoso sobre incidente com microfone

imagemA música do Queen que Brian May pensou que era uma brincadeira

imagemDez bandas de rock e metal que gravaram versões para músicas de outros estilos

imagemEmpresária do Judas Priest conta como foi o encontro de K.K. Downing com ex-companheiros

imagemRaimundos: A surpreendente maneira como Digão conheceu Rodolfo, segundo o próprio

imagemB. B. King sobre John Lennon ter dito que queria tocar como ele

imagemA visionária melhor música do Genesis na opinião de Steve Hackett

imagemSlash falhou em seguir o conselho de Keith Richards, que mesmo assim foi lá e o apoiou

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagem"Nenhuma banda está a fim de ajudar a outra, isto é utopia", diz Regis Tadeu

imagemEric Clapton relembra como era ser chamado de Deus nos anos 60

imagem"Raimundos nunca quis ser manual de conduta para ninguém", diz Digão


Stamp
Summer Breeze

Yes: Jon Anderson revela o grande erro da banda no auge do sucesso, nos anos 80

Por Igor Miranda
Postado em 09 de setembro de 2020

O Yes foi uma das maiores bandas de rock progressivo dos anos 70, mas encerrou as atividades em 1981 após perder um pouco de sua popularidade. Dois anos depois, em 1983, o grupo se reuniu, com Trevor Rabin na guitarra e Tony Kaye de volta aos teclados, e lançou "90125" - o álbum mais vendido da trajetória deles, graças ao hit "Owner of a Lonely Heart".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No entanto, o disco seguinte, "Big Generator" (1987), não conseguiu manter o padrão de qualidade - e de vendas - do antecessor. Em recente entrevista ao Eon Music, o vocalista Jon Anderson revelou qual foi a decisão que, na visão dele, representou o grande erro da banda justo no auge de sua popularidade.

Inicialmente, Anderson comentou que voltou ao Yes quando "90125" já estava 75% pronto. "Cheguei, cantei as letras e melodias, e acabei estando lá na hora certa, para embelezar o que já era muito bom em termos musicais e de produção. Aquele álbum já era muito bom, só coloquei a 'cereja no bolo'", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com o estouro de "90125", que chegou a vender 3 milhões de cópias só nos Estados Unidos, o vocalista pensou que seria o momento de dar um passo adiante. "Quando começamos a fazer um novo álbum, eu pensava: 'ok, agora vamos estender a musicalidade dessa banda... temos uma audiência maior agora, por que não tentamos algo mais aventureiro?'", afirmou.

A ideia de Jon não era compartilhada pelos outros integrantes, bem como o produtor, Trevor Horne, que, segundo o vocalista, "não queria isso". "Tanto ele quanto Trevor Rabin e Chris (Squire, baixista) achavam que era melhor me tirar dos ensaios. Eles queriam fazer a mesma coisa que fizeram no Cinema, onde compunham tudo, e eu só chegaria no final, para polir tudo", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Cinema, vale lembrar, foi o projeto que precedeu a reunião do Yes em 1983. A banda, criada em 1983, trazia Trevor Rabin, Chris Squire, o tecladista Tony Kaye e o baterista Alan White - ou seja, os quatro integrantes que gravaram o instrumental de "90125" e "Big Generator", com Jon Anderson no vocal.

Para o cantor, a decisão em repetir o processo criativo que gerou "90125" foi o grande equívoco do Yes em seu auge. "Foi um enorme erro, pois eu já sentia que o potencial estava lá. Trevor era um grande guitarrista, muito diferente de Steve, bem mais agressivo, eu diria. Eu queria seguir um caminho mais Stravinski, sabe? Vamos enlouquecer e depois vamos para o nada enquanto a música segue rolando. Era o que eu pensava", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Lift Detox
Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Steve Howe conta que só agora o Yes toca "Close to the Edge" como ela foi escrita

Yes: as dez melhores performances de Chris Squire

1978: 70 discos de rock e metal lançados há 40 anos

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutos

Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular "Simple Man"

David Gilmour largou vício maléfico após ouvir erro em disco do Pink Floyd


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.