Blüe Barrel: pioneira no Southern Metal?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Oriundo de Campinas (SP), o Blüe Barrel começou suas atividades em 2008 e agora está marcando sua estreia com o curioso "The Oversize Load", um disco pesadíssimo que mistura com muita propriedade o Heavy Metal e o Southern Rock. O Whiplash.Net bateu um papo com o vocalista Vitor Maldonado, e deu para conhecer melhor a banda e sua proposta. Confiram aí, que a distorção é de primeira!

Planet Rock: as maiores vozes da história do rockLars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' Roses

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: Olá Vitor. Você faz parte de uma banda novata que está agora marcando sua estreia em disco. Que tal começarmos com uma biografia do Blüe Barrel?

Vitor: Tudo começou em 2008, quando fazíamos uns covers nos fins de semana com outro amigo no baixo, por pura diversão. Coisas como Black Label Society, Pantera, Lynyrd Skynyrd, Down... Nosso guitarrista, Rafael, vivia criando riffs que eram gravados e salvos no computador, sem a intenção de que virassem alguma coisa a mais, e então foram abandonados. Mas depois começamos a brincar com aquilo, juntar umas ideias e quando nos demos conta estávamos compondo material próprio.

Vitor: É claro que tínhamos a intenção de adotar outra postura e nos tornarmos uma banda, efetivamente, mas era um pouco incerto até que nosso atual baixista, Lucas, topou entrar no lugar do anterior. Ele era um ótimo guitarrista, mas nunca havia tocado baixo... Você pode imaginar que nós realmente não sabíamos o que sairia dali. Lembro bem que nos surpreendemos com sua performance como baixista quando executou "5 Minutes Alone" perfeitamente na primeira vez que ensaiamos. Aquele foi o sinal de entrosamento e o impulso que nos levou a adotar um nome e tomar um rumo, fundando o Blüe Barrel com aquela formação.

Vitor: Inclusive, quanto ao nome, é curioso... Veio da ideia de que, desde o início, queríamos fazer shows com barris estampados com a Rebel Flag em cima do palco, assim como o Lynyrd Skynyrd. A coisa do barril com o 'X' azul da bandeira simplesmente pegou entre a banda e amigos muito rapidamente. Nós até chegamos a usar o barril estampado como símbolo nas primeiras semanas de vida da banda. Acabou soando denso e caipira o bastante no final das contas. Mais tarde descobrimos que isso também é o nome de um whiskey de Kentucky e de uma espécie de cacto, algo emblematicamente ríspido, então... Acho que veio a calhar muito bem (risos).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: O debut "The Oversize Load" explora um nicho musical não muito usual em termos de Brasil. Desde o início a proposta era realmente essa, adotar elementos do Heavy Metal, Southern Rock e Stoner, ou houve algum tipo de evolução ao longo do tempo?

Vitor: Sim, essa foi a proposta, assim que nos postamos com uma banda recém-nascida e sentamos para uma primeira conversa em termos de direcionamento. Queríamos, precisamente, fazer o que nenhuma outra banda jamais tivesse feito até então, em termos gerais e muito menos em termos de Brasil, como você bem mencionou. Desde que formamos essa banda, nunca houve uma linha que já estivesse ali pra trilharmos atrás, para ser a segunda ou a centésima banda a fazer aquilo. Somos a linha de frente. Adotamos a designação 'Southern Metal' como um reflexo da nossa ousadia nesse sentido. Queremos ser a banda pioneira de Southern Metal a prosperar.

Whiplash.Net: Apesar da diversidade de influências, o Blüe Barrel possui uma música bastante direta. Até onde o produtor Ricardo Piccoli os orientou neste sentido? O que foi determinante pra definir o resultado final do áudio?

Vitor: O Ricardo foi extremamente liberal, o que foi essencial para nós. Simplesmente recebeu a música de braços abertos. Escolhemos trabalhar com ele por saber de sua competência, e justamente devido à nossa característica de som, precisávamos de alguém que nos desse total liberdade para fazer o que e como queríamos. Apenas aliamos essa liberdade que tivemos ao profissionalismo dele, esse foi o fator determinante. Tudo saiu exatamente como planejado.


Whiplash.Net: Considerando estas características, já deu para sacar a reação de quem ouviu "The Oversize Load"? Parece-me ser o tipo de música com potencial para atingir um público relativamente amplo...

Vitor: O retorno tem sido bem gratificante. Vejo que temos atingido um público fã de Rock & Roll e Southern Rock, não somente fãs de Metal, o que me deixa bastante feliz. Sei qual a sensação de descobrir uma nova banda que une essa essência com algum peso, algum groove, era nosso intuito e parece que temos conseguido despertar isso nas pessoas.

Vitor: Sinceramente, nunca foi nossa intenção escrever para o público mais amplo possível. Quero dizer, é claro que isso tem seu lado positivo, mas nós escrevemos para agradar a nós mesmos, em primeiro lugar. Não queremos agradar a gregos e troianos, em outras palavras.

Vitor: Temos um álbum cuja introdução é um legítimo country instrumental, com gaitas e violinos, enquanto outras músicas flertam com partes bastante pesadas, em tempos baixos e guitarras com slide... Tudo surge com bastante naturalidade.

Whiplash.Net: A atmosfera visual do projeto gráfico de "The Oversize Load" retrata bem a proposta do Blüe Barrel. Quais os pontos de partida para sua concepção?

Vitor: De fato, trabalhamos com cautela nesse aspecto. Desde o nome do disco até a concepção da arte, integralmente feita por Kevin Fontolan, queríamos mostrar de onde e para que o Blüe Barrel veio, tendo em vista que "The Oversize Load" é nosso debut. O caminhão com o Sol como carga, altivo na estrada, nada mais representa algo grande que não pode ser parado, trilhando caminhos inexistentes até então. É como disse anteriormente, somos a primeira, e única, a fazer o que fazemos.

Whiplash.Net: O período após um lançamento pode ser considerado o mais complicado para as bandas iniciantes, pois há um disco que necessita de shows para divulgação. Neste sentido, como está sua agenda de apresentações?

Vitor: Por ora, o foco é rodar todo o estado de São Paulo, pelo menos. O lançamento ainda é recente, estamos fazendo contatos, e existem pessoas de outros estados do Brasil chegando até nós e mesmo pessoas da Europa e EUA. Mas como você disse, é um período complicado. O Metal e o Rock & Roll nunca andaram bem das pernas nesse país, por motivos que não são novidade para ninguém.

Whiplash.Net: É inegável que muitos vêm contribuindo sistematicamente para o desenvolvimento do underground brasileiro. Mas, ainda assim, qual o aspecto que vocês consideram mais complicado na indústria musical de nosso país?

Vitor: Cara, é bom que você trouxe isso à tona. O ponto mais defeituoso a meu ver é, sem dúvida, a falta de espaço de bandas de música autoral frente a bandas cover, em português claro. Especificamente ao se tratar desse gênero de música. Pelo público sim, em parte, mas principalmente por produtores, organizadores, donos de estabelecimentos, e por aí vai. Ainda se lida com pessoas que pensam que você é a puta, que faz show por cerveja de graça, já que ele tem a opção de chamar uma banda cover qualquer, triplicar o público do evento, mas aí sim, pagar os caras decentemente.

Vitor: O grande problema é que muita gente se sujeita a essa situação, e enquanto houver banda abrindo as pernas para esse tipo de gente, a coisa não vai funcionar. É tudo sobre desvalorização do próprio trabalho. Você colhe o que você planta, e quando 90% não planta nada, colhe nada e está bem com isso, fica difícil dos 10% restantes fazer acontecer. Nós apenas seguimos um conjunto de princípios, não se abaixa a crina para esse tipo de coisa.

Whiplash.Net: Considerando tudo, e tendo como trunfo sua maleabilidade musical, quais as metas do Blüe Barrel e as estratégias para atingi-las?

Vitor: Miramos conquistar o maior espaço possível, fazer nosso nome no Brasil. Temos uma turnê na Europa planejada para o ano que vem ou 2014, em parceria com nossa assessoria MS Metal Press, só não sabemos ainda se vai acontecer em cima desse disco ou do segundo. Nosso principal foco, no entanto, são os Estados Unidos, que nada mais é que o berço de todas as nossas influências.

Vitor: Parece óbvio já que o 'Southern Rock', ou a música 'Southern' em geral é uma designação musical de cunho geográfico, referente ao Sul dos EUA. Natural que nosso grande sonho seja excursionar por ali por um tempo, vivenciar a cultura daquela região. Eu não consigo imaginar experiência mais enriquecedora enquanto banda, e também no aspecto pessoal, para cada um de nós. Além de beber Jack Daniels da nascente, como não? (risos).

Whiplash.Net: Ok, Vitor, o Whiplash.Net agradece pela entrevista e deseja boa sorte ao Blüe Barrel. Se quiser acrescentar algo, a hora é agora!

Vitor: Agradecemos pela oportunidade, Ben! Esperamos falar com vocês novamente o mais breve possível. Support Southern Rock!

Contato:
http://www.myspace.com/bluebarrelband




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Blüe Barrel"


Planet Rock: as maiores vozes da história do rockPlanet Rock
As maiores vozes da história do rock

Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline