Matérias Mais Lidas

Metal Church: falece o vocalista Mike HoweMetal Church
Falece o vocalista Mike Howe

Iron Maiden: Bruce Dickinson conta o lugar que mais deseja que a banda faça um showIron Maiden
Bruce Dickinson conta o lugar que mais deseja que a banda faça um show

Guns N' Roses: a reação de Slash ao ouvir a voz de Axl Rose pela primeira vezGuns N' Roses
A reação de Slash ao ouvir a voz de Axl Rose pela primeira vez

Iron Maiden: dez músicas lado b que todos deveriam ouvir ao menos uma vez na vidaIron Maiden
Dez músicas "lado b" que todos deveriam ouvir ao menos uma vez na vida

Slipknot: campeã do BBB diz que Corey Taylor já pediu nudes dela; saiba reaçãoSlipknot
Campeã do BBB diz que Corey Taylor já pediu nudes dela; saiba reação

Angra: Supla realmente ajudou a montar a banda? Luis Mariutti esclarece históriaAngra
Supla realmente ajudou a montar a banda? Luis Mariutti esclarece história

Eric Clapton: detonado por Ginger, Alex Skolnick e outros; uma vez FDP, sempre FDPEric Clapton
Detonado por Ginger, Alex Skolnick e outros; "uma vez FDP, sempre FDP"

Doutrinador: Bruce usa camiseta de anti-herói brasileiro para falar sobre novo álbumDoutrinador
Bruce usa camiseta de anti-herói brasileiro para falar sobre novo álbum

Andreas Kisser: parar de beber foi uma das melhores decisões que ele já tomouAndreas Kisser
Parar de beber foi uma das melhores decisões que ele já tomou

Cannibal Corpse: Alex Webster revela que sofre de raro distúrbio neurológicoCannibal Corpse
Alex Webster revela que sofre de raro distúrbio neurológico

Iron Maiden: loja pode ter revelado o nome de segundo single de SenjutsuIron Maiden
Loja pode ter revelado o nome de segundo single de "Senjutsu"

Accept: Fui totalmente contra a tirar o Udo da banda! (vídeo)Accept
"Fui totalmente contra a tirar o Udo da banda!" (vídeo)

Utilidade pública: músicas para incomodar vizinhos que ouvem sertanejo no último volumeUtilidade pública
Músicas para incomodar vizinhos que ouvem sertanejo no último volume

Guns N' Roses: o conselho que Bowie deu para Slash, quando o guitarrista era doidãoGuns N' Roses
O conselho que Bowie deu para Slash, quando o guitarrista era doidão

Bruce Dickinson: ele ia a lojas de discos, mas não tinha dinheiro pra comprarBruce Dickinson
Ele ia a lojas de discos, mas não tinha dinheiro pra comprar


Pentral

Deathraiser: grupo concede entrevista ao Som Extremo

Por Christiano K.O.D.A.
Fonte: Som Extremo
Em 12/12/11

publicidade

Os últimos anos têm sido um ano de ouro para o thrash metal nacional. Inúmeras foram as banda do estilo que soltaram excelentes álbuns, sendo que, entre elas umas acabam se sobressaindo às outras.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A Deathraiser é um desses exemplos. Os mineiros soltaram o ultra-agressivo "Violent Agression" (ler resenha neste link) e estão na eterna luta pela divulgação da ótima cena underground que temos no país. O quarteto é formado por Thiago (guitarra/vocal), William (bateria), Ramon (guitarra) e Junior (baixo). Os dois primeiros concederam uma entrevista na qual falam, além do álbum, sobre suas origens, a cena mineira, influências, planos futuros e outros assuntos.

Som Extremo: Conte um pouco da história da Deathraiser. Como foi a caminhada até o lançamento por um selo espanhol de "Violent Aggression"?

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

William: Fala Christiano, prazer em falar com você! Então, a Deathraiser surgiu na verdade com o nome de Mercilless, em meados de 2006, na cidade de Leopoldina (MG). Éramos doidos para montar uma banda de thrash, então começamos os ensaios e aí acabou rolando legal...

Thiago: Era uma parada meio ‘pô, vamos fazer um som pra gente pirar!!’ e recordo que até mesmo antes da Merciless, vieram um monte de nomes meio estranhos, como Cerebral Waste (risos). Firmamos o nome Merciless e ainda tentamos disfarçá-lo com um "l" a mais em seguida (mais risos). Foi quando sentimos a necessidade de registrar esse momento na demo "Possessed by Thrash", que para nós, foi uma coisa totalmente empolgante na época. Foi daí que começamos a encarar a coisa com seriedade.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Som Extremo: A banda faz um dos mais violentos thrash metal que já ouvi. O objetivo foi sempre soar assim, ou essa brutalidade aconteceu naturalmente?

William: Essa "nova" fase da banda surgiu naturalmente, depois da demo "Possessed by Thrash". Na época, tocávamos mais para o lado do Thrash/Speed, sem ser muito agressivo, mas quando começamos a compor para o novo álbum, acabou que naturalmente as músicas tiveram uma pegada mais rápida e com um direcionamento bem mais agressivo do que na demo, e o pessoal curtiu bastante essa "nova" fase.

Thiago: É, foi uma coisa legal na época! Como falei, a gente estava muito empolgado e queria tocar na velocidade equivalente a essa empolgação (risos).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Som Extremo: Como tem sido a repercussão do trabalho? Às quantas anda sua divulgação?

William: A repercussão de "Violent Aggression" tem sido muito boa até então. O CD está sendo bem divulgado na Europa e na Ásia, mais precisamente no Japão, onde alguns estoques já estão baixos. Entretanto, aqui no Brasil ainda vemos essa deficiência na divulgação, mas estamos correndo atrás de boas parcerias e acredito que ano que vem teremos boas notícias. Quem sabe, um lançamento nacional? Seria ótimo...

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Som Extremo: Existem planos para algum clipe, ou turnês?

William: Estamos com umas ideias na cabeça para o nosso primeiro clipe. Já temos a música escolhida e em breve será divulgada... Esperamos poder fazer esse clipe até meados do ano que vem e espero que seja foda! E estamos planejando uma possível tour sul-americana em meados de 2012. Ainda não está 100% confirmada, mas estamos muito animados com essa ideia. Será ótimo poder tocar em lugares que ainda não fomos e mostrar nosso som ao vivo para os nossos "vizinhos" (risos).

Thiago: Na verdade, tudo isso aí já era uma vontade muito antiga. Tocar foi e sempre será a coisa que mais nos motiva na vida. Mas realmente, agora, com o "Violent Aggression", as possibilidades para que isso aconteça são melhores. Pode crer que da nossa parte, vamos nos empenhar muito nisso para que não fique só nos planos.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Som Extremo: A influência mais evidente do trabalho de vocês parece ser a Kreator antiga. Além dos alemães, existem outros grupos mais "suaves" que também fazem parte de sua inspiração?

William: É, a Kreator foi uma banda que nos influenciou muito desde o início, mas acredito que isso vem mais da parte agressiva de cantar do Mille (Petrozza, vocal da Kreator). Curtimos muito esse tipo de vocal e acho que combina perfeitamente com nosso som. É claro temos influências de várias bandas, não só pelo som, mas também pela temática, que é uma das coisas importantes que vemos no thrash. Queremos que isso faça parte da Deathraiser. Acredito que as influências de bandas como Sepultura (old), Vio-lence, Dark Angel e Demolition Hammer estejam mais presentes no atual momento da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Thiago: Sempre rola essa associação, até por parte do vocal, que eu assumo, foi em quem busquei a referência maior (risos). Mas pô, é inegável também as influências até do nosso próprio cenário mineiro, dos áureos anos 80. É essa pegada aí que agente queria ao menos chegar perto... Mas agente curte música pra caralho e tenta absorver um pouco daquilo que achamos que cabe no nosso som. Vai desde o citado Vio-lence, até um Devastation, por exemplo (risos).

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Som Extremo: Falando na inspiração em bandas antigas thrash, vocês não temem que a Deathraiser soe retrógrada hoje?

William: Pergunta legal essa, mas veja bem, hoje em dia, muito se fala nesse lance das bandas soarem anos 80/90 e por aí vai. No entanto, acredito que as pessoas esquecem e não enxergam a paixão que as bandas de hoje em dia têm em fazer esse som "retrógrado". Então acho que pouco importa para a gente "soar" ou querer "imitar" uma época maravilhosa que já passou. Não ligamos para rótulos. Apenas fazemos o nosso som e não temos medo de disso. Somos apenas uma banda de thrash metal fazendo o que gosta e para quem gosta (risos).

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Thiago: Acho até que essa coisa de retrógrado é meio que uma necessidade que as pessoas têm na hora de se orientar quanto à estética (ou rótulo, diga-se) do som. É como um mecanismo de identificação. Mas se é para dizer que tentamos reproduzir, tanto "sonoricamente", quanto passionalmente, aquele lance de estar atuando em uma cena local/regional, produzindo e intercambiando cultura e fazendo parte de uma rede, podemos dizer sim, que agente tenta chegar perto de como isso era nos anos 80, quando a coisa era passional demais. Acho que a inserção de um pensamento megalomaníaco dentro do rock estragou essa magia entre as pessoas, saca?

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Som Extremo: A cena mineira anda produtiva como antigamente?

William: Acredito que hoje em dia, não mais. Temos muitas bandas boas, mas a verdade é que a cena mineira anda decadente e menos produtiva. As coisas não andam; são poucos shows, poucos produtores interessados em fazer festivais e chamar as próprias bandas mineiras. Está tudo praticamente parado, exceto no interior, onde ainda existe a ideia de fazer os próprios festivais, como é o nosso caso aqui. Se a gente não tem, pegamos e realizamos, pois só assim fazemos alguma coisa para mudar. Acredito que falta mais iniciativa própria dos produtores ou de fãs de metal em geral em fazer os próprios festivais. Sei que a precariedade também conta como falta de apoio, lugar, grana, mas unir sua cena local e colocar isso em prática já é algo que deve ser feito. É claro, tem que ser feito por paixão e não pelo dinheiro, senão a coisa não anda.

Thiago: Claro, também penso assim, William. Convenhamos: a grana pode tanto facilitar quanto prejudicar a organização de um evento (risos). Mas falando na cena mineira, vemos bandas despontando (caso da Hammurabi e Facionora), mas são coisas que não reproduzem a condição da capital mineira, que anda precisando reviver esse espírito que o interior esta correndo atrás. A gente já é um movimento de contracultura, não tem como não ser DIY.

Som Extremo: Hoje o Brasil vive uma fase excelente no thrash metal. Concordam? A que vocês acham que se deve esse resgate?

William: Uma fase 100% excelente, acredito que não esteja. Creio em uma ascensão da cena, com as coisas tendendo a melhorar, mas é preciso quebrar várias barreiras ainda. Temos grandes bandas surgindo ou que já estão na cena, mas faltam mais apoio e oportunidades para as bandas mostrarem seu material. Parte desse resgate vem da insatisfação de algumas pessoas com essas novas tendências, mas isso, na realidade, é algo que só o tempo dirá.

Thiago: Acho que essa coisa pode ser meio espontânea até hoje em dia, saca? Porque do fim dos anos 90 para cá, a gente viu muita coisa surgir, e muitas bestas mitológicas em forma de discos e super heróis de plástico tocando, ao invés de banda, saca? Penso que essa fase excelente se deve também ao fato da busca das pessoas e das bandas pelo verdadeiro espírito da coisa, essa paixão que muito reproduz a sonoridade da cena dos 80´s. O thrash é muito parte disso. Assim, tem muita banda foda velha de guerra e outras mais novas nos dando cada dia mais orgulho para o Brasil em termos de thrash metal.

Som Extremo: Com isso, vocês acham que o cenário já está saturado, ou é apenas o início?

William: Saturado, acredito que não, mas hoje com essa evolução tão rápida das coisas pode acabar atrapalhando. Muitas pessoas deixam de ir a um show ou comprar um CD (digo em questão de apoiar, não de grana), para depois sugar tudo na internet e ainda querer criticar algo que está sendo feito. Acredito que, se a coisa está ruim, pegue e faça, apóie, construa, pois só assim veremos uma luz no fim do túnel. Muita gente acha isso conversa fiada, mas a coisa é simples: se estamos nesse meio, é para tentarmos fazer alguma coisa, e não criar divergências numa parada que gostamos e fazemos parte. Entretanto, deve-se lembrar que isso é uma opinião minha (risos).

Thiago: Eu acho que nunca é demais a aparição de novas bandas, novos espaços e novas trocas de cultura. O que não acho legal é o lance de querer soar igual a alguém em específico. Mas em termos de produção e atuação de uma cena local, é como o William disse: não é só o som, e sim toda uma atitude ao redor da coisa...

Som Extremo: O blog Som Extremo agradece a entrevista. Agora o espaço é de vocês!

William: Quero agradecer primeiramente a você, Christiano, pelo apoio dado à Deathraiser. Para nós, é um prazer trocar essa ideia com você. Quero agradecer também a todos que curtem a banda e a apóiam, de uma maneira ou de outra. Esperamos nos encontrar nos rocks da vida por aí. Grande abraço a todos. Keeping The Underground Spirit!

Thiago: Poxa, obrigado mesmo, Christiano!! Valeu pela força que tem nos dado, bicho!! E espero em breve poder conhecê-lo pessoalmente (nota do redator: a vontade é recíproca) num rock desses, pra gente falar de som e se embriagar um pouco (muitos risos). A todos os que perderam seu tempo lendo isso e prestigiando esse grande do Christiano: "Vocês REALMENTE são foda!!" Muito obrigado e não esqueçam: se você quer uma cena, lute por uma cena!!

Contatos:
Tel: (032)9995-2789
http://www.myspace.com/deathraiser666
http://www.twitter.com/deathraiser666
[email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável


Slipknot: como são os membros da banda sem as máscaras?Slipknot
Como são os membros da banda sem as máscaras?

Steven Tyler: primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeasSteven Tyler
Primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeas


Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A..