Andre Matos: entrevista para o Hard And Heavy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luciano Piantonni, Fonte: Hard And Heavy
Enviar correções  |  Ver Acessos

Andre Matos é um cara que dispensa apresentação. Considerado um dos maiores nomes do Metal brasileiro, Andre integrou bandas como Viper, Angra, Shaman, Symfonia e sustenta uma sólida carreira com uma banda que leva o seu nome - que chega ao seu terceiro trabalho, o excelente The Turn Of The Lights. Confira nossa conversa com o "maestro do Metal":

Heavy Metal: cinco discos necessários dos anos setentaGuns N' Roses: álcool, drogas e intrigas nos primórdios da banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

HH -Fale sobre a concepção de The Turn Of The Lights.

Andre Matos: Em primeiro lugar quero agradecer pela bela resenha feita, acho que você captou a essência do trabalho e soube diferenciar as intenções de música para música. Isto já é uma satisfação: independente se imprensa ou público, quando alguém entende a mensagem, é o nosso objetivo. Obrigado!

O conceito nasceu da ideia do conhecimento. Os antigos filósofos diziam que conhecer algo era o mesmo que jogar luz sobre este objeto; passa-se então a perceber o que antes parecia não estar ali. O mundo vem passando por transformações muito aceleradas. Se nós não "iluminarmos" certos aspectos da vida em comunidade, talvez nos deparemos com um beco sem saída para a Humanidade. Traduzindo mais ou menos ao pé da letra, o título quer dizer "A Virada das Luzes". É bastante auto-explicativo.

HH - Jurava que fosse encontrar uma releitura de alguma música de seu passado neste CD...

Andre Matos: Apenas na versão japonesa, como bonus track, gravamos duas versões atualizadas de músicas passadas, como At Least a Chance do Viper, e Wings of Reality do Angra. Mas não chegam a ser releituras, não quisemos mudar por demasiado os arranjos. Apenas a sonoridade ficou mais atual. Para a versão convencional sem os bônus, são 11 faixas completamente inéditas, e o CD alcança praticamente 1 hora de duração.

HH - Qual a comparação que você faria entre os dois primeiros e esse?

Andre Matos: Sempre se aprende algo. Foram processos bastante opostos. A diferença é que, nesse novo CD, tivemos tempo de sobra e material de sobra pra poder escolher aquilo que se encaixava melhor. E fomos lapidando as músicas, mesmo quando ainda estávamos em turnê, na estrada. Outra diferença foi o fato de este álbum ter sido produzido, gravado e finalizado num único local, o Norcal Studios em São Paulo. É a primeira vez em mais de 20 anos que produzimos um trabalho inteiramente no Brasil. Isto nos deu mobilidade, flexibilidade - e, devido às facilidades do estúdio, e ao empenho da equipe de produtores, conseguimos realizar em 3 meses o que talvez levaríamos 6 para terminar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Musicalmente é um disco bem trabalhado, bem equilibrado, um "mix" dos elementos dos dois primeiros com algumas pitadas a mais. O som é pesado e compacto, sem deixar de lado as passagens clássicas e progressivas.

HH - A arte da capa de Mentalize tinha vários significados. The Turn Of The Lights soa mais simples. Existe algum significado por trás daquela imagem?

Andre Matos: A capa do Mentalize era uma espécie de jogo, de charada. Servia completamente ao propósito transcedental do disco. Já a do The Turn of the Lights traz uma mensagem mais impactante e direta. Foi baseada na estética de alguns ilustradores atuais e também de alguns filmes contemporâneos. Um grande trabalho gráfico do ilustrador Rodrigo Cruz, baseado numa foto real da fotógrafa Amanda Louzada.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Andre Matos"Todas as matérias sobre "Angra"


Angra: matéria antiga e equivocada para a TV GloboAngra
Matéria antiga e equivocada para a TV Globo

Angra: como fica Carry On nas vozes do Van CantoAngra
Como fica "Carry On" nas vozes do Van Canto


Heavy Metal: cinco discos necessários dos anos setentaHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

Guns N' Roses: álcool, drogas e intrigas nos primórdios da bandaGuns N' Roses
álcool, drogas e intrigas nos primórdios da banda


Sobre Luciano Piantonni

Luciano Piantonni, é editor do site Hard And Heavy ([email protected]) e redator da revista Rock Brigade. Natural de Santo André (ABC Paulista) começou sua história com a música aos 8 anos quando foi assistir ao show do Kiss, em 1983. Desde então, acompanha Rock e Metal como suas maiores paixões. Já foi colaborador da revista Roadie Crew (entre 2006 e 2007), além de jornais e sites. Possui uma assessoria de imprensa, LP Metal Press, onde trabalha com os shows de diversas produtoras como Liberation MC, Tumba Productions, SG Entertainment, TC7 Produções, entre outras.

Mais matérias de Luciano Piantonni no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline