Sepultura: Andreas Kisser fala sobre o De La Tierra em entrevista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: jasonkorolenko.com, Tradução
ENVIAR CORREÇÕES  


Andreas Kisser, guitarrista do SEPULTURA concedeu uma entrevista a Jason Korolenko, onde falou da próxima turnê e do próximo disco do SEPULTURA e de seu trabalho com o super-grupo latino-americano DE LA TIERRA.

Kerrang: os melhores singles já lançadosFotos de Infância: Lemmy Kilmister, do Motorhead

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Andreas Kisser não vai dormir muito este ano. Entre compor para o décimo terceiro álbum do Sepultura, ensaiar para uma turnê européia com o HAMMERCULT, gravar um programa semanal que vai ao ar todos os domingos numa rádio brasileira (e online), preparar-se para o Rock in Rio de setembro, no Rio, onde o SEPULTURA irá realizar dois shows em duas noites diferentes- um com o compositor brasileiro Zé Ramalho, o outro com os percussionistas franceses LES TAMBOURS DU BRONX (que será gravado para lançamento em DVD) - Andreas decidiu começar uma nova banda, uma espécie de supergrupo latino-americano Latina, chamado DE LA TIERRA.

O lineup do DE LA TIERRA é completado por Alex Gonzalez da lenda do rock mexicana Maná, Andrés Giminez da A.N.I.M.A.L., e "Sr. Flavio, da FABULOUS CADILLACS. Nesta entrevista exclusiva, Andreas graciosamente tirou um tempo da gravação para discutir a DLT, bem como sucessor de KAIROS de 2011 do SEPULTURA.

JK: o SEPULTURA começará uma turnê européia em cerca de uma semana. Você vai terminar de gravar com o DLT antes de ir para a Europa?

AK: Pelo menos as guitarras, sim. Guitarras e vocais, mas Andrés vai voltar para Buenos Aires para terminar os vocais e, quando voltamos, Stanley [Soares, o produtor] vai mixar tudo.

JK: Então a coisa toda está pronta?

AK: Sim, está. Bem, algumas letras ainda tem que ser feitas, mas noventa por cento do material está pronto. Andrés está gravando suas guitarras lá, e eu só estou aqui por perto para... porque é a primeira vez que eu estou tocando com outro guitarrista depois de Max, você sabe, depois de tanto tempo, e não é fácil de colocar duas guitarras juntas. Você realmente tem que conhecer um ao outro e nós [Andreas e Andrés] não tocamos muito juntos de verdade, mas estamos fazendo um bom trabalho montando um arranjo e fazendo-o soar como uma banda. (Risos) Nós praticamos um pouco e ele é um grande músico também, e todo mundo está realmente conectado. Estamos gravando em lugares diferentes, mas está soando muito forte. É incrível.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Aqui [gravação do DLT] estamos nos encontrando agora. Isso tem um monte de espaço para ficar muito melhor. Agora estamos conhecendo um ao outro como guitarristas ... eu e Max, nós éramos tipo, como um só, praticamente. Nós tocamos muito juntos. Desde que eu entrei na banda, estamos habituados a praticar todos os dias, cara. Todos os dias. Havia algo muito sagrado pra gente nisso. E muito apaixonado. Nós amamos fazer isso. E nós íamos para a sala de a cada dia e nós tocávamos e tocávamos. Nós tocávamos alguns covers, mas nós compomos ... nós compomos muito. E então nós construímos esse tipo de estilo que tivemos juntos, então ... isso leva tempo. Estamos começando algo novo aqui que já está soando muito bom , muito poderoso, mas não há muito espaço para ficar muito melhor. Nós ainda temos que ... nós nunca fizemos um show juntos, por exemplo. É algo que vai fazer falta. Mas assim que começarmos a subir no palco e tocar e tal, nós vamos realmente tornar isso algo ainda mais forte do que o que estamos ouvindo hoje, que já é incrível. (Risos)

JK: E sobre o novo do SEPULTURA? Vocês terminaram de compor ou continuam trabalhando nisso também?

AK: Não, nós ainda estamos trabalhando. Temos treze músicas, acho que duas ou três letras, e algumas idéias. Ainda há muito a ser feito. Nós vamos trabalhar muito em turnê, especialmente em letras e arranjos vocais, mas as canções estão praticamente prontas . Todos os riffs e estruturas, tambores ... muito a ser feito no baixo também. Mas logo chegaremos a Los Angeles com Ross [Robinson]. Vamos ter alguns dias de pré-produção, você sabe, tocando as coisas com ele e vendo as suas sugestões, e depois iniciaremos a gravação.

JK: Você está reservando para junho para fazer isso?

AK: Sim, de Junho até Julho. Nós vamos passar seis semanas, trabalhando com ele e Steve Evetts, os produtores de álbuns do SEPULTURA anteriores, por isso é incrível trabalhar com eles juntos neste . Nós vamos fazer duas músicas extras que gostaríamos de usar como faixas bônus. Uma do DEATH "Zombie Ritual", e outro de uma banda brasileira, CHICO SCIENCE. Eu acho que você sabe, né, CHICO SCIENCE e NAÇÃO ZUMBI ? "Da Lama Ao Caos." Nós vamos fazer alguma coisa em Português, cantando todos juntos.

JK: Derrick vai cantar em Português?

AK: Sim, eu e Derrick vamos tentar fazê-lo. É difícil para mim também, cara. É Português, Português, mas do Nordeste do Brasil. É uma forma muito diferente de dizer as coisas, e é a poesia da região . Vai ser um desafio, cara. Desde que fizemos "Policia" e RATOS DE PORÃO, sabe, há um tempão ... como, na época do Chaos AD, nós nunca realmente gravamos nada do Brasil. Por isso, será bom fazer deste vez, especialmente com Chico Science.

JK: Estou animado com isso. Eu meio que sinto falta dessas canções brasileiras. Como você disse, isso já faz um tempo.

AK: Sim, especialmente por causa de Derrick, que é americano. Mas agora poderíamos usar seu português ruim e meus vocais ruins. (Risos) Vai ser uma boa combinação. Vai ser legal.

JK: Against foi a última vez que vocês compartilham vocais.

AK: Verdade. Sim, nós fizemos isso porque passamos oito ou nove meses como um trio, escrevendo a maioria das coisas pro Agaisnt. E eu experimentei a minha voz em muitas canções, em muitos trechos, músicas completas e coisas assim. A idéia era ser um trio e tentar continuar como um trio. Foi uma experiência legal para mim tentar usar a voz e tentar fazer as coisas antigas, como eu fazia antes, quando Max não era capaz de tocar em alguns shows que tocamos como um trio. Mas isso é algo totalmente diferente, tentar fazer o seu próprio estilo e criar sua própria forma característica. Nós fizemos isso para o "Against" por causa desse período de tempo. Em seguida, Derrick assumiu , principalmente porque ele é muito melhor, você sabe. Ele é muito focado nas coisas. Mas eu gostaria de usar minha voz de alguma forma, às vezes. E desta vez vai ser legal porque eu realmente amo essa música, amo CHICO SCIENCE e NAÇÃO ZUMBI, é ótimo que nós queiramos tentar fazer alguma coisa juntos. E musicalmente, vai ser ótimo ter o sotaque do Derrick tentando dizer a poesia Chico.

JK: Voltando para o DLT por um momento. Você está pensando em continuar na vida da banda depois deste álbum? É algo que você quer fazer por mais tempo?

AK: Com certeza. Quer dizer, essa é a idéia realmente, desenvolver algo realmente legal, construir uma história e desenvolver a nossa música e as nossas possibilidades artísticas. Todo mundo vem de um lugar diferente e estamos fazendo algo novo juntos, algo muito pesado em espanhol, com músicos que estão com um monte de bagagem. 20, 30 anos de carreira. Então, todo mundo tem um monte de experiência . É uma grande mistura, e nós sabemos muito claramente como queremos ... soar, e como queremos que pareça... como serão as turnês, etc . Passo a passo vamos lançar o nosso plano para o mundo.

JK: Quanto desse plano, você pode me dizer agora?

AK: Eu já falei demais. Até logo. (Risos)

JK: Já tem alguma turnê se alinhando com esses caras?

AK: Não é realmente turnê ... não temos mesmo planos para turnê. Temos algumas ideias, mas ainda é muito cedo. Estamos muito focados no álbum agora. Nós ainda temos algumas letras para trabalhar, algumas idéias vocais, então ... é claro paralelo a isso, temos em mente algo para os próximos meses e anos, mas ainda é muito cedo para falar sobre isso.

JK: Você acha que por estar tudo em espanhol, não vai ter foco apenas na América Latina?

AK: Na verdade não, cara. Queremos tocar no mundo inteiro independentemente do idioma. Queremos ser o RAMMSTEIN da língua espanhola. (Risos)... eles fizeram isso sem mudar sua língua nativa. Eles são um enorme sucesso em todo o mundo. Eu acho que DE LA TIERRA tem a possibilidade de fazer isso, tocar esse tipo de música que vai ultrapassar a barreira do idioma. Vai ser principalmente o espanhol, mas um pouco de português também, para que você tenha essa possibilidade de realmente conectar o Brasil ao resto da América Latina. Espero que seja um marco que pode ajudar a nos juntar mais, porque o Brasil é muito separado do resto, especialmente por causa da língua. Então... vamos ver, cara.

Confira o site do DE LA TIERRA, e dê um like na sua página no Facebook para ter atualizações sobre o processo de gravação. Datas da turnê europeia podem ser encontradas no site do do SEPULTURA, e se você não tiver feito isso ainda, por favor, siga a página "Relentless - The Book of do SEPULTURA" no Facebook. Eu editei algumas histórias incríveis da conversa acima, mas se você quiser ler essas, você vai ter que esperar pelo livro. Vai valer a pena, eu prometo.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Sepultura"


Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o SepulturaMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Igor Cavalera: drumcam de clássicos do Sepultura em ChicagoIgor Cavalera
Drumcam de clássicos do Sepultura em Chicago


Kerrang: os melhores singles já lançadosKerrang
Os melhores singles já lançados

Fotos de Infância: Lemmy Kilmister, do MotorheadFotos de Infância
Lemmy Kilmister, do Motorhead


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline