RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Stamp

Desgraça da Boa: Test e Gangrena Gasosa em entrevista após show em Joinville

Por Fagner Ramos
Postado em 17 de abril de 2022

Um evento pós pandemia era o que todos vinham esperando ansiosamente, bandas e público. Motivos óbvios dos dois lados se misturaram nessa noite de rock em Joinville. Extravaso, protesto, a curtição, a bebedeira, a vontade de receber o novo, de pogar, de gritar. Era a noite do rock na Yelo Stage.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

O evento Desgraça Pouca é Bobagem (26/03/2022), trouxe a Joinville, as bandas locais Zoombie Cookbook e Battalion, que fizeram um show ok, dentro daquele Heavy Tradicional que foi base pra desenferrujar depois de tanto tempo em lockdown, servindo pra jogar conversa fora, beber e às vezes dar risada. Abaixo o belo visual do vocalista do Battalion.

Um pouco antes, abrindo os trabalhos, a banda de Curitiba Repudiyo mandou um som mais pesado, numa pegada tHrash com grind e posicionamento político aflorado. Sim, não foi só no Lollapalooza que o "Fora Bolsonaro" era o grito mais hypado do momento. Aqui também foi entoado por diversas vezes, e talvez para o meu espanto, bem recebido pelo público.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Bandas do eixo Rio-São Paulo e nomes importantes do cenário Underground nacional, foram os headliners da noite, fazendo jus ao destaque dado pela produção do evento. Uma delas, veterana com mais de 30 anos de estrada, com um estilo todo próprio. A outra já com mais de 01 década e virando referência, fazendo nome e história no som extremo-experimental nacional.

Começamos pelo Duo Paulistano do TEST, uma banda com 12 anos de formação, que já percorreu quase todo o país no melhor estilo do it Yourself, tocando onde dão ou não espaço. Os primeiros shows do Test ficaram famosos, pois a banda ia de Kombi (Por isso o Guitarra chama-se João Kombi) para portas de shows mainstream em estádios, montavam toda a aparelhagem, e faziam ali mesmo o som. Conversando com o Batera Barata, numa entrevista que você poderá ler mais abaixo, ele relata a saudade de voltar a fazer este tipo de show em SP, visto que em outros estados os shows são em festivais, bares e casas noturnas. Com seu grind sujo, experimental, bem tocado, com um batera excepcional, guitarra com melodias quebradas, vocais gritados e letras com jogo de palavras inteligentes, a banda foi destaque da noite, arrancando aplausos, queixos caídos, e comentários da plateia sobre o quanto os caras são criativos. E são apenas dois em cima do palco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

ENTREVISTA Thiago Barata (Batera do TEST)

Como está a turnê pelo sul do país, e a receptividade do público?

R: É até difícil dizer, porque está sendo muito foda. Começamos em Jaraguá do Sul, descendo até o Rio Grande, depois subimos Santa Maria, Ijuí, Estrela, onde nossa turnê terminou em Porto Alegre. Agora nos juntamos com o Gangrena fazendo 04 shows, Florianópolis, Pomerode, Joinville e Curitiba. Impressionante a receptividade de todo mundo e o quão bom, estão sendo os shows. Já estamos até avisando que março do ano que vem (2023) estamos de volta.

Os shows ocorreram no estilo antigo de chegar e montar a aparelhagem em qualquer lugar, ou está sendo mais em casas noturnas?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

R: Aqui no Sul não, mas em SP nós fazemos os dois. Na rua faz um tempo que não fazemos, porque curtimos fazer na frente de shows de bandas que gostamos. Colocamos as coisas na frente e saímos tocando. Mas nestes últimos anos, sempre que vinha alguma banda legal, já tínhamos shows marcados em outro lugar. Estava até conversando com o João que precisamos retomar esse esquema, pois a última vez foi com o King Diamond, tocamos dentro abrindo o show para eles, e depois tocamos do lado de fora. No Sul os shows estão sendo todos em casa noturna ou em bar ou estúdio. Nosso plano ano que vem quando voltarmos, temos a intenção de tocar no Chuí, provavelmente na rua, só para dizer que tocamos lá. Vamos ver se rola.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

Chegaram tocar no Oiapoque?

R: Ainda não, kkk. Único estado que não tocamos ainda no Brasil foi em Roraima, ainda. Mas temos planos, estamos loucos para tocar lá.

Mais de 12 anos de banda, o que motiva vocês a estarem nesse caminho?

R: É a coisa que mais gostamos de fazer. Eu ainda gosto de fazer outras coisas, andar de bicicleta, outros rolês, mas o João eu sei que ele gosta só disso. Apesar de gostar de outras coisas, estar na estrada conhecendo lugares e pessoas novas, tendo uma vida meio nômade, me agrada muito. Ver lugares diferentes, conhecer pessoas com realidades diferentes da minha, isso é muito bom. Mesmo assim, estando em vários lugares distantes, ainda me deparo com pessoas com os mesmos gostos musicais que o meu, isso é bem interessante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

Até que ponto a pandemia afetou vocês?

R: Afetou a gente de um jeito absurdo. Em 2020, por sorte, fizemos a turnê no Sul em fevereiro e março, e acabou um dia antes de começar a quarentena em SP. Então ainda restou um pouquinho de grana, e não tivemos shows cancelados. Mas depois quebrou nossas pernas, porque tínhamos agendas de shows na Virada Cultural em SP, tinha o Sesc para tocar com meu outro projeto, o DR engatilhado, tínhamos uma turnê nos EUA agendada para o TEST, então caiu tudo, e agora que está retomando aos poucos. Eu e o João temos que fazer várias outras coisas para sobreviver e tudo o mais. Conseguimos, não faltou nada em casa, o que foi maravilhoso, e agora estamos na correria de novo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Eu ouvi bastante o trabalho que vocês fizeram como Big Band, achei que ficou muito bom. Alguma pretensão de retomar isso em algum momento? Ou até mesmo excursionar e fazer shows deste tipo?

R: Estamos pensando em fazer com a Big Band, mas com outros integrantes e num formato reduzido. Para viajar fica complicado infelizmente, só se um festival bancasse ou com apoio da prefeitura para rolar. Queremos fazer e mostrar as coisas diferentes que fazemos, mas é difícil, por causa do custo e quantidade de gente. Mas quem sabe.

Algum projeto novo, visto que em 2021 vocês lançaram "o jogo humano’ e o Beatiful Day?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |

R: O Jogo humano saiu em 2019 num disco completo em 12 polegadas, mas fizemos várias versões. No Bandcamp ele está desta forma, por exemplo, saiu um disco com 54 músicas, cada uma com uma palavra diferente e com outras montagens. Ao invés de ser as músicas separadas, as músicas acabam formando frases e dividindo eles em versões diferentes de cada disco. Dá para entender melhor indo no Bandcamp da banda.

Algo novo para sair este ano?

R: Sim, gravamos o disco, vai se chamar "DISCO NORMAL", já temos camiseta da capa, mas o disco está em processo de mixagem e vai sair este ano ainda. Gravamos parte em estúdio e parte na rua, então na mixagem o João vai juntar as duas gravações. Por exemplo, pode haver faixa que a bateria da rua pode ter saído melhor que a bateria do estúdio, então provavelmente ela será usada, intercalando gravações de estúdio e rua. Junto do disco, vai sair um documentário todo esse processo de gravação, e nossa ideia é exibir em várias cidades diferentes. Estamos em conversas com algumas pessoas do Sul para ver onde podemos lançar e fazer as exibições.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Show fora do país?

R: Vai rolar shows no EUA em agosto e setembro a princípio. E em março de 2023 estamos de volta ao Sul do Brasil de novo.

Já a outra banda são os cariocas do Gangrena Gasosa, com seu Saravá Metal muito bem-feito, divertido, letras que te colocam dentro do universo das religiões de matrizes africanas, como o Candomblé e a Umbanda, misturando o protesto e o sarcasmo carioca. O Gangrena não só entrega a qualidade sonora, mas também toda a performance teatral, onde os integrantes se vestem com entidades das religiões e executam um rock calcado no Thrash Metal, Crossover e letras em português. Temos o Zé Pelintra e o Omulú nos Vocais (Ângelo e Davi), o Exu Caveira na guitarra (Murakami), o Tranca Rua no baixo (Diego Padilha), o Exu Tiriri na batera (Alex Porto), e a Pomba gira na percussão (Gê Vasconcelos) imprimindo o batuque dos terreiros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Com um show competente, calcado em todos os clássicos da banda e nos últimos trabalhos, como o disco lançado em 2018, intitulado "Gente Ruim Só Manda Lembrança Pra Quem Não Presta", e músicas do EP Kizila, lançado em 2020, a plateia pulou, abriu roda e cantou músicas como "Encosto", "Eu não Entendi Matrix" e "Se Deus é 10, Satanás é 666". Lógico que ocorreram alguns percalços no meio do caminho como falhas aqui e acolá nos equipamentos da casa, mas quem está na caminhada underground, sabe que isso pode vir a ocorrer, porém o show foi entregue, o público aplaudiu, e saíram felizes, e com muita farinha de despacho no corpo. Sim, isso também faz parte do show.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Entrevista com Angelo Arede (o Zé Pelintra) e Davi Sterminium (Omulú).

Como está a turnê pelo sul do país (mais precisamente Santa Catarina), e a receptividade do público?

R: Rapaz, tá sendo incrível, a gente aqui no Sul, a gente só tem as melhores experiências, né? Nós viemos no Armagedom de que ano? 2019, tá aí o Clóvis que não me deixa mentir. Em 2019 nós tivemos aqui, e já foi incrível também, e cara e agora a gente tá aqui de volta, né? Com a Xaninho Discos e com a Mosh Productions e enfim, junto ali com a galera também envolvida, né? A galera do também Fernando Zimmermann e tal, e cara, tá sendo incrível, recepção ótima, tratamento melhor ainda, tudo certinho, tudo nos trinques, e o pessoal comparecendo em peso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Joinville é uma cidade bastante conservadora, religiosa, reduto militar e bolsonarista. Vocês sentem ou se preocupam com esse lado conservador, até pela temática da banda ser de uma religião com bastante preconceito?

R: Cara, assim, já começa que se a gente tivesse medo a gente nem se vestia de entidade. Então já começa por aí. Não vai ser meia dúzia de facho, bunda rachada que vai fazer com que a gente mude qualquer coisa que a gente queira fazer, sacou? Então assim, nós sabemos que existe essa fatia, né? Essa fatia da população, que verdade não é só aqui não bicho, é no Brasil inteiro. Ó pra você ver esse lixo que está vestindo lá a faixa em Brasília, esse lixo é do Rio de Janeiro né velho? Então o Rio de Janeiro é assim, é metade dominada por traficantes, metade dominada pela milícia. Então, velho, é assim em todo lugar, não é só no Sul que isso acontece não. Então, cara, a gente vem, e a gente vem na maior, bicho. A gente vem na maior, não tem essa não. na maior, se eles têm o direito de existir, que não deveriam nem ter, se eles têm o direito de existir, eles vão ter que segurar essa pemba aí, vão ter que aguentar a gente por um tempo ainda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A banda conta com mais de 30 anos, lançou o último álbum em 2018 (Gente Ruim....), um EP Kizila em 2020. Tem algum álbum novo sendo feito ou algum projeto para comemorar essa data emblemática?

R: Estamos sim meu irmão, estamos sim, a gente lançou o Gente Ruim em 2018 e aí nós excursionamos em todas as regiões do Brasil, né? 2018, 2019, quando 2020 a gente chegou é agora!! É agora esse momento, vamos soltar aqui, soltamos logo um EP como você falou.

Agora a gente está na porra, a gente está como se fosse no pique Anitta, sacou? A gente está pegando, a gente está lançando o clipe, agora é só ir pra cima. Já com outras músicas preparadas também, né? Só que a gente acabou tendo que lidar com a pandemia, logo depois que nós lançamos o EP mais ou menos ali na época do Carnaval de 2020, né? E achamos que seria o último Carnaval da humanidade, bicho. Ah não, mas tudo deu certo e a gente tá aí de volta, cara, e pra esse ano a gente deve lançar o disco novo, a não ser que que os Exus tenham uma outra configuração guardada pra gente. Esse ano aí que vai sair o disco novo da gangrena gasosa. Já estamos trabalhando no disco novo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |

A banda tem um respeito dentro da cena nacional, mas 30 anos no underground trás qual sentimento para a banda? O que motiva ainda continuar?

R: Só vale, irmão, só vale. É claro que vale. E cara, assim, eu acho que a única resposta, a única não, mas eu acho que a resposta mais expressiva pra isso é que a gente é teimoso. Então assim, eu sou teimoso, rapá. Então a gente segue com altos e baixos, já tivemos altos e baixos esses anos todos, né? É entre troca de formação, enfim, entre todas as dificuldades que qualquer banda underground tem né? E tem no Brasil, nós conseguimos ali segurar essa marimba até o final e cara, é natural bicho. É o que todo mundo que tá aqui tocando na Gangrena Gasosa hoje, sabe que nasceu pra fazer. Então é bem natural.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como anda o relacionamento com os antigos integrantes do Gangrena, visto que eles em algum momento entraram com uma ação contra vocês pelo nome da banda? Eles se apresentam como se fosse uma banda cover deles mesmos, tranquilo quanto a isso?

R: É. Rapaz, na verdade assim, eu não tenho muita vontade de falar de quem não gosta de mim, eu gosto de falar de quem gosta de mim. Só a única coisa que eu tenho a dizer sobre isso é o seguinte, o nome é registrado, entendeu? Não tem choro, nem vela, nem fita amarela, e lugar de chorar é na cama quentinha. Então que vá chorar na cama quentinha que perdeu cara, perdeu, num tem essa, só isso, só isso. Eu tô falando isso, cê sabe por quê? Falando isso só por conta do nome, porque as pessoas ficam achando cara, eu estou na Gangrena desde 1994 né? E o pessoal foi saindo, então eu fico pensando que de repente, o fã pô será que vai acontecer alguma coisa? Será que vai mudar? Não vai mudar nada. não vai mudar nada. Duralex Edilex no cabelo, só não muda nada é Duralex aqui ó. Firme e forte, firme e forte pode vir, pode vir, que não tem essa não, e tem que chorar na cama que é um lugar quente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Pergunta para o Davi (Omulú). O Omulú sempre foi uma parte integrante muito importante da banda. Como é que está neste lugar?

R: Está sendo bom pra caramba. Eu acho que é um é um orixá totalmente importante assim pra religião, né? É o orixá da vida, da morte. Então tem tudo a ver com a banda, sabe? Sobre os Exus, as entidades, a Kalunga que representa o Omolu, né? E tá sendo bacana pra caramba, só gratificação total.

A religião faz parte de fato da banda, os integrantes a seguem? Ou ficou na temática e na parte teatral?

R: É. Sim. É representação. O que a gente faz no palco é uma representação dos arquétipos da umbanda e do candomblé, não tem nada ritualístico, sacou? É só pra trazer pra dentro do Heavy Metal essa coisa do ocultismo, né? Trazer uma referência brasileira. E assim, e pessoalmente, individualmente eu no caso posso falar por nós dois né? Que estamos aqui falando com você. Eu no caso cresci no candomblé porque minha mãe é mãe de santo do candomblé, entendeu? Então a minha infância já foi dentro de terreiro de candomblé. E agora o Davi que entrou, o Davi é Ogan, entendeu? Então cara é muito importante, porque a Gangrena Gasosa é aquilo. Representa Exu, mas não é ritualístico. Só que a gente acaba entrando dentro do mundo de Exu de tantas formas, por exemplo, Exu ele fala sério, rindo. Rindo ele fala sério. E é o que a gente faz, nós não temos nenhuma pretensão de ser uma banda gospel. né? Mas apesar disso nós agimos como Exu, a gente fala da coisa séria brincando, entendeu? Então é isso, a interpretação é essa bicho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Ângelo, e o trabalho de cartunista e ilustrador? Caminha junto com a banda? Ou um sobrepõe o outro?

R: É rapaz, o que acontece é que na pandemia acabou todo mercado de entretenimento, né? Mercado artístico, né? Então assim, tá beleza, ainda trabalhei, ainda fiz alguns trabalhos durante a pandemia. Só que aquilo, a pandemia meio que deu uma trava em tudo que não era serviço essencial pra você comer e pra você viver. Apesar que você come, você dorme, você mora. Mas pra você aguentar a sua vida, e na pandemia isso ficou bem claro, você precisa de arte. Então de qualquer forma ninguém que estava na pandemia aguentaria sem arte, vivendo só com seu carro novinho. Não é isso? Quem estava na pandemia estava lá consumindo sua Netflix. Estava lá consumindo livros que é pra não pirar dentro de casa, né bicho? Mas assim, mas a produção de novos trabalhos no meio de entretenimento ficou bem difícil, né cara? Mas agora já está normalizando, né? Num tá cem por cento, mas tá normalizando, e quanto ao que eu faço na galeria e o que eu faço, com o meu trabalho de ilustrador, é cara isso tudo se cruza né? Porque eu acabo fazendo as capas dos discos, eu acabo fazendo o site, eu acabo sabe? Uhum. Então acabo fazendo merchandise da banda, né? Cuidando das redes sociais. Então isso tudo acaba sendo um crossmedia, uma coisa vai permeando a outra, já chega um ponto que uma coisa não existe sem a outra entendeu?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Gangrena Gasosa: documentário "Desagradável" no YouTube

Rock Comédia: em vídeo, as dez melhores bandas brasileiras


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS