Blindagem: mais de 35 anos de Rock n Roll

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Schenato Barroso, Fonte: Folha de Irati
Enviar correções  |  Comentários  | 

Com mais de 35 anos de estrada e de rock ‘n’ roll, a banda curitibana Blindagem esteve no município de Irati, no sábado (15) se apresentando no Underground Snooker Bar durante a Virada Cultural da cidade. Na ocasião, apresentaram clássicos do grupo como “Dias Incertos”, “Miragem” e “Loba da Estepe”, além de versões cover de músicas marcantes da história do rock. Em entrevista exclusiva para a Folha de Irati, Juk e Teixeira, os “Paulos” do Blindagem, fizeram um balanço das diferenças entre o mundo da música atual comparado ao do início da carreira, comentaram sobre a perda do vocalista Ivo Rodrigues, em 2010, deram dicas para bandas de rock iniciantes e revelaram alguns planos para 2013.

5000 acessosIron Maiden: "se as bandas de metal mandassem no mundo..."5000 acessosIron Maiden: a concepção original de Eddie

Qual o segredo do Blindagem para ultrapassar 35 anos de carreira no rock ‘n’ roll?

Paulo Juk – O que importa, mais do que tudo, é que você criou uma marca registrada. No nosso caso, assim como de outras bandas que estão na faixa dos 35-40 anos, como os Rolling Stones, Eagles e o Roupa Nova, é uma coisa meio sem mudança. Conseguimos manter a mesma formação, com exceção daqueles que foram partindo pelo caminho. Isso não é mudança, mas uma continuação do trabalho dos que nos deixaram, só que a essência da banda é a mesma, não partiu para outros movimentos musicais que surgiram. No geral, o grupo permanece porque conseguiu criar uma marca e ficar junto por uma grande amizade que existe.

Paulo Teixeira – Basicamente é o amor à música, o prazer de tocar. A banda através do tempo vai se comprometendo cada vez mais com o público e passamos a ficar com o desejo de ‘fazer a cabeça’ de quem curte a gente. Nunca nos negamos a tocar em qualquer lugar, ou seja, é a vontade de tocar e o ‘tesão’ de fazer música, de ser guitarrista e divertir as pessoas que motivou a longevidade da banda. E também a amizade entre os integrantes, que é essencial.

Quais as diferenças entre o universo musical do início da carreira do Blindagem e o atual?

Paulo Juk – Quando nós surgimos, o mundo vivia uma revolução cultural, com aquilo de `amor livre`, `Flower Power`, `paz e amor` e tudo mais, e todas as dificuldades que existiam no acesso à informação. Lembro que era difícil estudar música: alguém tinha uma partitura e você pegava a cópia da cópia mimeografada e fazia disso uma forma de estudo, ouvindo gravações de baixa qualidade. Os Beatles lançavam uma música e ela demorava anos para chegar aos EUA e mais tempo ainda ao Brasil. Hoje, há uma revolução tecnológica e as coisas acontecem muito mais rápido devido à internet: uma banda lança uma música e no mesmo dia ela pode ser ouvida em qualquer lugar do mundo. E pouquíssimo tempo depois, você já pode aprender a tocá-la pela internet.

Paulo Teixeira – A gente pode dizer que viu uma transformação importante do analógico para o digital. A gente viveu esse momento de transição. Nos adapta-mos a isso, desenvolvendo mais o lado tecnológico para estarmos inseridos na web, atualizando e aproveitando mais dos canais novos que ‘pintaram’. Esse é o dado mais importante da evolução da banda: ter gravado em fita analógica, muitas vezes sem condições apropriadas, e agora ter a facilidade de registrar qualquer coisa a qualquer momento.

Como você enxerga o cenário atual do rock no Paraná e no Brasil?

Paulo Juk – O rock continua. Hoje você vai num show de Sertanejo Universitário, que é a música do momento, e escuta Legião Urbana, Barão Vermelho, Raul Seixas. Então, o que há é um movimento da mídia para empurrar um segmento musical que está sendo consumido. Acho que a coisa deveria ser mais eclética: a música não precisa ser tão consumida. Assim como o rock, na década de 80, que encheu de tanto tocar na rádio. Você ligava e só tocava rock. Isso era uma imposição de mídia, era o movimento cultural da época. Poucas bandas daquele tempo sobreviveram, como deverá ser com o Sertanejo Universitário de hoje.

Paulo Teixeira – A gente sempre vive na esperança de que o rock cresça e não seja subjugado por outras vertentes, coisas até meio xaropes, como é o caso da música ‘sacana’, bem comercial, procurando a melodia fácil. A gente sempre foi fiel a essa a linha roqueira e não pode se render a ir, por exemplo, para um sertanejo agora só porque está em alta. Apesar de que a banda tem todo um lado de violões, um lado caipira. Eu sou de Palmeira, que é aqui do ladinho de Irati. O Juk também é do interior, todos com uma origem humilde e nas coisas puras, ‘da terra’.

Qual dica você dá para quem está começando ou pretende começar no ramo da música?

Paulo Juk – Como hoje o acesso à informação é muito maior, a renovação também é mais rápida. Uma banda surge hoje como um sucesso no youtube e duas semanas depois já tem outra, e depois outra e várias ao mesmo tempo. Então, acima de tudo, você precisa ser muito honesto e confiar no que faz, independentemente do estilo musical. E isso eu não vejo hoje. Muitos conhecidos meus que tocavam rock, passaram para outro estilo por ser mais consumido. Aí o cara não está sendo honesto com ele mesmo, porque escuta uma música em casa e no palco toca qualquer outra só para acompanhar a onda do momento.

Paulo Teixeira – É procurar, com todas as forças, trabalhar em algo próprio. Claro que é muito gostoso você tocar um sucesso, fazer um cover legal e tudo mais. Mas é muito importante você tentar passar uma coisa própria. O artista tem que procurar fazer a sua música, de repente algo ligado à realidade dele, de onde ele mora, tentando que suas letras modifiquem alguma coisa e interajam de forma positiva com a galera.

Em 2010, o Blindagem perdeu o vocalista Ivo Rodrigues, vítima do câncer, aos 61 anos. Como você recebeu essa notícia e como isso afetou a banda?

Paulo Juk – Na verdade, isso já vinha acontecendo há alguns anos e a gente via que aquela doença ia consumir com ele. Foi um processo muito doloroso: ele com aquela energia, querendo tocar, nós muitas vezes não querendo que ele fosse porque víamos que ele não estava legal. Ele ia e o público achava que estávamos obrigando ele a cantar. Foi uma dificuldade muito grande. Principalmente no último ano, porque ninguém sabia o que fazer, se o Blindagem ia continuar ou não. Mas alguns dias antes, tivemos uma conversa e ele nos incentivou, assim como diversas pessoas ligadas à banda. No dia em que eu recebi a notícia do falecimento dele, eu vi a força da internet. Pouco tempo depois de postar no meu Twitter, a informação já havia sido compartilhada por milhões de pessoas.

Paulo Teixeira – Eu estava junto com Ivo, estivemos juntos até o último momento. Considero que, apesar de todo o sofrimento que ele teve, ele não se foi. Ele é uma coisa assim, meio mística. Sentimos que ele está presente. Muitas músicas eram dele, então é impossível imaginar o Ivo fora. Quer dizer, ele está fora, mas está dentro também: na vibração que ele tinha e na influência que ele deixou. Vários cantores de Curitiba e outros lugares que se tornaram profissionais são decla-radamente inspirados nele.

Quanto ao Rodriggo Vivasz, atual vocalista, o que ele acrescentou à banda?

Paulo Juk – Ele já estava cantando com a banda mesmo com o Ivo vivo, que sabia disso e gostava muito do trabalho do Rodriggo no The Elder, assim como o resto da banda. Não foi fácil para ele. No primeiro show ele subiu no palco e o público gritando o nome do Ivo, chorando. Tudo isso foi difícil para o Rodriggo assimilar. Mas é um cara quinze anos mais novo, então traz uma energia maior em cima do palco, mais pique. E claro, a capacidade vocal dele possibilitou a continuidade do Blindagem.

Paulo Teixeira – Ele apresentou uma coisa muito bonita. Além de ser um amigo, que se encaixou perfeitamente no grupo como se fizesse parte o tempo todo, ele humildemente se sujeitou a subs-tituir o Ivo nas horas difíceis e fez esse ‘rito de passagem’ de forma maravilhosa, às vezes imitando o Ivo de certa forma. O legal é que ele já está imprimindo seu estilo na banda e o Blindagem já começa a ter um outro lado diferente, e esse é o objetivo do lance.

Quais são os planos da banda para 2013?

Paulo Juk – Se o mundo não acabar no dia 21, como está previsto [risos], o fim do ano sempre marca uma ruptura de um período para outro. Temos um show no Guaíra com a orquestra sinfônica do Paraná, feito já com o Rodriggo, temos projeto com a orquestra sinfônica de Ponta Grossa e músicas novas. Não vamos lançar um CD, mas vamos lançar músicas, disponibilizar na internet e continuar. O importante é que a gente não para.

Paulo Teixeira – Estamos em um processo de desligamento do trabalho passado. Tem uma coisa muito marcante com o primeiro LP, algo meio Rolling Stones: a gente também tem que tocar o nosso ‘Satisfaction’, entendeu? Mas, estamos num período de elaborar nas nossas cabeças uma continuidade, então a gente já toca umas músicas novas, alguma coisa diferente, tentando fazer essa passagem.

Texto e foto: Leonardo Schenato Barroso.
Matéria publicada na edição 1884, de 21 de dezembro de 2012, do jornal impresso semanal Folha de Irati, assim como na versão eletrônica do veículo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Blindagem"

Iron MaidenIron Maiden
"Se as bandas de Metal mandassem no mundo..."

Iron MaidenIron Maiden
A concepção original e os primórdios do mascote Eddie

Iron MaidenIron Maiden
Conheça a equipe e família que viaja com a banda

5000 acessosÔôôôôeeee: Sílvio Santos aprova montagem com Steve Harris5000 acessosDuff McKagan: Anestesias não funcionam mais no baixista5000 acessosIron Maiden: veja a banda como você não gostaria de vê-la5000 acessosShow das Poderosas: pre-pare-se para uma versão metal4138 acessosBlack Label Society: strip foi fundamental para contratação de Dario Lorina5000 acessosIron Maiden: os 10 melhores clipes da história da banda

Sobre Leonardo Schenato Barroso

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online