Hour Of Penance: se quer apoiar, compre a porra do disco!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Plínio Alves, Fonte: Polêmico Rock
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Polêmico Rock conversou com Giulio Moschini, guitarrista da banda de Death Metal italiana, Hour Of Penance. Giulio falou principalmente sobre as novas turnês, a nova fase da banda, e sobre o último lançamento do grupo, o disco "Sedition". O bate papo pode ser visto logo abaixo!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Polêmico Rock - Horns Fucking Up! Estamos aqui meramente e simplesmente por causa de doze anos de puro Technical Brutal Detah Metal, correto? Me fale um pouco sobre o propósito do Hour Of Penance, para aqueles que irão ler esta entrevista, e me conte um pouco da história de vocês.

Giulio (Hour Of Penance) - Horns! É difícil resumir doze anos de carreira em poucas linhas. Digamos que a banda tenha dado seus primeiros passos em meados de 1999, com a intenção de tocar Metal Extremo, abraçando a brutalidade e mesclando elementos clássicos de bandas que deram os primeiros passos no estilo através dos anos. Com algumas mudanças no line-up, a banda gravou cinco discos, tocou basicamente em todos os lugares da Europa e recentemente nos Estados Unidos. O último álbum, intitulado "Sedition", foi gravado recentemente e distribuído mundialmente pela Prosthetic Records, e provavelmente é o disco mais brutal e doentio até então.

Polêmico Rock - "Sedition" trata-se do último lançamento do Hour Of Penance, o qual teve seu lançamento este ano. Nos conte um pouco sobre a produção deste disco, e o processo de composição das canções. Em que ponto você acha que o Hour Of Penance criou mais maturidade com relação aos discos antigos?

Giulio (Hour Of Penance) - Nós começamos a compor "Sedition" alguns meses após o lançamento de "Paradogma" (2010), e demorou quase um ano para que tivéssemos as letras prontas. Neste meio tempo nós tivemos uma mudança no line-up, que consistiu na entrada de um novo vocalista, Paolo Pieri, e um novo baterista (que também já não esta mais conosco, sendo substituído por James Payne, atual baterista). Nós fizemos algumas turnês pela Europa, e assinamos com a Prosthetic Records, e por fim entramos no estúdio 16th Cellar Studios aqui em Roma para gravar o disco em Outubro de 2011. Esse álbum veio de uma forma muito espontânea. Nós precisávamos de um novo disco lançado, depois das mudanças na formação, até mesmo para revigorar nossas forças. Sendo um fã do nosso próprio som, isso ajuda demais a sentar, e simplesmente começar a compor, de forma que os arranjos venham de um forma bem natural na sua cabeça. "Sedition" não é tão diferente dos nossos trabalhos anteriores, apenas um disco mais aprimorado de tudo que estamos fazendo até então, especialmente as letras. Particularmente não gosto muito de algumas novas bandas que surgem atualmente. Eles estão muito mais focados na parte técnica do que simplesmente fazer uma boa canção, de forma que isso possa ficar na mente de quem esteja ouvindo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Polêmico Rock - Ainda tratando-se de "Sedition", não poderia deixar de perguntar sobre a magnífica arte do disco. Quem teve a idéia? Que tipo de mensagem vocês quiseram passar com ela?

Giulio (Hour Of Penance) - Gyula Havancsak é a pessoa atrás desta magnífica arte de capa. Nós já tínhamos trabalhado com ele para a arte de "Paradogma", e desde o lançamento do mesmo é que ficamos plenamente satisfeitos com o seu trabalho, por isso o chamamos para fazer a arte de "Sedition". Nossas artes estão sempre amarradas com o título e os temas das canções. A serpente vindo do céu e atingindo a igreja é um claro simbolismo de rebelião contra a igreja católica, e a sua corrupção, e sua respectiva repressão contra a liberdade.

Polêmico Rock - Como as pessoas estão reagindo a proposta do Hour Of Penance ao redor do mundo, perante ao mais recente trabalho, e quão insano têm sido a receptividade dos fãs nos shows?

Giulio - Até agora ótimo! Nós vimos muitas resenhas positivas na internet, e nós atingimos uma pontuação importante nas revistas mais conceituadas sobre metal. Portanto, estamos muito satisfeitos com isso. Nós tivemos a oportunidade de tocar nossas e "testar" nossas canções ao vivo antes mesmo do lançamento. "Sedition Through Scorn" é uma das canções que os fãs foram a loucura quando tocamos. Nós fizemos uma turnê nos Estados Unidos, e tivemos um excelente feedback das pessoas com relação às novas canções.

Polêmico Rock - Como acontece o processo de composição das canções, tanto em âmbito lírico quanto instrumental?

Giulio - Atualmente Paolo é o responsável pela maior parte das letras de "Sedition", e ele também é o responsável por ter programado em seu computador a introdução "Transubstantiatio". Nós normalmente trabalhamos juntos na pré produção, e posteriormente eu finalizo aqui no meu estúdio. Nós fazemos a linha de vocal até mesmo sem uma letra permanente, e assim que temos uma idéia de como ficará a canção, jogamos uma letra em cima, com base no que gravamos anteriormente.

Polêmico Rock - Me fale um pouco sobre a cena underground na Itália. É difícil viver da música na região de vocês?

Giulio - Provavelmente, hoje em dia é quase impossível viver da música, pagar suas contas e tudo mais, mesmo se você vive as melhores condições nos melhores países. Triste mas é verdade. Death Metal nunca foi um estilo de gerar uma renda decente para quem o toca. Não é como a música popular. Algumas bandas grandes, na verdade, conseguem viver deste trabalho atualmente, mas a maioria não. Aqui na Itália, nós temos muitas bandas que posteriormente, conseguiram um bom reconhecimento lá fora, mas não aqui, na própria casa. Itália é uma país de terceiro mundo em termos de Metal Extremo, infelizmente.

Polêmico Rock - Qual seu pensamento sobre a internet e os conteúdos para download? Você acha que é uma ferramenta que ajuda bastante, ou que ainda pode haver um lado negativo?

Giulio - Internet ajuda muitas bandas como a nossa a crescer, pelo fato de ser uma ferramenta promocional grátis. Mas ao mesmo tempo todo esse compartilhamento arruinou e arruína a venda de música e qualquer outra coisa que esteja na internet para baixar. As pessoas deveriam entender que se não comprarem os discos, elas estarão não somente prejudicando as gravadoras mas também as bandas, e consequentemente o maior suporte que nós temos das gravadoras. Então se você quer apoiar uma banda e quer vê-la um dia na sua cidade, compre a porra do disco! Você pode adquirir CD`s por excelentes preços em sites como o Amazon. Recentemente comprei uma porrada de discos por menos de dez dólares, isso é mais barato que um maço de cigarro.

Polêmico Rock - Você gostaria de mencionar algum momento engraçado ou bizarro que aconteceu com vocês em algum momento da carreira ou em uma turnê?

Giulio - Difícil mencionar somente uma, geralmente temos momentos bizarros a todo momento nas turnês!

Polêmico Rock - Eu gostaria que você deixasse alguma mensagem para os fãs brasileiros do Hour Of Penance.

Giulio - Nós realmente sonhamos em fazer uma turnês na América do Sul, e consequentemente o Brasil. Vocês possuem uma das maiores bandas de Metal Extremo, como o Krisiun, The Ordher, Raebellium, apenas para mencionar algumas.

Polêmico Rock - Obrigado pela oportunidade, é realmente um grande prazer ter vocês aqui. E parabéns pelo excelente disco "Sedition", e também pelos trabalhos anteriores, como o "Paradogma", pois são excelentes trabalhos!

Giulio - Obrigado pelo suporte! Mantenha o excelente trabalho!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Hour of Penance"


Rockstars: Tatuagens que possivelmente geram arrependimentoRockstars
Tatuagens que possivelmente geram arrependimento

Lemmy Kilmister: Estou pronto para morrer. Minha vida foi boaLemmy Kilmister
"Estou pronto para morrer. Minha vida foi boa"


Sobre Plínio Alves

Plínio Alves, formado em Administração de Empresas, blogueiro nas horas vagas. O primeiro contato com o Heavy Metal se oficializou aos 11 anos de idade com um um CD do Nirvana, "Nevermind". Depois deste marco, a paixão pela música pesada se desencadeou de forma bem natural e prazerosa. Dois anos depois, estarrecido com o som pesado e provocador de bandas de Death e Black Metal, se tornou um fã de carteirinha do estilo. Embora seja fã de estilos específicos, declara ter afinidade com qualquer rótulo musical dentro do Heavy Metal, sem preconceito algum. Duas bandas que resumem sua vida: Alice in Chains e Deicide. Os demais textos do autor podem ser vistos no blog Polêmico Rock.

Mais matérias de Plínio Alves no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280