Nathorg: Verdadeiros guerreiros do Black Metal no Irã

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini, Fonte: Blog Arte Metal
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Não há o que discutir, é inimaginável para os headbangers uma cena Metal em um país como o Irã, e ela realmente não existe. Afinal, o país é fundamentalmente islâmico (leva a religião no próprio nome) e vive em um regime de ditadura. Quem assistiu o documentário "Global Metal" (2007, de Scot McFadyen e Sam Dunn) pôde ver um pouco da situação difícil que um fã de Rock/Metal enfrenta naquele país. Tudo piora quando uma banda, oriunda de lá, resolve fazer Black Metal e falar sobre religião (tudo contra) e ódio ao ser humano. O Nathorg consegue fazer isso e com maestria, afinal não chama atenção apenas por essas peculiaridades, mas sim pela qualidade de sua música. Em uma entrevista curiosa, apesar das poucas palavras (talvez até pelo pouco inglês), Gaztus (vocal) e Holatoth (guitarra) falaram sobre esses assuntos, além da divulgação de seu primeiro álbum "Beyond The Gates Of Nathorg" e até da vontade de morar no Brasil. Completam o time Gorkh (guitarra), Ordal (baixo) e Xarkhim (bateria).

Nirvana: Perguntas e respostas e curiosidadesCapas de álbuns: 30 das piores artes da história

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Nathorg não tem qualquer trabalho que precedeu "Beyond The Gates Of Nathorg". Por que escolheu para lançar diretamente um álbum e qual é a fonte oficial de bandas de você?

Gaztus: Nós gostamos de apresentar álbum completo para ser totalmente perfeito.

Como foi o processo de composição de "Beyond The Gates Of Nathorg"?

Holatoth: Composições vêm de sentimentos internos.

Acho que o som de vocês tem grande influência do Black Metal nórdico e do Death Metal tradicional, lógico que com algumas características próprias. Você concorda com isso?

Holatoth: Sim eu concordo com você, mas não nos limitamos a quaisquer gêneros como Black e Death Metal e queremos apresentar estilos extremos.

Os timbres dos instrumentos ficaram muito bons, diga-nos como foi o processo de produção.

Gaztus: O registro do álbum feito em estúdio underground em casa.

Holatoth: Mas procuramos soar o mais perto do Black Metal puro.

"Beyond The Gates Of Nathorg" tem apenas seis composições de médio a longo tempo e variadas. No entanto, as composições não soam cansativas. Qual é a fórmula para isso?

Holatoth: Nós tentamos soar com velocidade e riffs diferentes, além de atmosfera nas canções para não parecer tão longas.

'Nathorg' é a terra onde o principal objetivo é lutar contra o mundo imundo de seres humanos. Os temas das letras buscam discutir esta questão? Explique-nos o que vocês querem passar com as letras.

Holatoth: Nós não somos uma banda positivamente orientada, os seres humanos transformam esse mundo em um lugar imundo, este mundo será destruído pelas próprias mãos humanas e o que resta de bom acabará em breve.

Como tem sido a repercussão do álbum até agora, tanto pela crítica quanto pelo público?

Holatoth: O álbum não foi lançado completamente para o público ainda, mas não está mal segundo a crítica.

Aqui no Brasil, poucos conhecem o Nathorg. Conte-nos como é o show de vocês?

Gaztus: Agora estamos com alguns problemas no Irã, mas nós temos um plano para isso.

Na verdade, é raro uma banda de Metal no Irã, principalmente de Black Metal. Como é tocar um som tão extremo, com letras anti-religião e cheias de misantropia em um país tão religioso?

Gaztus: Este é o sentimento para nos ajudar a enfrentar as dificuldades que temos no Irã.

No documentário "Global Metal" (2007, de Scot McFadyen e Sam Dunn) nota-se que não é fácil ser um headbanger no seu país, o que vocês podem falar sobre isso?

Holatoth: Completamente verdade, por exemplo, se alguém aparece de cabelos longos em público pode ser preso pela polícia

Vocês conhecem algo sobre a cena do Metal no Brasil? Há vontade e oportunidade de tocar aqui algum dia?

Gaztus: Sim nós gostamos de bandas brasileiras, elas são realmente grandes. Certamente nós gostaríamos, e tocaremos, um dia no Brasil.

Obrigado pela entrevista, deixe uma mensagem para os fãs brasileiros.

Gaztus/Holatoth: Obrigado ao povo brasileiro que nos apoiam e obrigado pela entrevista. Nós gostaríamos de tocar no Brasil e talvez imigrar para o Brasil para viver.

http://www.myspace.com/nathorg




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Nathorg"


Nirvana: Perguntas e respostas e curiosidadesNirvana
Perguntas e respostas e curiosidades

Capas de álbuns: 30 das piores artes da históriaCapas de álbuns
30 das piores artes da história


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL