AC/DC: Entrevista de Brian e Angus para a Cdn.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Anderson Alves, Fonte: AC/DC Brasil.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Diante a uma bandeja com sanduíches e uma taça com frutas frescas, que parecem ser ignoradas, está Angus Young tomando chá e seu colega de banda, Brian Johnson, fumando, "Eu estou tentando parar; eu sei, eu sei, isso não existe", ele admite.

948 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman5000 acessosGarimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock

Já faz quase um ano que turnê Black Ice terminou. Em retrospectiva, o que vocês acharam?

Brian Johnson: Rápida. Pareceu um vento. Você nem percebe, e então de repente, estávamos dizendo adeus. Fiquei em choque por mais de duas semanas. Eu estava sentado em casa, e minha esposa ficava me olhando e dizendo: “Por que você não tira essa bunda dai e vai fazer alguma coisa?” Eu não sabia o que fazer. Eu não sabia mais como viver uma vida normal!

Angus Young: Eu fiquei na cama por uma semana, mas depois peguei a guitarra e fui para o estúdio trabalhar com ela. E montei alguns quebra-cabeças. Fiquei viciado!

Brian Johnson: Eu montei um quebra-cabeça também. Só levou três dias. Fique muito contente, pois na caixa dizia: “de cinco a seis anos”.

Falem um pouco sobre o novo DVD.

Johnson: Achei fantástico. Foi muito bem feito. As câmeras e tudo mais foram inacreditáveis – penduradas sob cabos e automatizadas. Todas essas coisas modernas são de tirar o fôlego.

Young: E (o HD) realmente exibe todas as rugas!

O público da América do Sul é conhecido por serem insanos, e aquele que aparece no DVD com certeza prova isso. A resposta do público ainda significa alguma coisa após todos esses anos?

Johnson: Claro que sim. Eles me dão arrepios em algumas noites. Você tem que se concentrar no que você está fazendo, porque se você começar a olhar para o público, você acaba esquecendo o que tem que fazer.

Young: Em alguns shows, dá pra escutar o barulho do público antes de entrar. É como se você não precisasse estar lá. Eles já estão se divertindo. E você não pode ficar falando muito com eles. Isso nunca funciona.

Johnson: Eu acho que se você falar muito, você começa a soar como um político ou um líder sindical. Basta ficar de bico calado e começar a tocar.

Por que vocês não deixam os microfones (do guitarrista rítmico Malcolm Young e do baixista Cliff Williams) onde eles ficam, para não terem que andar 10 passos à frente e 10 passos para trás a noite toda?

Johnson: O quê?! Você deve estar brincando! Nós estaríamos perdidos! Ficaríamos confusos!

Young: Lembro quando Mick Jagger me perguntou: "Você acha que Malcolm tem que ir pra frente e tocar?” Então eu disse: “Esses passos estão enraizados nele. Esse é o seu jeito de dançar. É isso”.

E além disso, é o seu único exercício da noite.

Johnson: Oh, não. Quando sai do palco, ele está suando! Acredite em mim.

Young: Malcolm é a “sala das máquinas”. E o que ele faz é único. Há muito poucos guitarristas como Malcolm no mundo. Há mais pessoas como eu: guitarristas. Muito poucos falam, “Só quero ficar aqui e tocar um bom ritmo.” Malcolm é um solista muito bom. Não o subestime, ele pode solar e solar muito bem. No começo, quando tocávamos em bares, ele e eu revezávamos. Ele fazia um solo e eu outro. Então um dia ele me disse, “Vou me concentrar no suporte e você pode fazer todas as coisas coloridas.”.

Johnson: Não há como imitá-lo. Vi pessoas tentarem tocar “You Shook Me All Night Long” ou “Highway to Hell”, mas faziam tudo errado - e eram bons guitarristas.. Eu não sei o que é, e obviamente eles também não!

Vocês nos fizeram esperar oito anos por "Black Ice". Não vão fazer isso de novo não né?

Johnson: Nah... Em oito anos vamos estar todos mortos, companheiro!

Young: Promessas, promessas.

Johnson: Ha! “Oh, lá se foi mais um!”

Young: “Será que ele pode levar seus amigos junto?”

Daqui a quanto tempo vocês pensam em fazer outro álbum?

Young: Ainda é cedo. Mas esperamos que venha mais cedo. A única fórmula de quando Malcolm e eu escrevemos, é que não há fórmula. Às vezes você tem muitas e muitas ideias - no nosso caso, quartos cheios delas. É uma questão de escolher a melhor - e, provavelmente, por sermos irmãos, podemos facilmente dizer: “Isso é bom. Isso é uma porcaria. Isso é bom...”.

Johnson: Eu acho que se você colocar uma data em algo, você se coloca sob pressão. Assim vem alguém e diz “Final de novembro" é como, ”Ah caral***”.

Vocês tocam o mesmo setlist todas as noites. Não fica chato depois de 150 shows?

Young: Bom, eu tenho sorte. Tenho um poder. Sempre tive isso. Tenho uma segunda personalidade. Visto o uniforme escolar e me torno mais forte. Mais poderoso. Até a minha visão fica melhor.

Johnson: Ele é o Clark Kent, po**.”.

Brian, você estava brincando quando disse que estaria morto em oito anos...

Johnson: Brincando? Eu não estava brincando!

Isso quer dizer que essa turnê exigiu mais de vocês do que a última?

Young: Bom, essas coisas acontecem com você. Nessa turnê, tive essa coisa com a perna. Não era na coxa, não me lembro. O médico disse que era algo com uma veia. Mas é engraçado, só me incomodava quando eu estava fora do palco. Quando subia lá, eu ficava bem.

Johnson: Mas isso é físico. O que você tem que entender é que nós fazemos o que um jogador de futebol faz - mas não temos quase uma semana para se recuperar. E se tivéssemos, iríamos querer apenas sentar e fumar! Então, fazendo assim ficamos em forma. E desse jeito que consigo ir à academia todos os dias! Você quer se manter nesse nível. A última coisa que queremos ouvir é alguém se lamentando ao olhar pra você, dizendo: “Oh, você deveria ter visto eles antigamente.”. A coisa é, estou me mantendo em forma, e Angus faz o mesmo que eu, mas ele tem que tocar o “banjo” ao mesmo tempo! É igual ao que eu faço - mas com uma mochila de acampar nas costas. Para ele, não é difícil. Mas todo mundo pensa que é.

Mas Angus, se você perder seus joelhos ou coxas, o que você gostaria de tocar se não pudesse se mover como hoje?

Young: Eu viro biônico.

Vocês gostariam que a banda continuasse sem vocês?

Johnson: Isso é uma questão discutível, acho que pode se dizer que sim.

Young: Acho que sim, se conseguissem continuar. E você gostaria de saber se eles continuaram bem.

Johnson: Bom, eu não quero ver essa me*** acontecendo. Que se fo** isso. Seria como um lápis quebrado, inútil.

Young: Bom, eles têm a tecnologia agora, poderiam me colocar no telão.

Johnson: Daqui a 20 anos vamos poder ir ao estádio nos assistir!

O 40° aniversário da banda está chegando, será em 2013. O que vamos ganhar?

Johnson: Fogos de artifício! Nah, acho que a melhor coisa seria ainda estarmos de pé depois de 40 anos de banda e ainda tocando para os fãs. Eu não acho que haveria um presente melhor do que esse. Iria acabar com alguns de nariz empinado.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Phil RuddPhil Rudd
Por que ele se recusa a fazer solos de bateria

948 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman1494 acessosRock: gênero é um trintão decadente, segundo Spotify0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "AC/DC"

Top 20Top 20
Discos recentes de bandas clássicas tão bons quanto os antigos

Total GuitarTotal Guitar
Os 20 melhores riffs de guitarra da história

Purple, Metallica, Guns, AC/DCPurple, Metallica, Guns, AC/DC
Entre os 666 maiores clássicos

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "AC/DC"

CamisetasCamisetas
Beldades globais e sua paixão pelo rock

HumorHumor
Os roqueiros mais chatos das redes sociais

Lady GagaLady Gaga
"O Iron Maiden mudou a minha vida!"

5000 acessosHeavy Metal Fail: os Trues também saem mal na foto5000 acessosMetallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorar5000 acessosDeath Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOL5000 acessosSlipknot: Corey Taylor treta com fã e expulsa o cara do show5000 acessosIron Maiden: fã de 10 anos detona música com Nicko na batera5000 acessosBruce Dickinson: sua coleção de clássicos do Metallica

Sobre Anderson Alves

Anderson Alves, nascido em 1990, é fã incondicional e apaixonado por rock and roll. O seu primeiro contato com o rock and roll foi quando conheceu o som de AC/DC, Ozzy Osbourne e Creeedence por volta do ano 2000 nos discos de vinis que encontrara em sua casa. Mais tarde conheceu a raíz do estilo, indo de Big Joe Turner, Hank Williams até Creedence e Elvis Presley. É também administrador, redator e editor de vídeos do fã site AC/DC Brasil.net, onde dedica uma parcela de seu tempo em tributo ao AC/DC e colaborador constante do site wiki brasileiro do rock e metal, Whiplash.net.

Mais matérias de Anderson Alves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online