Symphony X: "os fãs brasileiros são os melhores do mundo"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar correções  |  Ver Acessos

Sem dúvida alguma, uma das maiores bandas de Metal Progressivo, aquela que incorporou um peso extra ao estilo, sem perder a qualidade técnica inerente ao gênero em questão, os americanos do Symphony X são uma das bandas dos anos 90 mais cultuadas pelos fãs no Brasil, que novamente terão a oportunidade de conferir de perto toda a excelência de sua música em Abril. Conversei com o baixista Mike LePond sobre os shows aqui, sobre o mais recente disco, o bom "Iconoclast", o cenário metálico mundial e o futuro do Symphony X. Confiram o que Mike tem a dizer e preparem-se todos para uma apresentação imperdível.

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StonePoison: Bret passou o cambão na mãe da Hannah Montana?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente - Vocês irão tocar novamente no Brasil em Abril. Qual são as melhores recordações dos shows anteriores aqui?

Mike LePond - A melhor lembrança do Brasil é a paixão dos fãs. Os fãs brasileiros de metal são os melhores do mundo. Nós estamos indo tocar ai desde o ano de 2000 e nunca ficamos desapontados.

Vicente - O que você espera deste novo show aqui? E o que os fãs daqui podem esperar do Symphony X?

Mike LePond - Cada vez que vamos a São Paulo, é um show matador. Nós esperamos um show de boa música, ótimas pessoas, e grandes lembranças. Iremos tocar muitas músicas do nosso CD Iconoclast, bem como algum material clássico. Nós temos certeza que vocês irão se divertir.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Vicente - Para você, quais são as músicas que nunca podem estar fora de um set list do Symphony X?

Mike LePond - Symphony X sempre terá algumas músicas que sobrevivem a cada set list. São canções que criam uma conexão mágica para os fãs. Alguns exemplos são "Of Sins and Shadows, Inferno, Set the World on Fire e Iconoclast".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente - Você já tocou em muitos países ao redor do mundo nos últimos anos. Você acha que esses dias são melhores ou piores para as bandas em geral?

Mike LePond - Eu acho que o metal ainda está vivo e bem em todo o mundo. Sempre haverá um mercado enorme para ele. O único problema ultimamente é que a economia mundial não tem estado muito bem, e isso tem afetado alguns lugares.

Vicente - O seu último álbum de estúdio foi "Iconoclast", de 2011. Como você vê o álbum depois de todo esse tempo? Como foi a gravação de "Iconoclast"?

Mike LePond - Estamos muito orgulhosos de "Iconoclast". Escrever e gravar esse disco foi um trabalho de amor. Agora, quase dois anos depois, sentimos que o CD ainda mantém o seu peso no mundo do metal. Nós esperamos que nossos fãs concordem com isso.


Vicente - Quais são seus maiores objetivos para 2013?

Mike LePond - Nosso maior objetivo para 2013 é termos em mão um novo álbum composto e gravado. É sempre uma honra e um desafio para nós criar um novo material para os nossos fãs.

Vicente - No próximo ano (2014) Symphony X vai completar 20 anos de existência. Como você vê a trajetória da banda depois de todos esses anos?

Mike LePond - 20 anos depois, eu vejo Symphony X como uma banda que continua a reinventar-se sem perder a integridade. Começamos fazendo um estilo meio Neo-Clássico e evoluímos para um som mais pesado. Nós nunca sabemos como um novo disco vai soar até que realmente começamos a escrevê-lo

Vicente - Muitas bandas novas são influenciadas pelo Symphony X. Inclusive alguns fãs daqui dizem que a banda merecia um destaque ainda maior. Você vê tudo dessa forma também, há algo que você ainda não conquistou em todo esse tempo?

Mike LePond - Estamos lisonjeados por termos influenciado tantas bandas. Claro que gostaríamos de ter mais popularidade, mas o mundo da música funciona de uma forma estranha. Agradecemos a nossos fãs leais que sempre estiveram com a gente e juntos vamos continuar a crescer.

Vicente - Quando você começou na música, quais foram as suas maiores influências, que inspiraram você a ser um músico profissional?

Mike LePond - Bom, eu cresci ouvindo heavy metal clássico. Sabbath, Priest, Iron Maiden são alguns exemplos. Estas bandas foram grandes professores para meu estilo de compor e moldaram minha forma de tocar.

Vicente - Em poucas palavras, o que você pensa sobre essas bandas:

Dream Theater: Todos no Dream Theater são incrivelmente talentosos e tem o meu respeito eterno

Metallica: Os primeiros três discos do Metallica são alguns dos melhores discos de metal de todos os tempos

Rush: Rush tem a melhor cozinha do negócio e seu material na década de 70 é incomparável

Deep Purple: Deep Purple sempre foi tão à frente de seu tempo. Blackmore e Gillan são Deuses

Kamelot: Kamelot sempre demonstrou uma música de qualidade, com integridade e estilo.

Vicente - Por fim, deixe uma mensagem para todos os brasileiros que curtem o som do Symphony X

Mike LePond - Aos nossos amados fãs brasileiros: Em nome da banda, gostaria de dizer obrigado por seus anos de apoio. Nós os amamos e estamos tão animados para vê-los em Abril!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Symphony X"


Symphony X: Michael Romeo escolhe suas músicas preferidasSymphony X
Michael Romeo escolhe suas músicas preferidas

2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentados2000 a 2002
10 shows/turnês pouco comentados


Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Poison: Bret passou o cambão na mãe da Hannah Montana?Poison
Bret passou o cambão na mãe da Hannah Montana?


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280