Excellence: Vocalista fala sobre incidente em boite no RS

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: Whiplash
Enviar correções  |  Ver Acessos

As bandas EXCELLENCE e PIMENTA E SEUS COMPARSAS eram, na verdade uma única banda. Compostas pelos mesmos quatro integrantes, mas com propostas diferentes (uma fazia um, com o perdão do trocadilho, excelente hard-rock autoral e outra focava em músicas de maior apelo pop), as duas bandas, originárias de Ijuí, Rio Grande do Sul, ganharam bastante respeito em seu estado natal, mas, infelizmente, ficaram mais conhecidas no cenário nacional por causa de uma tragédia. Sob o nome de PIMENTA E SEUS COMPARSAS, o baixista Robson Van Der Ham, o baterista Marcos Rigoli, o guitarrista Lucas Prauchner e o vocalista/guitarrista Valterson Wottrich (o Pimenta) estavam na boite Kiss, em Santa Maria, RS, na triste noite de 27 de janeiro, quando a ganância de alguns, o desrespeito às leis e normas de outros tiveram a estupidez de um ato inconsequente como vetor do que seria a quinta entre as maiores tragédias brasileiras. Naquela noite, o baixista Robson e o Baterista Marcos não conseguiram sair da boite com vida. Sobre a tragédia, sobre os amigos que partiram, mas também sobre como as duas bandas continuarão existindo e, principalmente, como os membros sobreviventes continuarão suas vidas, conversei com Valterson Wottrich, o Pimenta, na noite do dia 02 de maio, um dia após a data em que foram anunciados Guilherme Cardoso da Rosa e Eduardo Perin como novos baterista e baixista da PIMENTA & SEUS COMPARSAS.

Hard Rock: As bandas do gênero que ficaram para trásMetalcore: os dez trabalhos essenciais do estilo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash: Pra começar, como vocês estão, você e o Lucas, o que tem feito nos últimos três meses e como tem convivido com o que aconteceu naquela fatídica noite?

Valterson Wottrich Pimenta - Fisicamente estamos bem. Tivemos uma tremenda sorte de termos saído vivos da boate... Atribuímos somente a isso termos sobrevivido... Nunca esqueceremos essa tragédia, mas dia após dia, com a ajuda da família e dos amigos, vamos superar isso tudo... Temos que ter força também para ajudar as famílias dos amigos que se foram.

Temos feito muitas atividades no sentido de ajudar monetariamente as famílias do Robson e do Marcos. Em breve estaremos realizando uma rifa de instrumentos musicais doados por amigos e ídolos nossos, como o pessoal da banda Hangar, com quem tivemos a felicidade de tocar em algumas oportunidades, banda ZERODOZE, VENUS ATTACK, TIERRAMYSTICA... Todo o produto dessa receita será doado para as famílias dos nossos amigos.

Estamos, com muita calma, reorganizando as bandas (PIMENTA & SEUS COMPARSAS e EXCELLENCE). A PIMENTA & SEUS COMPARSAS já voltará a tocar neste sábado (04/05/2013). A EXCELLENCE demanda um pouco mais de calma.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash: Eu imagino. A iniciativa de vocês (a campanha para ajudar as esposas) foi muito louvável e o Marcos e o Robson devem ter ficado felizes, onde estavam, por ter amigos que se preocuparam com as famílias que eles deixaram. Como estão as duas esposas hoje (não sentimentalmente, por que isso a gente sabe), mas, financeiramente?

Valterson Wottrich Pimenta - Dentro do possível, elas estão bem. Mas destaco o dentro do possível. O Marcos deixou esposa e o Robson deixou esposa e uma filha que hoje tem 10 meses. Ambas trabalham, mas a dureza de tudo isso que aconteceu dificulta até as relações no trabalho. Esse suporte financeiro que estamos buscando, de forma alguma restabelece a situação à forma como gostaríamos... gostaríamos de ter nossos amigos aqui, com toda a alegria que eles sempre tinha, mas essa não é uma opção... então buscamos fazer o possível para que a dor seja a menor possível...

A dificuldade maior vem da falta física dessas pessoas...

Whiplash: Claro. Outra coisa que eu ia perguntar era justamente isso. Eram duas bandas, com duas propostas diferentes, mas com os mesmos integrantes. Isso não é tão incomum. Mas, como vai funcionar a partir de agora. Os novos integrantes farão parte da Pimenta... mas não da EXCELLENCE? Digo, mas, como vai funcionar a partir de agora?

Valterson Wottrich Pimenta - Farão parte de ambas as bandas. Mas a EXCELLENCE demanda todo cuidado... Em nossa região tivemos o máximo que se pode ter de reconhecimento. Existia um "respeito" sobre a presença física do Robson e do Marcos. Isso se construiu com o passar de muito tempo. E queremos dar esse tempo para o Eduardo Perin e o Guilherme Cardoso da Rosa (respectivamente novos baixista e baterista da banda) poder deixar tudo muito bem acertado. Isso vai acontecer naturalmente, considerando o talento deles e a relação de amizade que temos com eles há muito tempo. Eles não serão simplesmente "novos integrantes". Eram grandes amigos pessoais do Robson e do Marcos. Eles vem para dar continuidade ao grande trabalho que foi construído pelos nossos amigos.

E a EXCELLENCE é como se fosse um filho nosso... sem desmerecer a banda dos Comparsas... Mas dessa forma, então, teremos esse "cuidado extra" com a EXCELLENCE... Mas, certamente, virão coisas muito legais por aí...

Como já postei... O Marcos e o Robson estão na luz e eles nos mandarão muito dessa luz também... Certamente a última coisa que eles gostariam era que isso tudo terminasse... Mais do que o sonho, a música era a vida deles também... Fica esse legado, junto com todas as lembranças maravilhosas que guardaremos deles...

Whiplash: Entendo. O Against The Odds representa muito bem, musicalmente falando, o legado deles.

Valterson Wottrich Pimenta - Com certeza... e não só isso... tudo o que fizermos terá o "dedo" deles também. Eles não eram simplesmente colegas de música. Eram amigos de todas as horas... pessoas de um talento e bom gosto absurdamente acentuado. Isso moldou demais nossa forma de fazer e encarar música...

Eu conhecia o Marcos há mais de 15 anos e o Robson há uns 10 anos... Se eles não tocassem em uma banda que eu participasse, teriam uma relação estreitíssima comigo de qualquer forma...


Whiplash: Uma grande amizade então. Como a banda (ou melhor, as bandas) começou (começaram)?

Valterson Wottrich Pimenta - Eu e o Lucas comentamos em uma entrevista que, se eles fossem uns caras "malas", certamente tocariam na nossa banda pelo talento que tinham... ao contrário, se eles não tivessem o menor jeito com a música, tocariam na nossa banda por toda a parceria, amizade e admiração pessoal que tínhamos (e sempre teremos) por eles. Mas eles misturavam essas duas qualidades...


Whiplash: Isso é uma grande prova de amizade.

Valterson Wottrich Pimenta - Conheci o Marcos por volta de 1996, em festivais de música da cidade. Ali, já começou uma admiração mútua. Sempre nos encontrávamos na estrada e planejávamos tocar juntos. Logo após o ano 2000, o Lucas começou a tocar com o Marcos. Paralelamente, nessa época, eu conheci o Robson. Em 2006 eu entrei na EXCELLENCE. Nesse mesmo ano o Lucas também veio para a Pimenta & Seus Comparas... Logo após, em 2007, após o carnaval, o Róbson veio para os Comparsas também, e em Julho veio para a EXCELLENCE também.

Em 2012, finalmente, conseguimos ter a mesma formação de ambas as bandas... Fizemos uma "troca" com o baterista anterior (Jeancarlo Cardoso, curiosamente, primo do Guilherme) onde o Marcos Rigoli fazia "free", tendo o Jean sido efetivado, e o Marcos integrado, então, ambas as bandas desde então.

Outra curiosidade é que o Gui, novo batera, é irmão do primeiro baterista da PIMENTA & SEUS COMPARSAS (Alexandre Cardoso da Rosa), sendo que ele via ensaios da gente quando tinha, por volta de 6 anos, e já queria tocar batera desde aquela época...

O Jean também é um grande amigo, colaborador e um talentoso baterista...

Whiplash: Talvez essa nem seja a melhor hora pra falar sobre isso, mas, e quanto ao futuro? Como qualquer banda autoral, eu imagino que vocês estivessem trabalhando, compondo, em algum estágio, o sucessor do Against... quando foram interrompidos pelo que aconteceu. Existe alguma coisa, em algum estágio, a ser trabalhada e lançada pela EXCELLENCE?

Valterson Wottrich Pimenta - Sim... Infelizmente não temos os registros do que estávamos fazendo... Seria muito bonito ter essa lembrança, mas como já dito, o Eduardo e o Gui vêm para dar continuidade a essa construção maravilhosa do Marcos e do Robson. A ideia da banda sempre foi ser de TRABALHO AUTORAL (sim... em letras garrafais). Fazemos covers de músicas que gostamos, mas a ideia é ter a tua impressão digital, o teu DNA na tua música...

Mas vamos manter as ideias, o direcionamento... e vamos fazer coisas bem legais... o sonho do Marcos e do Robson não vai terminar assim...

Whiplash: Claro, não podem deixar terminar. Tem que continuar. E quanto aos equipamentos? Como está essa situação?

Valterson Wottrich Pimenta - Pois então... Na realidade, tudo o que foi levado para a boate (4 guitarras, 1 baixo, pedais do baixo, 2 pedaleiras, microfone sem fio, in ear, transmissores, peças de bateria) foram perdidos no incêndio. Fizemos campanhas "públicas", mas destinamos esses valores para as famílias dos nossos amigos, pois sabemos que a situação para eles é infinitamente pior... Estamos buscando apoio material (sim... dinheiro...) de empresas para ajudar na aquisição de instrumentos musicais. Por ora, estamos tocando com instrumentos musicais emprestados de amigos nosso. Até o presente momento, destacamos as empresas que fizeram doações para aquisição de instrumentos musicais novos aqui de Ijuí - Cia da Música (Fábio Schwanke), Bronzatto Leilões, Cisbra, Cargnelutti Leilões. Vamos destacar nas redes sociais todas as empresas que colaboraram na (re)aquisição dos instrumentos musicais para podermos voltar ao trabalho.

A perda monetária em relação aos instrumentos musicais, em valores de mercado de hoje, ultrapassa os R$50.000,00. Era tudo equipamento de primeiríssima linha.

Esse apoio é importantíssimo pois, de momento não teríamos como adquirir esse equipamento todo...

Whiplash: Pelo menos tem essa rede de ajuda para que vocês continuem o seu trabalho, né? Acho que isso vem do que você falou no início, de "não ser mala" e ter talento, de serem músicos bons e pessoas boas. Estamos muito longe aqui, mas desejamos que bons ventos soprem pra vocês agora e que vocês consigam recuperar essa perda, que, na verdade, é a única que pode ser recuperada.

Valterson Wottrich Pimenta - Com certeza... O desejo maior era de não ter estado lá naquela noite... A fatalidade fez com que estivéssemos... Mais doido é que essa data foi transferida 2 vezes até definirmos para aquele dia. Estamos felizes com a entrada do Eduardo e do Guilherme na banda... Mas extremamente tristes pela circunstância na qual elas estão ocorrendo... Mas sabemos que o Marcos e o Robson aprovariam estas escolhas. Ambos eram amigos pessoais deles.

Whiplash: Ainda é cedo para a justiça funcionar e os culpados serem punidos, tanto penalmente quanto financeiramente. Gostarias de comentar o que você já é capaz de enxergar nesse sentido?

Valterson Wottrich Pimenta - Pois é... Difícil... certamente há culpados, neles inclusos muitos que estão envolvidos na denúncia... Mas acho que muita gente que deveria estar incluídos na investigação e na denúncia estão se safando... Houve displicência na "construção" da casa, falhas absurdas na fiscalização, liberação de alvará indevidamente... Mas como sou parte nesse processo, vou deixar para as autoridades competentes fazerem seu trabalho e torcer para que sejam iluminados nesse mister.

Whiplash: E sobre o show desse final de semana, onde vai ser, como vai ser, outras bandas vão dividir o palco com vocês?

Valterson Wottrich Pimenta - Neste sábado estaremos tocando uma festa de casamento aqui em Ijuí, nossa cidade. Participamos muito desse tipo de evento (casamentos, formaturas, etc.) com a Banda Pimenta & Seus Comparsas... basicamente esse tem sido o foco dessa banda.

Uma época, em 20 eventos 18 eram do tipo "boate" e 2 tipo "festa fechada formal". Ultimamente essa relação se inverteu.

Whiplash: Felicidades ao casal. Imagino que eles saibam a importância desse show, afinal, é o primeiro show de uma banda que passou pelo que vocês passaram.

Valterson Wottrich Pimenta - Certamente. O noivo é o irmão de um amigo de infância do Lucas, nosso guitarrista. Esse evento será um marco na história da banda e será cheio de "envolvimento emocional".

Whiplash: Imagino que vá ser um evento muito emocionante. E que um ou mais de vocês acabe se rendendo às lágrimas. Mas, isso faz parte.

Valterson Wottrich Pimenta - A música é movida por emoção. Seja ela o estilo que for, sempre tem uma carga emocional muito grande. Seja de emoção ou fúria...

Whiplash: Sim. É por isso que gostamos de rock. Outros estilos, embora merecendo respeito quando as músicas tem qualidade, acabam se limitando liricamente, só existe uma emoção: o amor. Amor é bom, claro, mas a vida é mais que isso. Para o rock não há limitações.

Valterson Wottrich Pimenta - Exatamente... O Rock transcende tudo isso... vai nisso e muito mais...

O Rock é o estilo que fala da vida real... mais do que falar, espelha um estilo de vida... mostra o bem, o mal, o bonito, o feio e rebelde... É muito mais do que música/letra... Com todo respeito à demais, para mim é a expressão mais complexa da arte.

Whiplash: Inevitavelmente, voluntariamente ou não, acredito que vocês passarão para as próximas letras algo da experiência que passaram. Pra tentar prever a Excellence do futuro, como você descreveria o Valterson Wottrich e o Lucas Prauchner de hoje? Como você os compararia com o Valterson e o Lucas que eram até o final do ano passado?

Valterson Wottrich Pimenta - Falando por mim, vejo-me como uma pessoa que sabe valorizar mais os "pequenos detalhes". Imagino que o Lucas também está tendo essa visão. Ele sempre foi um cara muito calmo e tranquilo. Sempre tive uma relação muito boa com ele e agora temos essa "ligação cósmica", afinal renascemos no mesmo dia, no mesmo local e no mesmo momento. Isso nos faz, de certa forma, gêmeos... Mas o ritmo frenético é algo que em nada contribuiu para as pessoas... A tranquilidade de espírito é uma coisa fantástica que a gente pode buscar... tenho trabalhado bastante minha cabeça neste sentido.

Whiplash: Que bom que esteja encarando desta forma. E que interessante que estejam se vendo assim também, como irmãos gêmeos que renasceram no mesmo dia.

Valterson Wottrich Pimenta - Mas não há outra descrição. Isso é uma "oportunidade extra" que a gente teve... Só quem esteve lá sabe do que estamos falando. Não é exagero algum dizer que estivemos por um fio.

Whiplash: Mais uma vez nesse assunto (infelizmente, volta e meia, é difícil não lembrar disso - seria muito melhor se conversássemos só sobre música, mas isso não é possível - pelo menos não agora), quanto aos outros "irmãos gêmeos", ainda há sobreviventes no hospital, não? Você tem acompanhado? Você tem tido notícias deles? Ou contato com eles? Ainda há risco para alguém?

Valterson Wottrich Pimenta - Ainda há pessoas internadas, mas sem risco de morte. Mas há muito risco de se ter sequelas. Essa semana mesmo refiz exames, pois aspirei bastante daquela fumaça extremamente tóxica. Mas, felizmente, tudo está clinicamente ótimo com minha saúde.

Whiplash: Ainda bem. Espero que todos os que conseguiram sair de lá, consigam superar, tanto física quanto emocionalmente. Fico feliz que vocês estejam seguindo em frente e continuando com as bandas. Espero voltar a ter notícias suas, só que, dessa vez, mais alegres. Agendas lotadas, novos discos da Excellence. Espero resenhar muitos ainda.

Valterson Wottrich Pimenta - Ótimo. Com certeza assim será. Agradecemos o apoio de sempre, tanto em relação à cobertura de eventos das bandas como na divulgação de campanhas.

Whiplash: Por falar em discos. Como estão as vendas do Agfainst The Odds. Aproveite para divulgar como comprá-lo, principalmente para quem não mora no Rio Grande do Sul.

Valterson Wottrich Pimenta - Pois bem... O disco teve e tem uma procura muito legal, considerando a divulgação que fizemos (orçamento absolutamente inexistente neste sentido, contando somente com a ajuda de amigos e internet em relação à divulgação). Mas a expressão que isso gerou foi muito positiva em nossa avaliação. A compra do CD pode ser feita diretamente comigo ou com o Lucas Prauchner (http://www.facebook.com/lucas.prauchner?fref=ts) aqui mesmo pelo facebook ou pelo perfil da banda (http://www.facebook.com/excellencerock.ijui?ref=tn_tnmn).


O CD também tem o download autorizado gratuito no site da banda www.excellencerock.com . Pode baixar a vontade e se gostar (se não gostar) pode fazer a compra do "CD físico" e dar seu apoio a banda que é o máximo do extremo do conceito "independente".

Whiplash: Já baixei faz tempo. Ouvi bastante. Quem curte a música de verdade acaba baixando primeiro (legal ou ilegamente), mas acaba adquirindo o material físico.

Valterson Wottrich Pimenta - Verdade. Esse é um diferencial de quem curte rock. O cara baixa o material e, se gostar, vai buscar onde adquiri-lo fisicamente. É uma característica do cara que curte rock ter um pouco de "colecionador". É a benesse de ter o gosto requintado... vai ver se essa galera que passa com o "som bombando" com sertanejo universitário tem um CD original... os caras não sabem nem o nome de quem está cantando... no rock a coisa é diferente...

Whiplash: Por falar em bandas que admiramos, antes de fechar, quais as bandas que mais influenciaram o som da EXCELLENCE?

Valterson Wottrich Pimenta - São tantas as influências de todos os integrantes. Eu gosto bastante de muitas coisas, algumas mais pesadas outras nem um pouco (de IRON MAIDEN, METALLICA, MEGADETH a BON JOVI, AC/DC, AEROSMITH). Tenho bastante disso na minha construção musical. O Lucas também tem muita influência de bandas como Aerosmith. O Marcos era "doido" por IRON MAIDEN, em especial. O Robson tinha uma porção de influências diferentes, como DREAM THEATER e MR. BIG. Dos novos integrantes, o Gui tem uma tatuagem do John Boham, então fica fácil saber que ele curte demais um ZEPPELIN. O Perin gosta bastante dessa linha também, como DEEP PURPLE e os rock setentistas, além de METALLICA e afins.

Whiplash: Bem, eu acho que já temos bastante material para a entrevista. Peço desculpas mais uma vez se, de alguma forma, fui mais incisivo do que deveria, se toquei em uma ferida que não deveria ter tocado. Fique à vontade agora pra falar, divulgar, deixar uma mensagem para os leitores do Whiplash.

Valterson Wottrich Pimenta - Imagina... passar por isso faz parte do processo de superação disso tudo.

Gostaria de convidar a todos para receberem o Guilherme Cardoso da Rosa (baterista) e o Eduardo Perin (baixista) para a Pimenta & Seus Comparsas e, posteriormente, para a Excellence. O Marcos e o Robson nunca serão esquecidos por tudo que foram e fizeram pelas bandas e, pessoalmente, como amigos. O Gui e o Eduardo estão chegando para dar continuidade a esses projetos que são feitos com muito carinho e cuidado pela gente. Fica o convite para todos visualizarem e curtirem as fan pages da Excellence (http://www.facebook.com/excellencerock.ijui?ref=hl) e da Pimenta & Seus Comparsas (http://www.facebook.com/pimentaeseuscomparsas?ref=hl) e poder conferir vídeos, fotos, agenda atualizações.

Agradecemos também o apoio incondicional de todos os amigos, fans, admiradores e meios de comunicação sérios que nos deram todo o suporte para gente nesses momentos difíceis...

Nota: esta entrevista foi feita antes do primeiro show com a nova formação. A foto abaixo mostra Valterson Wottrich, Lucas Prauchner e Eduardo Perin durante este show.

Créditos desta foto: Kelli Simões Silva




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Excellence"


Hard Rock: As bandas do gênero que ficaram para trásHard Rock
As bandas do gênero que ficaram para trás

Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloMetalcore
Os dez trabalhos essenciais do estilo


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline