Selvageria: entrevista com o baterista Danilo Toloza

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna
ENVIAR CORREÇÕES  

O Underground brasileiro na década de 1980 teve uma das representações mais fieis dentro do Metal. As bandas que desenvolveram aquele cenário hoje ainda são fortes influências que abrange os dois hemisférios. A partir da entrada do ano 2000 muitos daqueles grupos que já tinham encerrado suas carreiras começavam a reaparecer. Isso ocasionou o surgimento de vários outros que "seguraram" essa bandeira e até hoje vêm alimentando essa cena calcados nos mesmos propósitos originados há trinta anos. SELVAGERIA é um desses expoentes, na ativa desde 2005 esses paulistanos adotaram não só o Speed/Thrash Metal, como também resgataram a sua ideologia e estética. O baterista DANILO TOLOZA conversou comigo sobre essa ‘paixão’ e como ele e seus companheiros, GUSTAVO EID (vocal), CÉSAR HERNADEZ CAPI (guitarra) e TOMÁS TOLOZA (baixo) conseguem conciliar trabalhos formais, famílias, shows e material para um novo álbum.

Guitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os temposSeguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundo


Fotos: arquivo pessoal

São oito anos de atividade e três registros lançados. A primeira demo gravada em 2005 já chegou mostrando a proposta da banda. Quando surgiu a idéia de resgatar os valores originais do Metal brasileiro?

Danilo Toloza: Entre 2003-2004, com o retorno de algumas bandas Brasileiras dos anos oitenta como ‘Anthares’ e ‘Taurus’, foi um ponta-pé inicial para a criação do Selvageria. O problema era que as mesmas não estavam mais com o mesmo visual, presença de palco e raça que existia naquela década, o Selvageria teve esse principal intuito de resgatar isso nos shows e na sonoridade, isso tudo "supostamente" estava sendo perdido com o tempo. Mas o Selvageria veio para mostrar que isso não e sim mais vivo que nunca, é só presenciar nossos shows que vocês irão ver a Destruição totalllllllll....(risos).

Primeira demo
Primeira demo

Ainda em 2005 a segunda demo, ‘Metal Invasor’, foi gravada com as três faixas do primeiro trabalho mais duas inéditas, ‘Águias Assassinas’ e ‘Cinzas da Inquisição’. Por que vocês decidiram incluir ‘Metal Invasor’, ‘Hino do Mal’ e ‘Ataque Selvagem’ também neste projeto?

Danilo: Esse projeto foi uma forma rápida de divulgação para o pessoal, pois em 2005 ainda não tínhamos a popularidade das redes sociais: ‘Facebook’ e ‘ Youtube’. O Selvageria ainda estava iniciando, essa foi a forma mais rápida e barata para a divulgação, no inicio teve muitas demos que foram distribuídas gratuitamente, outras vendidas a preços quase nulos ou troca com materiais de outras bandas - enviadas para outros estados e exterior. Foi uma continuação da primeira demo... que foi acrescentada três musicas e se tornando uma única demo a ser divulgada. Ainda, sem dúvidas, foi uma ótima demo e bem aceita pelo público.

A música do Selvageria pode ser facilmente associada à energia dos primeiros do Korzus, Anthares, Taurus, Dorsal Atlântica e por aí vai. Podemos perceber também uma pegada própria que os diferencia dos pioneiros, porém as influências são nítidas, concorda?

Danilo: Sim..!! Não temos como discordar, são grandes influências. Também influências internacionais como ‘Slayer’, ‘Destruction’, ‘Exodus’, ‘Running Wild’, ‘Iron Angel...’ nos primeiros álbuns. Entre todas essas grandes influências conseguimos criar naturalmente uma sonoridade que identifica o Selvageria , nós mesmo não sabemos como explicar , mas naturalmente aconteceu e isso é ótimo para a banda.

Tomás Toloza, Cesar Hernandez Capi, Gustavo Eid, Danilo Toloza
Tomás Toloza, Cesar Hernandez Capi, Gustavo Eid, Danilo Toloza

Até a chegada do primeiro álbum a banda passou por transformações na cozinha com a saída dos irmãos Ruiz, Vitão (ex-baixista) e Felipe (ex-baterista, ‘Agression Tales’, ‘Chaosfear’). Como foi a sua captação que agora ocupa a batera e de Andrei Praxedes que assumiu o baixo?

Danilo: Sim, a entrada da nova cozinha no Selvageria foi natural , Andrei já era e continua sendo um grande amigo da banda e eu já os acompanhava desde o inicio, foi algo natural e espontâneo, deixando o Selvageria mais pesado e agressivo.

Em 12 de dezembro de 2009 o ‘debut’ ‘Selvageria’ foi finalizado. Quatro das canções das demos estão contidas nele e o ‘full-length’ presenteou o Headbanger com mais cinco faixas adicionais. Como está sendo o retorno do público para a banda a partir de 2010, ano de seu lançamento?

Danilo: Bom, o público destrói tudo em quase todos os shows, são três anos de pura destruição (risos), muito bem aceito pelo banger!

Após o lançamento o baixista Tomás Toloza assumiu o posto e em 2011 a faixa ‘Trovão de Aço’ ganha um videoclipe produzido por Willba Dissidente, o mais interessante é que as imagens editadas no vídeo foram feitas sem propósito de divulgação, mostrando uma banda totalmente espontânea e com uma incrível interação de palco. Vocês gostaram do resultado final?

Danilo: Sim, agora temos o Tomás no baixo , sangue novo na banda! Esse videoclipe da faixa ‘Trovão de Aço’ produzido pelo grande amigo Willba foi e ainda é muito acessado no youtube e é uma grande forma de divulgação da banda, mostra como realmente são nossos shows, não precisa de vídeos em HD e editados por uma empresa profissional para fazer um videoclipe, ali está registrado o que realmente acontece nos shows, como o público interage com a banda, sem montagens e edições complicadas.

O que podemos esperar para o próximo álbum? A turnê oferece "descanso" para novas criações?

Danilo: Para o próximo álbum, será uma continuação do primeiro (risos). Turnê, bom, nunca estivemos em uma verdadeira e longa tour de muitos shows e cidades diferentes e essas coisas todas de um ‘Rockstar’ (risos), vivemos no Undergroud , temos nossos empregos separadamente do Selvageria, isso sim que não oferece descanso para trabalhar em novas criações, sempre procuramos brechas entre família, emprego e shows para fazer um material novo.

Vocês vão excursionar com o Comando Nuclear pelo Nordeste em outubro, dia cinco em São Luis (MA) e seis, Fortaleza (CE). Quais as expectativas para esses eventos?

Danilo: Vai ser uma correria daquelas, esses dois eventos prometem muito, estamos ansiosos!!! Como já estivemos em Teresina (PI) em 2012, já sabemos que o público do Nordeste realmente marca presença e destrói tudo mesmo..!!

Vocês têm acompanhado o trabalho das bandas nordestinas? Existe uma grande fonte de Metal Pesado no semi-árido brasileiro.

Danilo: Como já citado acima, o público nordestino está cada vez aumentando e marcando presença nos eventos, o surgimento de bandas Thrash Metal e Death- Black Metal também está grande. O Heavy Metal em geral está deixando de ser apenas concentrado em São Paulo e região sul do Brasil, está com força total no Nordeste. Os shows em São Luis e Fortaleza serão uma grande prova disso!!!

Muito obrigado pela entrevista e, em outubro, esperaremos a visita no Nordeste para podermos brindar toda a garra do Metal oitentista que varrerá as cidades.

Danilo: Nós do Selvageria agradecemos a oportunidade, Fortaleza e São Luis nos aguardem !!!!!

Contatos:

https://www.facebook.com/SelvageriaBand

https://myspace.com/selvageria

[email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal Nacional: a nova geração do Heavy Metal em portuguêsMetal Nacional
A nova geração do Heavy Metal em português

Metal Brazuca: algumas bandas que você precisa conhecerMetal Brazuca
Algumas bandas que você precisa conhecer


Guitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os temposGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoSeguidores do Demônio
As 10 bandas mais perigosas do mundo


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin