Dorsal Atlântica: Fora Temer é bonito, mas não resolve o problema

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Willba Dissidente, Fonte: Rock Dissidente
Enviar correções  |  Ver Acessos

A história do Thrash Metal no Brasil se confunde com a odisséia da DORSAL ATLANTICA. Iniciando em 1981 sob o nome de NESS pelo guitarrista e vocalista Carlos Lopes, a Dorsal por uma questão de um mês (vitória para o LEVIAETHAN de Porto Alegre) não foi o primeiro grupo brasileiro a lançar a fúria do Thrash em vinil no Brasil. A banda durou até 2001, retornando 11 anos depois e sendo visionária ao usar o crowd funding no Metal, prática que se tornou corriqueira desde então.

Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular "Simple Man"Mega-hits Manjados: 10 clássicos que se tornaram clichês

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fundada após o atendo RioCentro, quando o Governo Militar fingiu que a esquerda explodiu duas bombas (inclusive com vítimas) para justificar medidas mais austeras contra a população, a banda regressou à ativa com a missão de preservar a conscientização. Seu mentor e principal compositor, Lopes acredita a Esquerda, pode ser tonar Centro e Direita, "mais do mesmo" em português claro, quando é mal direcionada, mas é veemente ao afirmar que o Brasil sofreu um golpe Estado parlamentar como parte do plano estadunidense para consolidar governos de direita na América Latina.

"Nunca imaginei que a juventude fascista renascesse. Ao ler comentários de ódio sobre a moça que perdeu um olho em SP percebi que o problema não é esquerda/direita. É HUMANISTA. As pessoas perderam a ALMA, perderam o CORAÇAO", contou Lopes, que esmiuçou seus pontos de vista sobre o atual golpe de Estado com o Rock Dissidente, afirmando ele mesmo ser um dissidente em relação ao contemporâneo movimento de esquerda nacional. Confira um trecho abaixo.

Carlos Lopes (guitarrista e vocalista) em 2016. Foto: Divulgação.
Carlos Lopes (guitarrista e vocalista) em 2016. Foto: Divulgação.

Rock Dissidente: Você acredita que é possível ser apolítico dentro do Metal?

Carlos Lopes: Os Black Blocks em 2013 me confirmaram o que havia escrito no CD "2012": que há o possível e o sonho. Quando vi em 2013 o discurso de jovens indo às ruas "sem partido" lá eu vi o germe da intolerância. E do fascismo. Não ter governo e pregar voto nulo não é a solução.

Rock Dissidente: Gostaria que não houvesse governo?

Carlos Lopes: Sim! Isso é possível? NAO!
Então que chegue ao poder a esquerda possível com erros e acertos. #ForaTemer é bonito mas não resolve a questão. O Eduardo Cunha e o PMDB continuarão com ou sem Temer, um pobre coitado, um boneco usado pelos Estados Unidos e pela Wall Street. Estamos prestes a encarar uma ditadura ou uma eleição indireta regida por um senado contaminado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Rock Dissidente: Ainda que não apoie qualquer partido político em específico, você é de esquerda. Como se classifica?

Carlos Lopes: É verdade, sigo militante de esquerda não obstante descrer nos partidos atuais. Sou Brizolista e católico de formação. Gosto da teologia da libertação. Prefiro me classificar como um seguidor de Darcy Ribeiro.

Rock Dissidente: A DORSAL ATLANTICA voltou também por questões políticas?

Carlos Lopes: Desde que decidi "voltar" com a DORSAL ATLANTICA (mas continuo reticente a fazer shows) me perguntei se a banda teria relevância em um mundo diferente no qual fui inspirado a fundá-la. E aparentemente como o Metal "não muda" e o mundo também não. Lembrei-me que ainda havia uma batalha a ser vencida, a mesma do passado, que é perseverar a conscientização. Lembrei-me do por quê ter fundado a banda e fiz questão que houvesse uma razão para esse retorno em 2012 e a encontrei na política.

A entrevista completa pode ser lida no link abaixo:
http://rockdissidente.blogspot.com.br/2016/09/dorsalatlantic...

DORSAL ATLANTICA:

Carlos Lopes (Vândalo) - Guitarra e vocal
Cláudio Lopes (Cro-Magnon) - baixo
Toninho Rabicó (Hardcore) - bateria

Discografia:

1st demo (Demo, 1982)
Ultimatum (Split com o METALMORPHOSE, 1985)
Antes do Fim (Full-length, Lp, Cd, 1986)
Dividir e Conquistar (Full-length,Lp, Cd, 1988)
Victory / Dweller of the Streets (Single, 1988)
Cheap Tapes from Divide and Conquer (Ep, 1988)
Search for the Light (Full-length, Lp, Cd, 1989)
Musical Guide from Stellium (Full-length, Lp, 1992)
Alea Jacta Est (Full-length, Cd, 1994)
Straight (Full-length, Cd, 1996)
Terrorism Alive (Ao vivo, Cd, 1998)
Pelagodiscus Atlanticus (Compilação, Cd, 2002)
Ultimatum Outtakes 1982-85 (Compilação, Cd, 2002)
Antes do Fim, Depois do Fim (Regravação, Cd, 2005)
2012 (Full-length, Cd, 2012)
Imperium (Full-length, Cd, 2012)
Depois do Fim - After the End (Compilação, Cd, 2014)
Guerrilha: a trajetória do Dorsal Atlântica (Dvd, 2016)
O Retrato de Dorian Gray (Single, Cd, 2016)

Sites relacionados:

http://www.dorsalatlantica.com.br/
https://www.facebook.com/pages/Dorsal-Atl%C3%A2ntica/2200113...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Dorsal Atlântica"


Metal nacional: quinze álbuns clássicos de bandas brasileirasMetal nacional
Quinze álbuns clássicos de bandas brasileiras


Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular Simple ManLynyrd Skynyrd
A história da espetacular "Simple Man"

Mega-hits Manjados: 10 clássicos que se tornaram clichêsMega-hits Manjados
10 clássicos que se tornaram clichês


Sobre Willba Dissidente

Willba Dissidente é fã das bandas de hard rock dos anos 70 e 80 e de metal oitentista dos mais variados países. Quem quiser saber mais deve acessar seu canal no youtube. Obrigado! Stay Hard (True As Steel)!

Mais matérias de Willba Dissidente no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280